Estrabismo: sintomas e tratamentos

Se você acha que você ou a criança da casa pode ter estrabismo, fique atento aos sintomas. Um diagnóstico precoce melhora o prognóstico.
Estrabismo: sintomas e tratamentos

Última atualização: 01 Março, 2021

O estrabismo é um problema ocular que surge normalmente na infância. Também tem um excelente prognóstico se diagnosticado e tratado antes dos quatro anos de idade.

A plasticidade cerebral (a capacidade do sistema nervoso de mudar ao longo da vida) tem uma influência decisiva no desenvolvimento da visão. Antes dos 4 anos, há mais plasticidade no cérebro do que em qualquer outra idade. Daí a importância de detectá-lo a tempo de corrigi-lo.

Este problema às vezes é detectado rapidamente, mas outras vezes requer um diagnóstico especializado. Nos casos mais graves, gera um impacto estético significativo (além de problemas de visão). Quer saber quais são seus sintomas e tratamentos? Continue lendo!

O que é o estrabismo?

Estrabismo é uma alteração no alinhamento dos olhos ao focar. Isso leva à perda do paralelismo, ou seja, à possibilidade de os dois olhos apontarem para a mesma direção ao focar em um objeto.

Check-up ocular
O estrabismo consiste em um desalinhamento do foco dos olhos que geralmente se manifesta desde a infância.

Às vezes, o estrabismo é constante e não varia muito. Outras vezes, aparece intermitentemente quando o paciente está cansado, nervoso ou doente. Também quando ele está localizado a certas distâncias do objeto que deseja focar a vista.

Em quase todos os casos, um dos olhos tem maior acuidade visual e pode apontar diretamente para a frente. O outro tem menos acuidade e está em uma posição não paralela. De acordo com o desvio que apresenta, vários tipos de estrabismo foram definidos.

Talvez você esteja interessado em ler também: 10 exercícios e alguns alimentos para ter uma boa visão

Tipos de estrabismo

Em geral, o movimento do olho para dentro ou para fora é denominado estrabismo horizontal. Se subir ou descer, é denominado estrabismo vertical. Assim, o Dr. Cristián Salgado destaca quatro tipos de estrabismo de acordo com o ângulo de desvio dos olhos (principalmente o olho não dominante).

Esses tipos são:

  • EsotropiaOcorre quando ambos os olhos estão voltados para dentro. É “acomodatício” se ocorrer quando o paciente faz um esforço para se concentrar; e “não acomodativo”, se for constante.
  • ExotropiasOs olhos estão voltados para fora. Em geral, esse tipo de estrabismo aparece tardiamente.
  • HipotropiasGeralmente afeta apenas um olho, que fica direcionado para baixo.
  • HipertropiasQuando um ou ambos os olhos estão direcionados para cima.

Sintomas da doença

Em princípio, não é considerado anormal um recém-nascido rolar os olhos casualmente. Apesar disso, aos 3 ou 4 meses a criança já deve ser capaz de focar nos objetos que está olhando com olhos alinhados.

Olho e cartas de exame visual
Como resultado do desalinhamento, os olhos apresentam problemas visuais significativos.

Caso contrário, identifique os principais sintomas do estrabismo:

  • Os olhos não seguem a mesma direção após os 4 meses de idade.
  • Ambos os olhos focalizam o mesmo ponto, mas não parecem alinhados.
  • Visão dupla em adultos.

No estrabismo leve, a criança pode fechar apenas um olho ao sol. Ela também pode inclinar a cabeça para manter o olhar. Por isso, um artigo publicado em 2010 pelo Jornal Cubano de Higiene e Epidemiologia explica que isso às vezes leva a problemas no desempenho escolar.

Estima-se que 25% dos problemas de aprendizagem se devam à imaturidade do sistema visual.

Por outro lado, entre 30% e 35% das pessoas com estrabismo perdem a visão no olho não dominante. Isso é chamado de ambliopia ou “olho preguiçoso”. Nesse sentido, quando o estrabismo ocorre na idade adulta, o paciente costuma enxergar em dobro.

Tratamentos disponíveis

O objetivo dos tratamentos para o estrabismo é evitar que o olho não dominante perca a acuidade visual e que ambos os olhos alcancem o melhor alinhamento possível. Além disso, são orientados para fortalecer os músculos oculares de modo que o desvio se modere ou desapareça.

O habitual é pedir o uso de óculos e exercícios para os olhos para fortalecer o músculo. Por outro lado, no caso da ambliopia, o tratamento indicado é a oclusão total. Isso significa colocar uma mancha no olho dominante para forçar o outro a aumentar sua acuidade.

Nos casos mais graves, o tratamento de escolha é a cirurgia. Isso permite enfraquecer alguns músculos e fortalecer outros, modificar sua inserção ou encurtar um deles para obter um foco alinhado. Entretanto, o habitual é que sejam necessárias várias cirurgias.

Às vezes, o estrabismo também é corrigido pela injeção de uma substância chamada toxina botulínica. Conforme explicado por um estudo aprovado pela Sociedade Espanhola de Oftalmologia, isso produz relaxamento muscular e permite que os olhos se alinhem em alguns casos.

Em caso de suspeita, procure um profissional

Como você viu, existem métodos para tratar o estrabismo. Portanto, se você suspeitar que tem esse problema, procure um profissional o quanto antes para que possa começar a tratá-lo da forma mais adequada. Na consulta, o oftalmologista fará os exames adequados para encontrar uma solução precisa e dará todos os esclarecimentos que você precisar.

Pode interessar a você...
5 dicas para você cuidar bem de sua visão
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
5 dicas para você cuidar bem de sua visão

Apreciar todos os detalhes de uma paisagem, ler um livro com comodidade, trabalhar no computador sem que os olhos se escureçam. Veja como cuidar da...



  • Salgado, C. (2005). Ambliopía y estrabismo. Boletín de la Escuela de Medicina, 30(2), 31-36.
  • Mezquía Valera, Alina, Aguilar Valdés, Juan, Cumbá Abreu, Caridad, & Acosta Quintana, Leanne. (2010). Agudeza visual y aprendizaje escolar en estudiantes de secundaria básica del municipio Habana Vieja. Revista Cubana de Higiene y Epidemiología48(3), 264-270. Recuperado en 03 de julio de 2020, de http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1561-30032010000300005&lng=es&tlng=es.
  • Moguel Ancheita, S, Dixon Olvera, S, Martínez Oropeza, S, & Orozco Gómez, LP. (2003). Utilidad de la toxina botulínica en el tratamiento del estrabismo en enfermedades sistémicas. Archivos de la Sociedad Española de Oftalmología78(1), 9-14. Recuperado en 03 de julio de 2020, de http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0365-66912003000100004&lng=es&tlng=es.
  • Dras. Andrea Jara, María Augusta Naranjo, Pamela Salas, Marcela Arrufat, Romina Nuñez, Mariana Pozzi Azzaro, Susana Gamio (2018). Utilidad de la Toxina Botulínica tipo A para el tratamiento de estrabismos horizontales. Servicio de Oftalmología, Hospital de Niños Dr. Ricardo Gutiérrez, Buenos Aires, Argentina. https://archivosoftalmologia.com.ar/index.php/revista/article/view/57.