Efeito espectador: como agimos durante uma emergência?

O efeito espectador indica que a influência social é uma variável importante; o que os outros fazem condiciona o comportamento.
Efeito espectador: como agimos durante uma emergência?

Última atualização: 12 julho, 2022

Como você acha que agiria durante uma emergência? Se você vir alguém sendo atacado na rua, o que você acha que faria? muitas pessoas responderiam “eu intervenho, sem hesitação” ou “eu ligaria para a polícia”. No entanto, há quem duvide que sejam capazes de ter uma reação eficaz. Nesse caso falamos do efeito espectador

Com base nos resultados de algumas experiências e experimentos subsequentes, o efeito espectador mostra que essas respostas podem ser influenciadas pela presença ou ausência de outras pessoas na cena. Vamos ver do que se trata.

O que é o efeito espectador?

Esse fenômeno surgiu a partir de um incidente ocorrido nas vias públicas de Nova York em 1964. Catherine Genovese voltava para casa quando foi atacada e espancada.

A cena foi vista por várias pessoas das suas janelas (estima-se que cerca de 38 pessoas) e apenas uma delas conseguiu intervir, gritando: “deixa a mulher em paz”.

Esse fato causou um choque ainda maior devido ao que se poderia chamar de passividade dos presentes, quase como espectadores. O que aconteceu?

Um grupo de psicólogos dedicado à investigação de fenômenos sociais, entre eles, os psicólogos Bibb Latané e John Darley, realizou uma série de experimentos em um ambiente intervindo com algumas variáveis do contexto para investigar o «efeito espectador».

Qual é o efeito espectador?
O efeito espectador mostra que a presença de várias pessoas em situação de emergência reduz a capacidade de resposta.

Em que consistiu o experimento?

Os alunos foram convidados a participar de um debate sobre diferentes problemas da vida estudantil. Eles foram informados de que poderiam dar suas opiniões em turnos e ouvir uns aos outros, mas que ficariam isolados por sala.

Na verdade, apenas o aluno na primeira sala era real; ele era o que estava sendo estudado. Os demais participantes eram fictícios, pois eram vozes gravadas. O experimento foi organizado da seguinte forma:

  • Uma pessoa no primeiro quarto e outra no segundo.
  • Outro no primeiro quarto e dois no segundo.
  • Também uma pessoa no primeiro e cinco no segundo.

Durante o teste, uma das pessoas disse que costumava ter crises epilépticas quando ficava nervosa. Em seguida, ele deu sua opinião e os demais participantes continuaram falando (vozes gravadas). Finalmente, o sujeito real interveio.

Mas, depois disso, quando é a vez da pessoa com epilepsia novamente, ela começa a dizer que se sente mal, que está muito nervosa e finge um ataque. Nesse ponto, o que se mede é o número de participantes que ajudaram e o tempo que levou para fazê-lo.

Os resultados mostraram que quando havia mais pessoas na sala, a intervenção diminuía. Desta forma, a teoria proposta anteriormente sobre o efeito espectador foi confirmada.

Por fim, vale ressaltar que vários experimentos foram realizados na mesma linha, com resultados semelhantes. Por exemplo, os de Latané e Rodin (1969).

Quais foram as conclusões do experimento?

Além de poder pensar em um choque inicial que paralisa a ação, há outras razões para não agir. Algumas das conclusões do experimento que apoiam a teoria do Efeito Espectador foram as seguintes:

  • Quanto maior a presença de pessoas, maior a probabilidade de que ninguém — ou muito poucas testemunhas — intervenha.
  • Numa situação em que há várias testemunhas e qualquer uma delas pode intervir, dilui-se o sentido moral e o sentido de responsabilidade. Em outras palavras, essa responsabilidade passa a ser compartilhada, então é possível se sentir menos pressionado a agir. Há mesmo quem dê por certo que outra pessoa interveio ligando para a polícia ou fazendo um pedido de ajuda de qualquer tipo.
  • As pessoas levam em consideração os critérios de seus pares ao tomar uma decisão. Portanto, observando que ninguém está envolvido na situação, a conclusão a que se chega é que provavelmente é melhor não intervir. Ou seja, “se os demais não fazem nada, deve ser porque é melhor não fazer”. A influência social tem um peso enorme na decisão de agir ou não agir.
  • Finalmente, se uma situação é ambígua no início, as pessoas decidem não agir porque não entendem completamente o que está acontecendo. Mesmo em alguns casos, como forma de “calmar-se”, chega-se à conclusão de que não é conveniente envolver-se em alguns assuntos “privados”.

Por outro lado, como conclusão adicional ao experimento, sugere-se que o efeito espectador é mais provável de ocorrer em grandes cidades, caracterizadas pelo anonimato, como em países mais desenvolvidos.

O que podemos fazer para não ser apenas espectadores?

Passado o choque inicial, é importante tentar manter a calma e se organizar com as pessoas presentes diante da situação de emergência.

Alguém pode chamar a polícia, enquanto outros podem aplicar os primeiros socorros, entre outras medidas, conforme a situação exigir. É necessário ser capaz de exercer a empatia e agir como gostaríamos que os outros fizessem se se tratasse de nós ou de um ente querido.

mulher com empatia
A empatia é uma das qualidades que devem ser exercitadas para não cair no efeito espectador.

Atuar quando for preciso

Embora o efeito espectador e os experimentos subsequentes tenham sido realizados há algumas décadas, hoje não estamos tão longe de situações semelhantes.

Quantas vezes vemos nas redes sociais ou na televisão imagens de brigas de rua, acidentes que até são transmitidos “ao vivo ”? O que acontece com aquelas pessoas que, além de audiência, conseguem viralizar ao invés de se envolver na situação ou respeitar a privacidade das vítimas?

As situações são diferentes e o contexto também; no entanto, a questão sobre nossa responsabilidade e envolvimento em determinadas circunstâncias continua flutuando no ar para nos convidar a rever nossa conduta.

Pode interessar a você...
O que é um sociopata e como ele é diferente de um psicopata?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
O que é um sociopata e como ele é diferente de um psicopata?

Você não sabe o que é um sociopata e como ele difere de um psicopata? Neste artigo você vai descobrir algumas de suas características mais distinti...



  • Hortensius R, de Gelder B. From Empathy to Apathy: The Bystander Effect Revisited. Curr Dir Psychol Sci. 2018;27(4):249-256. doi:10.1177/0963721417749653
  • Latane, B., & Rodin, J. (1969). A lady in distress: Inhibiting effects of friends and strangers on bystander intervention. Journal of Experimental Social Psychology, 5(2), 189–202. https://doi.org/10.1016/0022-1031(69)90046-8
  • Ancín Nicolás, R. África, & Pastor Ruiz, Y. (2021). El efecto espectador de la violencia en el noviazgo adolescente. Estudio preliminar. Revista INFAD De Psicología. International Journal of Developmental and Educational Psychology., 2(1), 263–274. https://doi.org/10.17060/ijodaep.2021.n1.v2.2105
  • Ríos de los, Hernán (1978). Aproximaciones al estudio de la pasividad. Revista Latinoamericana de Psicología, 10(3),377 – 385.[fecha de Consulta 26 de Abril de 2022]. ISSN: 0120-0534. Disponible en: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=80510306