Com que frequência devo trocar o absorvente durante a menstruação?

6 de janeiro de 2019
Cada mulher deve escolher o tipo de absorvente que melhor atenda às suas necessidades em cada momento da menstruação, e deve trocá-lo a cada quatro horas, no máximo.

O cuidado com a nossa região íntima é extremamente importante, ainda mais quando chegamos a um estágio de nossas vidas em que o corpo apresenta alterações hormonais e fisiológicas. Uma das dúvidas que podem surgir neste sentido é com que frequência trocar o absorvente durante a menstruação.

É importante que você conheça os cuidados que deve dar ao seu corpo, especialmente os relacionados à saúde íntima.

Esta é uma fase em que você deve aprender qual tipo de absorvente é o mais indicado para você de acordo com as necessidades do seu corpo.

Quanto tempo dura a menstruação?

Absorventes menstruais

A duração da menstruação depende do organismo de cada mulher.

  • Enquanto em algumas pode ser de apenas dois ou três dias, outras podem ter uma menstruação mais longa, a qual que pode durar até 8 dias.
  • Assim como a duração, o fluxo e a quantidade de sangue dependerão de cada organismo e variam de mulher para mulher. A estimativa é que todos os meses são perdidos cerca de 40 mililitros de sangue.

Diferentes tipos de absorventes

Existem diferentes tipos de absorventes, externos e internos, especialmente concebidos para as necessidades de cada mulher. Você pode encontrar:

  • Absorventes externos, com ou sem abas.
  • Absorventes externos noturnos especialmente projetados para usar à noite e capazes de absorver uma maior quantidade de sangue.
  • Absorventes internos de fluxo normal para usar durante o dia.
  • De algodão, para mulheres com pele sensível, e sintéticos para quem os preferir.
  • Há também absorventes com diferentes perfumes, ou sem eles.
  • Além disso, para quando sua menstruação já estiver terminando, existem os absorventes diários, que são pequenos e discretos, de modo que sua calcinha não fique manchada com os restos do fluxo.

Primeiro você deve selecionar os absorventes femininos ideais para a quantidade de fluxo que você tem, para que não aconteçam acidentes e você precise de mais absorventes durante o dia.

Com que frequência devo trocar o absorvente?

Absorventes para a menstruação

Não importa se o seu fluxo é fraco, moderado ou intenso: é preciso trocar o absorvente feminino aproximadamente a cada quatro horas, no máximo.

É necessário ter em mente que, mesmo que o absorvente pareça estar limpo ou seco, o sangue que está sendo eliminado de seu corpo está escondido graças ao desenho do absorvente.

Ao se acumular, favorece a reprodução de micro-organismos que podem causar infecções e danos à saúde.

Naturalmente, se o seu fluxo é intenso, a mudança do absorvente deve ser em um curto período de tempo (pelo menos a cada duas horas). Desta forma, você evitará acidentes e o manterá a sua região íntima seca o tempo todo.

Você também deve estar ciente de que com o acúmulo de sangue em seu absorvente, estará emitindo um cheiro que é normal.

Você deve estar alerta para que o cheiro não seja desagradável, a ponto de ser insuportável e putrefato, pois isso pode indicar um problema.

  • Um cheiro com essas características indicaria que há um crescimento acelerado de bactérias e micro-organismos.
  • Estes, devido ao calor e à umidade que ocorrem por causa do absorvente, desenvolvem-se rapidamente e podem causar infecções.

Higiene íntima no período menstrual

Ciclo menstrual

Não importa se o seu fluxo sanguíneo durante o período menstrual é intenso, moderado ou escasso. Recomenda-se lavar a região íntima toda vez que trocar o absorvente, secando bem a área antes de colocar outro.

O absorvente que você tirar deve ser descartado de maneira apropriada. Depois de remover o absorvente, você deve dobrá-lo e colocá-lo na embalagem do novo absorvente que vai colocar em sua calcinha.

É muito importante que você saiba que o absorvente não deve ser jogado no vaso sanitário, pois não se desintegra e causa sua obstrução. Além disso, contaminaria o meio ambiente.

É por isso que você deve descartá-los no lixo do banheiro.

Lembre-se sempre de que o cuidado com o seu corpo e, especialmente, com a sua região íntima é muito importante.

Se você notar qualquer alteração à qual não está acostumada, especialmente se estiver relacionada ao seu período menstrual, procure imediatamente um especialista que possa informá-la se é normal ou não.

  • A Marcia, Ubilla S Felipe, Morales S Cristián, Zitko M Pedro, Burgos M Viviana, Rivera A Ma. Angélica. Hábitos higiénicos vulvo-vaginales de consultantes ambulatorias en gineco-obstetricia. Rev. chil. obstet. ginecol.  [Internet]. 2015  Ago [citado  2018  Nov  16] ;  80( 4 ): 282-288. Disponible en: https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?script=sci_arttext&;pid=S0717-75262015000400002&lng=es.  http://dx.doi.org/10.4067/S0717-75262015000400002.
  • Cuevas Aura, Celis Cuauhtemoc, Herrán Santiago, Hernández Imelda, Paredes Osiris, Paradas Alejandro. Higiene íntima femenina y vaginosis bacteriana: Encuesta Epidemiológica Latinoamericana 2008. Rev Colomb Obstet Ginecol  [Internet]. 2010  Sep [cited  2018  Nov  16] ;  61( 3 ): 198-206. Available from: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&;pid=S0034-74342010000300003&lng=en.
  • Das, P., Baker, K. K., Dutta, A., Swain, T., Sahoo, S., Das, B. S., Panda, B., Nayak, A., Bara, M., Bilung, B., Mishra, P. R., Panigrahi, P., Cairncross, S., … Torondel, B. (2015). Menstrual Hygiene Practices, WASH Access and the Risk of Urogenital Infection in Women from Odisha, India. PloS one10(6), e0130777. doi:10.1371/journal.pone.0130777
  • Jiménez Ubieto I., Zornoza A., Tarrío O.. Sangrado de origen ginecológico. Anales Sis San Navarra  [Internet]. 2009  [citado  2018  Dic  17] ;  32( Suppl 1 ): 39-48. Disponible en: http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&;pid=S1137-66272009000200005&lng=es.
  • Serret Montoya Juana, Hernández Cabezza Abigail, Mendoza Rojas Ofelia, Cárdenas Navarrete Rocío. Alteraciones menstruales en adolescentes. Bol. Med. Hosp. Infant. Mex.  [revista en la Internet]. 2012  Feb [citado  2018  Dic  17] ;  69( 1 ): 63-76. Disponible en: http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&;pid=S1665-11462012000100010&lng=es.