Dobutamina: para que serve?

24 Novembro, 2019
A dobutamina é um medicamento usado para tratar as falências cardíacas aguda potencialmente recuperável. Algumas delas são, por exemplo, as que são desencadeadas durante uma cirurgia cardíaca ou em casos de choque séptico.

A dobutamina é uma droga com efeitos inotrópicos positivos que é usada, por isso, para o tratamento de insuficiência cardíaca e choque cardiogênico. É administrada por via intravenosa.

Embora a dobutamina seja estruturalmente semelhante à dopamina e outras catecolaminas, este medicamento é um composto sintético análogo ao isopreterenol e possui propriedades farmacológicas diferentes, incluindo o inotropismo, acima mencionado, o cronotropismo e a vasodilatação.

Ao contrário da dopamina, a dobutamina não afeta os receptores de dopamina, embora a produção de urina possa aumentar devido ao aumento do gasto cardíaco, por exemplo.

Inotropismo e cronotropismo?

Dobutamina para o coração

O sistema circulatório possui uma série de funções fundamentais para o correto funcionamento do organismo. Entre as mais importantes podemos citar as seguintes:

  • Transportar e distribuir substâncias essenciais para os tecidos.
  • Remover os resíduos metabólicos.
  • Ajustar o suprimento de oxigênio e nutrientes em diferentes estados fisiológicos.
  • Regulação da temperatura corporal.
  • Comunicação humoral.

O coração tem uma série de características que precisamos esclarecer, para entender melhor o seu funcionamento e o mecanismo da dobutamina. Entre estas características estão:

  • Automação: o coração bate automaticamente.
  • Inotropismo: o coração se contrai sob certos estímulos. O sistema nervoso simpático tem um efeito inotrópico positivo, portanto, aumenta a contratilidade do coração.
  • Cronotropismo: refere-se à inclinação do potencial de ação. O sistema nervoso simpático aumenta a inclinação, portanto, produz a taquicardia. Por outro lado, o sistema nervoso parassimpático a diminui.
  • Batmotropismo: o coração pode ser estimulado, mantendo um limiar.
  • Dromotropismo: é a velocidade de condução de impulsos cardíacos através do sistema excito-condutor. O sistema nervoso simpático tem um efeito dromotrópico positivo, por isso, aumenta a velocidade de condução. O sistema nervoso parassimpático tem um efeito oposto.
  • