Gangrena: o que é e quais são as suas causas?

03 Maio, 2020
A gangrena é uma doença grave que pode levar à necrose, causando a morte do paciente. Neste artigo, discutiremos os seus sintomas, os tipos existentes, seu tratamento e os grupos de risco.

A gangrena é uma doença grave que afeta os tecidos, causando a sua morte (necrose). O que causa a doença geralmente é uma bactéria conhecida como Clostridium perfringens. No entanto, existem diferentes razões pelas quais uma pessoa pode ser afetada por esse problema.

Ao longo deste artigo, explicaremos quais são os diferentes tipos de gangrena que foram descobertos até o momento e como eles se desenvolvem. Da mesma forma, abordaremos os sintomas que esta doença apresenta e enfatizaremos a importância de ir ao médico o mais rápido possível para evitar a morte, uma das suas consequências.

Tipos de gangrena

1. Gangrena seca

Esse primeiro tipo de gangrena ocorre, como aponta o estudo Mionecrose clostrídica: uma doença de todos os tempos, quando as artérias e os tecidos estão obstruídos, fazendo com que o fluxo sanguíneo não atinja o tecido afetado.

Uma das razões pelas quais isso acontece é geralmente um colapso vascular que acompanha a diabetes mellitus. No entanto, também pode acontecer com pessoas que sofreram uma lesão por congelamento ou um processo arteriosclerótico. Seu tratamento é a realização de uma cirurgia vascular, sempre que é detectada a tempo.

Leia também: Sinais de que sofremos de uma má circulação

2. Gangrena úmida

Tipos de gangrena
Como resultado da infecção de uma ferida, pode ocorrer a gangrena entre uma de suas complicações.

Ao contrário do tipo anterior, esse caso ocorre devido à contaminação de uma ferida com sujeira ou outros elementos. Este tipo de gangrena é mortal, por isso deve ser tratada com antibióticos e cirurgia de emergência. Geralmente afeta a boca, intestino, pulmões, vulva e outras membranas mucosas do corpo.

3. Gangrena gasosa

A gangrena gasosa é caracterizada por sua rápida progressão, como aponta o artigo Gangrena gasosa. Apresentação de caso. Sua principal causa são as feridas traumáticas.

Sua forma de evolução é o aparecimento de um edema que dificulta a circulação. A maneira de combater o problema é removendo o tecido danificado o mais rápido possível.

4. Gangrena de Fournier

Esse último tipo de gangrena do qual falaremos tem uma característica notável e geralmente afeta a região perineal de homens e mulheres. Não é um tipo muito comum. No entanto, se ocorrer, tende a aparecer em idosos.

A gangrena de Fournier é bastante grave e geralmente exige um cirurgia muito agressiva que pode exigir amputação dos órgãos genitais. Em alguns casos, uma vez resolvido o problema, pode ser realizada uma cirurgia reconstrutiva com enxertos de pele.

Sintomas

Gangrena nos pés
Prestar atenção aos sintomas da gangrena nos permitirá identificá-la rapidamente para iniciar um tratamento precoce.

Agora que vimos alguns dos tipos mais comuns de gangrena, assim como as suas possibilidades de tratamento, é necessário abordar o aspecto mais importante: a sintomatologia.

Saber o que explicar quando formos procurar atendimento médico pode impedir, se tivermos uma gangrena gasosa, que esta tenha um resultado fatal. Lembre-se de que a gangrena leva à necrose e isso, se não for resolvida, pode provocar a morte.

  • Mudanças de cor na pele: pode aparecer uma cor roxa, bronze ou vermelha.
  • Inchaço ou edema: às vezes é acompanhado pela formação de bolhas.
  • Dor: de grande intensidade na área onde a doença está ocorrendo.
  • Cheiro fétido: indica que os tecidos estão apodrecendo (início de necrose).
  • Febre: indica que há uma infecção.

O desconforto é outro dos sintomas que podemos sentir. Se a gangrena evoluir rapidamente, a pele pode começar a cair. Sem dúvida, se a maioria desses sintomas ocorrer, é essencial buscar atendimento médico imediatamente para receber tratamento e evitar a amputação ou a morte.

Você também pode se interessar: Diagnóstico da necrose cutânea

Grupos de risco

Homem diabético
Pacientes com diabetes são mais suscetíveis a apresentar esta doença devido a problemas vasculares.

É fundamental saber que os grupos de risco que podem sofrer mais facilmente com essa doença são aqueles que sofrem de diabetes, algum tipo de doença vascular e até câncer.

Essas pessoas, diante de qualquer lesão ou ferida, como as já mencionadas, devem ir ao médico para fazer uma limpeza adequada e acompanhamento. Somente assim será possível evitar o aparecimento dessa doença, que em muitos casos se torna fatal.

Esperamos que este artigo tenha sido útil para solucionar muitas das dúvidas que você possa ter sobre essa doença, além de informar os diferentes tipos que existem, entre outras informações de interesse.

  • Fuentes Valdés, Edelberto, Núñez Roca, Ariel, Kapaxi Andrade, Josina, & Fernandes da Cunha, Yacira. (2013). Gangrena de Fournier. Revista Cubana de Cirugía52(2), 91-100.
  • García-Sánchez, J. E., Fresnadillo, M. J., & García-Sánchez, E. (2010). Nuevas bacterias anaerobias implicadas en enfermedades infecciosas humanas. Enfermedades Infecciosas y Microbiologia Clinica28(3), 173-184.
  • GAUGES, H., & ROSENBLUT, E. (1957). Gangrena de las extremidades en niños recién nacidos. Revista chilena de pediatría28(1), 29-33.
  • Pila Pérez, Rafael, Pila Peláez, Rafael, Guerra Rodríguez, Carmen, del Risco Turiño, Carlos, & Ferrer Padrón, Alejandro. (2002). Trastornos vasculares y cáncer. Comunicación de un caso y revisión de la literatura. Revista Archivo Médico de Camagüey6(3), 294-300.
  • Suárez Lescay, Celso, & Infante Carbonell, María Cristina. (2011). Mionecrosis por clostridio: una enfermedad de todos los tiempos. MEDISAN15(1), 112-124.