Qual é a função do zinco no corpo?

O zinco é um mineral essencial para diversos processos metabólicos, mas você sabe quais são suas funções? Vamos detalhá-las a seguir.
Qual é a função do zinco no corpo?

Última atualização: 31 Janeiro, 2021

Você sabe qual é a função do zinco no corpo? Este mineral é essencial e extremamente importante para o organismo, por isso deve ser obtido em quantidades adequadas por meio da alimentação.

Por ter um papel específico em mais de 300 enzimas, esse nutriente participa de todas as reações bioquímicas do corpo humano. Portanto, os valores de zinco têm um efeito direto no crescimento, desenvolvimento, comportamento neurológico e sistema imunológico.

Qual é a função do zinco no corpo?

Tanto o zinco quanto o cobre e o selênio intervêm nos processos necessários ao desenvolvimento da vida. Na verdade, esse elemento está presente em todos os órgãos, tecidos, fluidos e secreções do corpo humano.

Possui funções catalíticas, aumentando a velocidade das reações químicas. Da mesma forma, cumpre funções estruturais e regulatórias. De acordo com o estudo Zinco: um oligoelemento essencial, atua na função cerebral, onde exerce um efeito modulador na comunicação neuronal.

Também mantém a integridade da membrana celular e o equilíbrio dos tecidos. No osso, em particular, é um constituinte da matriz óssea que auxilia na formação de novos osteoblastos.

Possui propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e previne danos celulares. É um agente regulador em diferentes mediadores da imunidade, pois intervém na ativação, no crescimento e no funcionamento das células imunitárias. Por tudo isso, promove a cicatrização de feridas.

No sistema cardiovascular, regula a pressão arterial. Por isso, atua na função cardiorrespiratória e na promoção da força em pessoas saudáveis ​​e atletas. Nestes casos, a suplementação com zinco também tem efeitos positivos para a prática de exercícios

É indispensável, por outro lado, para que funcione o sentido do paladar, o que estimula o apetite. Na recuperação de pacientes que sofrem de anorexia nervosa, a suplementação com zinco promove o ganho de peso e melhora os sintomas de ansiedade e depressão.

Como obter zinco por meio da dieta
As funções do zinco no corpo são variadas, desde a regulação do paladar até a manutenção da pressão arterial.

Veja também: Por que é necessário aumentar o consumo de zinco na dieta?

De quanto zinco você precisa?

Em geral, 83% do zinco que temos no corpo é encontrado nas células que constituem os músculos e ossos. Como não há um local específico para armazenar esse nutriente, não há como compensar as deficiências alimentares.

De acordo com vários estudos, a quantidade diária necessária depende da idade. No caso de um adulto, esse valor fica entre 8 e 11 miligramas por dia para mulheres e homens, respectivamente. Existem estágios da vida, como gravidez e lactação, em que as necessidades aumentam para 13 miligramas por dia.

Além disso, os lactentes alimentados com mamadeira apresentam uma maior necessidade devido à menor biodisponibilidade desse mineral nas fórmulas lácteas infantis.

Quais são suas fontes dietéticas?

Felizmente, esse nutriente é amplamente distribuído em diversos alimentos. No entanto, como ocorre com outros elementos, seu teor é variável. Nesse sentido, as principais fontes alimentares que o contém são as seguintes:

  • Produtos de origem marinha, especialmente os frutos do mar (ostras e crustáceos).
  • Carnes, em especial os órgãos e os músculos de bovinos, suínos, aves e peixes.
  • Laticínios e ovos.
  • Alimentos vegetais, como grãos integrais, leguminosas, oleaginosas e sementes.

Este mineral se encontra unido às proteínas e aos ácidos nucleicos, portanto sua biodisponibilidade estará condicionada a este fato. Assim, o zinco das plantas é menos absorvido devido à presença do ácido fítico, substância que forma complexos insolúveis que dificultam sua absorção intestinal.

Saiba mais: Fortaleça sua saúde óssea consumindo estes 8 alimentos ricos em cálcio

O que acontece se você não consumir zinco suficiente?

Por ser um nutriente presente em várias fontes dietéticas, a deficiência é rara. No entanto, isso não significa que não ocorra. Segundo dados do Instituto Nacional de Saúde, seu déficit provoca alterações em todas aquelas reações em que intervém. Pode chegar a repercutir das seguintes formas:

Alimentos ricos em zinco
O zinco é obtido a partir dos alimentos, e sua deficiência, embora rara, gera distúrbios de vários tipos.

O que devemos lembrar sobre a função do zinco no corpo?

Como você viu, esse mineral tem diversas ações no corpo; portanto, sua ingestão deve ser adequada em todas as fases da vida. Para garantir que você está cumprindo com as suas recomendações diárias, é aconselhável consultar um nutricionista para obter orientações sobre o assunto.

Do paladar à atividade do sistema imunológico, o leque de processos que dependem dos níveis de zinco é amplo. Uma dieta variada deve ser suficiente para atender a esses requisitos.

Pode interessar a você...

Oligoelementos: o que são e por que são importantes?
Mejor con SaludLeerlo en Mejor con Salud
Oligoelementos: o que são e por que são importantes?

Oligoelementos são micronutrientes essenciais para várias funções do corpo. Sua deficiência pode causar desordens metabólicas a doenças crônicas.



  • López de Romaña, D., Castillo, C., & Diazgranados, D. (2010). El zinc en la salud humana-1. Revista chilena de nutrición37(2), 234-239.
  • Rubio, C., González Weller, D., Martín-Izquierdo, R. E., Revert, C., Rodríguez, I., & Hardisson, A. (2007). El zinc: oligoelemento esencial. Nutrición Hospitalaria22(1), 101-107.
  • Datos sobre el zinc. National Institute of Heatlh. Disponible en https://ods.od.nih.gov/pdf/factsheets/Zinc-DatosEnEspanol.pdf
  • Torres Acosta, R., & Bahr Valcarcel, P. (2004). El zinc: la chispa de la vida. Revista cubana de pediatría76(4), 0-0.
  • de Burguera, Oscar Alarcón Marcela, et al. “Valoración de niveles séricos y óseos de calcio, cobre, estroncio, hierro, magnesio y zinc en pacientes con osteoporosis.” Vitae: Academia Biomédica Digital 23 (2005): 5.
  • Llavero-Valero, M., and M. Currás Freixes. “Protocolo diagnóstico y terapéutico de las alteraciones del magnesio y el zinc.” Medicine-Programa de Formación Médica Continuada Acreditado 13.14 (2020): 816-818.
  • Jiménez, Rafael, Mayder Martínez, and Ronoel Peñalver. “Efecto del zinc sobre el crecimiento y desarrollo del niño con bajo peso al nacer.” Colomb Med 38.1 (2007): 6-13.
  • King, Janet C., David M. Shames, and Leslie R. Woodhouse. “Zinc homeostasis in humans.” The Journal of nutrition 130.5 (2000): 1360S-1366S.