Doenças causadas por protozoários

Doenças como malária e toxoplasmose são amplamente conhecidas pela população geral. No entanto, você sabe o que são os protozoários e como eles as provocam? Descubra a seguir.
Doenças causadas por protozoários

Última atualização: 31 Janeiro, 2021

Sintomas como febre, mal-estar, erupções cutâneas graves e até taquicardia são sinais de doenças causadas por protozoários. As patologias protozoárias ocorrem sobretudo pelo consumo de água contaminada ou por picadas de invertebrados que possuem esses micro-organismos em seus corpos.

Essas doenças do tipo zoonótico foram analisadas em vários estudos científicos. Você sabe o que é um protozoário? Conhece as doenças mais comuns que esses seres vivos causam? Compreender a dinâmica epidemiológica dos agentes patogênicos é essencial para saber como evitá-los. Por isso, hoje vamos falar mais sobre isso.

O que são os protozoários?

Os protozoários são micro-organismos heterotróficos, ou seja, que se alimentam de matéria orgânica. Vivem em ambientes úmidos, seja em ambientes totalmente aquáticos ou em finas superfícies de água no solo.

De acordo com fontes como a Clinical Microbiology Reviews, o reino dos protozoários é composto por 18 filos diferentes, que compreendem cerca de 30.000 espécies. A classificação mais amplamente utilizada divide esses micro-organismos característicos em quatro grupos: 

  • Rizópodes ou sarcodíneos
  • Ciliados
  • Flagelados
  • Esporozoários

Seu tamanho varia de 10 a 50 micrômetros, e eles se movem através do uso de apêndices chamados flagelos nos ambientes líquidos. Estudos citam que muitas espécies vivem livremente, enquanto outras se especializaram em parasitar humanos e outros vertebrados (selvagens ou de interesse agropecuário).

Protozoários
Os protozoários se alimentam de matéria orgânica. Existem cerca de 30.000 espécies.

Doenças causadas por protozoários

Devido à natureza dos patógenos causadores, as doenças provocadas por protozoários são mais problemáticas em países de baixa renda. Podem ocorrer em todos os grupos populacionais, independentemente do sexo ou idade, mas são mais prevalentes em crianças pequenas.

Este estudo realizado em uma região da Circasia descobriu que, das 79 crianças amostradas, até 22% apresentavam o protozoário parasita Giardia lamblia no trato gastrointestinal. Esse valor é considerado muito alto se o tamanho da amostra da pesquisa for levado em consideração.

Outras amostras estatísticas apoiam ainda mais a vulnerabilidade dos bebês a esses protozoários gastrointestinais. Este estudo realizado em Valdivia (Chile) observou que, de 219 amostras de fezes de bebês, 34% delas continham o patógeno Entamoeba coli.

Esses dados correlacionam a falta de saneamento e contaminação fecal de águas para consumo público com essa alta prevalência de protozoários patogênicos. A seguir, apresentamos uma lista com as doenças protozoárias mais comuns.

Toxoplasmose

Causada pela espécie Toxoplasma gondii, um parasita intracelular obrigatório. Este protozoário pode ocorrer de forma assintomática no ser humano hospedeiro, mas o problema surge quando é transmitido ao feto de uma mulher grávida.

Em muitos casos, o feto infectado pode morrer devido à infecção, mas em pessoas saudáveis ​​a probabilidade de não apresentar sintomas é de 80%.

De acordo com o Global Water Pathogen Project (GWPP), na América do Sul a maioria das infecções ocorre através da água contaminada, enquanto nos países de alta renda o método mais comum de contágio é pelo contato com felinos não tratados por veterinários.

Giardíase

É uma doença diarreica causada por um protozoário denominado Giardia lamblia. Vive no intestino delgado da pessoa infectada e é transmitida pelas fezes de um animal ou ser humano doente.

É um parasita cosmopolita (ocorre em todas as regiões do mundo) e afeta principalmente crianças, que podem sofrer uma grave desnutrição se não forem tratadas. A giardíase apresenta sintomas como dor abdominal, distensão abdominal e diarreia intensa.

Infecção intestinal
A principal manifestação clínica da giardíase são os episódios de diarreia.

Tripanossomíase

A tripanossomíase humana africana ou doença do sono é uma patologia causada por protozoários do gênero Trypanosoma. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), sua taxa de letalidade foi estimada em 100% em pacientes não tratados.

