Esomeprazol: o que é e para que serve?

18 Outubro, 2020
O esomeprazol é um medicamento altamente seguro e eficaz para o tratamento da hipersecreção de ácido gástrico.

O esomeprazol pertence a um grupo de medicamentos chamados inibidores da bomba de prótons, conhecidos pela sigla IBP. O mecanismo de ação desses medicamentos reduz a quantidade de ácido produzido pelo estômago.

Os inibidores da bomba de prótons são provavelmente os medicamentos mais prescritos no mundo. O esomeprazol é um isômero S do omeprazol, cujo perfil de segurança é muito favorável, pois apresenta efeitos adversos mínimos e pouco graves.

A seguir, vamos explicar tudo que você precisa saber antes de tomar esomeprazol.

Mecanismo de ação do esomeprazol

Quimicamente, o esomeprazol é uma base fraca, que se concentra e se ativa no ambiente extremamente ácido dos canalículos secretores da célula parietal – localizados no estômago. Quando está no trato digestivo, inibe a enzima H+/K+-ATPase – a chamada bomba de prótons – e, portanto, inibe a secreção de ácido basal e a secreção estimulada.

Quando o tratamento com esomeprazol é indicado?

O tratamento com esomeprazol é indicado em adultos para combater:

  • Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE).
  • Em combinação com um regime terapêutico antibacteriano apropriado para a erradicação da Helicobacter pylori.
  • Cicatrização da úlcera duodenal associada ao Helicobacter pylori.
  • Prevenção de recidivas de úlceras pépticas em pacientes com úlceras associadas ao Helicobacter pylori.
  • Pacientes que precisam de tratamento continuado com anti-inflamatórios não esteroides – AINEs, um fator de risco para o aparecimento da úlcera péptica.
  • Cicatrizes de úlceras gástricas associadas ao tratamento com AINEs.
  • Tratamento continuado para a prevenção de nova hemorragia de úlcera péptica induzida por via intravenosa.
  • Tratamento da síndrome de Zollinger Ellison. É uma condição rara na qual um ou mais tumores se formam no pâncreas ou no duodeno. Esses tumores são chamados de gastrinomas e secretam grandes quantidades do hormônio gastrina, que faz com que o estômago produza ácido de maneira exagerada.

O tratamento com esomeprazol é indicado em adolescentes a partir dos 12 anos de idade em caso de:

Mulher sentindo azia

Não deixe de ler: Tratamento de tumores neuroendócrinos de pâncreas

Dosagem e modo de administração

A dosagem do esomeprazol depende do tipo da condição a ser tratada, embora seja geralmente administrado em comprimidos de 20 ou 40 mg, de acordo com a prescrição médica.

Os comprimidos devem ser engolidos inteiros com a ajuda de líquidos, sem serem mastigados ou esmagados. Para pacientes com dificuldades de deglutição, os comprimidos também podem ser dissolvidos em meio copo de água sem gás. Outros líquidos não devem ser utilizados, pois o revestimento entérico que impede sua desintegração no ambiente gástrico pode se dissolver.

Para pacientes que não conseguem engolir, os comprimidos podem ser administrados através de uma sonda gástrica. A via intravenosa também pode ser avaliada, se necessário.

Efeitos colaterais mais frequentes

As reações adversas relatadas com mais frequência são:

  • Dor de cabeça
  • Erupção cutânea ou rash (exantema).
  • Dispepsia.
  • Dor abdominal.
  • Diarreia e náuseas.

O perfil de segurança é semelhante para diferentes formulações, indicações de tratamento, faixas etárias e populações de pacientes. Até o momento, nenhuma reação adversa relacionada à dose normal foi identificada.

Variedade de medicamentos

Você também pode se interessar: 5 sucos naturais para aliviar as úlceras gástricas

Interações com outros medicamentos

As interações medicamentosas podem ocorrer através de vários mecanismos: seja pela má absorção do medicamento devido a alterações no pH gástrico ou pela competição com as enzimas do citocromo P450.

As interações mais significativas do esomeprazol com outros medicamentos são:

  • Atazanavir.
  • Clopidogrel.
  • Ciclosporina.
  • Varfarina.
  • Acenocoumarol.
  • Carbamazepina.
  • Agentes antifúngicos.

Contraindicações do esomeprazol

A principal contraindicação para a administração deste fármaco é a hipersensibilidade à substância ativa, os benzimidazóis, ou aos excipientes usados como veículo dessa substância, como a sacarose.

Por outro lado, não se recomenda a administração concomitante de esomeprazol com atazanavir – antirretroviral usado na prevenção e tratamento do HIV. Caso seja considerado estritamente necessário, seria aconselhável fazer um monitoramento clínico rigoroso, juntamente com um aumento da dose de atazanavir para 400 mg e 100 mg de ritonavir. No entanto, não é recomendável exceder a dose de 20 mg de esomeprazol.

Uso responsável de inibidores da bomba de prótons

Como dissemos, o esomeprazol pertence ao grupo de medicamentos mais utilizado no mundo. Embora já tenhamos visto que é um medicamento muito seguro com efeitos adversos muito leves, eles tendem a ser considerados simples “protetores gástricos sem efeitos colaterais” e a ser administrados sem receita médica.

Entretanto, esse fato pode levar ao uso incorreto do esomeprazol no tratamento de sintomas não associados à hipersecreção gástrica, que é a sua principal indicação.

De acordo com alguns estudos, o uso prolongado e inadequado de esomeprazol pode levar a:

  • Hipomagnesemia.
  • Aumento do risco de fratura óssea.
  • Aumento do risco de infecção.
  • Má absorção de vitaminas.
  • Complicações em pacientes de risco ou polimedicados.

No entanto, o esomeprazol é um medicamento altamente seguro e eficaz para o tratamento da hipersecreção gástrica.

  • Agencia Española de Medicamentos y Productos Sanitarios (AEMPS). Centro de información del medicamento (CIMA). Ficha técnica de Nexium Mups 20 mg: https://cima.aemps.es/cima/dochtml/ft/63436/FT_63436.html
  • Earp JC, Mehrotra N, Peters KE, et al. Esomeprazole FDA Approval in Children With GERD: Exposure-Matching and Exposure-Response. J Pediatr Gastroenterol Nutr, 2017. 65:272-277.
  • de la Coba Ortiz C, Argüelles Arias F, Martín de Argila de Prados C. Proton-pump inhibitors adverse effects: a review of the evidence and position statement by the Sociedad Española de Patología Digestiva. Rev Esp Enferm Dig, 2016. 108:207-24.