Existe amor à primeira vista?

Há quem acredite que alguns segundos são suficientes para sentir que alguém é a pessoa certa. O amor à primeira vista realmente existe? Descubra o que a ciência diz!
Existe amor à primeira vista?

Última atualização: 19 junho, 2022

O debate sobre o amor à primeira vista ainda está aberto e parece não ter fim. Há quem afirme com toda a certeza que o experimentou e outros que se recusam a aceitar que um sentimento tão complexo e profundo como este possa surgir num instante.

A verdade é que não é fácil desvendar a questão de qual dessas opiniões é verdadeira. Mas a ciência pode lançar alguma luz sobre isso.

Estima-se que cerca de 60% das pessoas relatam ter experimentado o amor à primeira vista em algum momento de suas vidas. Esse sentimento não se define como uma simples atração física, mas como a certeza de que essa é a pessoa certa para você, com quem deseja se relacionar e forjar um vínculo sólido, sem demorar mais do que alguns segundos para chegar a essa certeza.

É realmente possível que isso aconteça?

Amor à primeira vista pode ser uma confusão mental

Há muitos casais que, depois de namorar por um tempo, dizem que sua conexão inicial foi instantânea e sabiam desde o primeiro minuto que estavam destinados a ficar juntos. Mas é possível que não tenha sido exatamente assim.

Pode ser que esse suposto sentimento nada mais seja do que um conluio da memória, distorcendo o passado à luz dos acontecimentos atuais.

É até possível que um membro do casal tenha vivenciado aquela centelha inicial e a outra pessoa, inconscientemente, acabe modificando suas memórias e acreditando que também teve aquela experiência. Lembre-se que o amor à primeira vista nem sempre é mútuo.

Lembrança de amor à primeira vista.
É possível que depois de um relacionamento por um tempo, as memórias do que aconteceu no início do relacionamento se tornem distorcidas.

O papel do efeito halo

Em outras ocasiões, essa sensação nada mais é do que o resultado do conhecido efeito halo. Este é um fenômeno pelo qual as pessoas atribuem características positivas àqueles que nos parecem atraentes, sem realmente ter indícios de que sejam assim.

Quando conhecemos alguém de quem gostamos ou por quem nos sentimos muito atraídos, inadvertidamente inferimos que também é uma pessoa legal, inteligente ou confiável. Assim, nos apaixonamos por essa projeção, por essa ideia que formamos e que não precisa corresponder à realidade.

De fato, isso pôde ser verificado em um estudo realizado em 2017 na Holanda. Aqui, os pesquisadores pediram a 400 pessoas que relatassem a presença ou ausência de amor à primeira vista depois de conhecerem potenciais parceiros românticos. Os resultados indicaram que aquelas pessoas classificadas como mais atraentes tinham 9 vezes mais probabilidade de que outras pessoas sentissem esse amor à primeira vista por elas.

Alguém que “se encaixa no molde”

No entanto, nem todas as características que atribuímos ao outro assim que o conhecemos se devem ao efeito halo. Há evidências de que tendemos a perceber as pessoas fisicamente semelhantes a nós como mais atraentes e também julgá-las como mais confiáveis.

De alguma forma, assumimos que a personalidade dela também será semelhante à nossa. Ou podem até nos lembrar de rostos confiáveis da infância, como nossos pais.

Por outro lado, a linguagem não verbal transmite informações importantes e valiosas sobre os outros, sobre suas atitudes e qualidades. Dessa forma, mesmo que não tenhamos conversado ou interagido muito com alguém, podemos perceber como ele é e, se ele se encaixar no molde mental do que queremos e buscamos, podemos sentir um “amor” instantâneo.

Linguagem corporal e amor à primeira vista.
A linguagem corporal pode ser decisiva em uma experiência inicial para considerar que estamos apaixonados à primeira vista.

Os componentes do amor

Para determinar se existe amor à primeira vista, devemos ter em mente a definição desse sentimento. Robert Sternberg estabeleceu que o amor é a combinação de três elementos básicos:

  1. Paixão: designa o desejo, o impulso ou a necessidade de estar com a outra pessoa. Inclui excitação e desejo sexual.
  2. Intimidade: é o sentimento de proximidade, conexão emocional e confiança que existe entre duas pessoas.
  3. Comprometimento: refere-se à intenção e decisão de permanecer nesse relacionamento de longo prazo, apesar das crises vividas e das que podem vir.

Quando conhecemos outra pessoa, esses componentes não estão presentes, ou pelo menos não na mesma proporção que estão naqueles que já estão em um relacionamento. No entanto, essa centelha inicial nos deixa muito mais dispostos a desenvolver e aceitar esses 3 elementos, mais do que estaríamos em qualquer outro encontro em que não sentimos esse “amor” instantâneo.

O amor à primeira vista pode levar a relacionamentos felizes?

Muitas vezes acreditamos que o amor à primeira vista é um erro ou um grande risco. No final, se você não se der tempo para conhecer alguém, é mais provável que essa pessoa não seja parecida com você e, mais cedo ou mais tarde, problemas e insatisfação surgirão.

No entanto, parece que este não é o caso. Algumas pesquisas descobriram que, embora aqueles que sentem amor à primeira vista tendam a ser mais diferentes em diversos aspectos, seus relacionamentos não são de menor qualidade do que aqueles que se conhecem melhor antes de se juntarem.

Na verdade, esse impacto positivo da primeira impressão pode compensar a falta de conhecimento e deixar vocês dois muito dispostos a construir um vínculo de longo prazo.

Em suma, não podemos dizer que o amor à primeira vista existe, pois é construído ao longo do tempo. No entanto, existe uma forte ligação ou atração inicial que nos leva a querer construir algo de verdadeiro com o outro e nos torna mais fácil alcançá-lo.

Pode interessar a você...
Juntos há quase 100 anos, casal afirma que “o amor é o mesmo desde o 1º dia”
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Juntos há quase 100 anos, casal afirma que “o amor é o mesmo desde o 1º dia”

Descubra a bonita história de amor de um casal centenário que afirma que "O amor é o mesmo desde o 1º dia". Entenda!



  • Barelds, D. P., & Barelds-Dijkstra, P. (2007). Love at first sight or friends first? Ties among partner personality trait similarity, relationship onset, relationship quality, and love. Journal of Social and Personal Relationships24(4), 479-496.
  • Grant-Jacob, J. A. (2016). Love at first sight. Frontiers in Psychology7, 1113.
  • Zsok, F., Haucke, M., De Wit, C. Y., & Barelds, D. P. (2017). What kind of love is love at first sight? An empirical investigation. Personal Relationships24(4), 869-885.