A infecção é causada pela picada da mosca tsétsé que contém o patógeno. Apresenta sintomas que incluem úlceras cutâneas em primeira instância, seguidas de febre, dores de cabeça, anemia, debilidade do sistema circulatório e perda de peso.

Malária

A malária é uma patologia causada pelo parasita protozoário do gênero Plasmodium. Este patógeno está na mira de muitas ONGs, já que na África Ocidental estima-se que mais de 2 milhões de pessoas morram desta doença todos os anos. Desse número, 75% são crianças.

Os principais vetores transmissores desse parasita são os mosquitos do gênero Anopheles, que abrigam o protozoário em seu corpo e o passam para a corrente sanguínea humana com a picada. Os sintomas variam amplamente, desde febres e calafrios até náuseas, vômitos e tosse com sangue.

Outras patologias causadas por protozoários

  • Leishmaniose: causada por protozoários do gênero Leishmania. Seus sintomas variam de erupções cutâneas a formas fatais que causam inflamação do fígado e do baço.
  • Tricomoníase: é uma doença sexualmente transmissível causada pela espécie Trichomonas vaginalis. Algumas pessoas são assintomáticas e outras, quando infectadas, apresentam secreções mucosas nas partes íntimas e coceira intensa.
  • Balantidíase: causada pelo parasita Balantidium coli. Atinge humanos por meio da água e alimentos contaminados, e os sintomas geralmente incluem diarreia leve e dor abdominal.

O que devemos ter em mente sobre as doenças causadas por protozoários?

Os protozoários são micro-organismos que, embora se apresentem de forma geral em todos os ambientes, têm uma especial prevalência em lugares de baixa renda e com pouco controle sanitário.

Além disso, muitas das patologias mencionadas aqui ocorrem em países tropicais ou muito quentes, pois os invertebrados, como mosquitos e moscas, são os principais vetores de transmissão.

Embora existam medicamentos específicos para cada uma das patologias citadas, uma boa prevenção pode evitar um quadro clínico muito incômodo. Para isso, não consumir água não potável ou alimentos sem controle sanitário é fundamental.

Pode interessar a você...
Com estes dois ingredientes você limpará seu corpo de parasitas
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Com estes dois ingredientes você limpará seu corpo de parasitas

Milhares de pessoas têm a falsa ideia de que os parasitas intestinais são exclusivos das populações de terceiro mundo ou de animais. Mas não é bem assim.



  • Protozoo, wikipedia. Recogido a 28 de junio en https://es.wikipedia.org/wiki/Protozoo
  • González, A. F., Cuartero, I. G., Díez, A. G., & Fernández, P. F. (2014). Infecciones por protozoos hemoflagelados: leishmaniasis, enfermedad de Chagas y tripanosomiasis africana. Medicine-Programa de Formación Médica Continuada Acreditado11(54), 3194-3207.
  • Cavalier-Smith, T. (1993). Kingdom protozoa and its 18 phyla. Microbiology and Molecular Biology Reviews57(4), 953-994.
  • Alvarez, A. R. (2017). Los protozoos: características generales y su rol como agentes patógenos. Ciencia Veterinaria8(1), 62-71.
  • Arias, J. A., Guzmán, G. E., Lora-Suárez, F. M., Torres, E., & Gómez, J. E. (2010). Prevalencia de protozoos intestinales en 79 niños de 2 a 5 años de edad de un hogar infantil estatal en Circasia, Quindío. Infectio14(1), 31-38.
  • Arias, J. A., Guzmán, G. E., Lora-Suárez, F. M., Torres, E., & Gómez, J. E. (2010). Prevalencia de protozoos intestinales en 79 niños de 2 a 5 años de edad de un hogar infantil estatal en Circasia, Quindío. Infectio14(1), 31-38.
  • Navarrete, N., & Torres, P. (1994). Prevalencia de infección por protozoos y helmintos intestinales en escolares de un sector costero de la provincia de Valdivia, Chile. Bol. chil. parasitol49(3/4), 79-80.
  • Global Water Pathogen Project. Toxoplasma gondii. Recogido a 28 de junio en http://www.waterpathogens.org/node/158
  • Ejecutivo, C. (2004). Control de la tripanosomiasis africana humana: informe de la Secretaría (No. EB113/5). Organización Mundial de la Salud.
  • Breman, J. G. (2001). The ears of the hippopotamus: manifestations, determinants, and estimates of the malaria burden. The American journal of tropical medicine and hygiene64(1_suppl), 1-11.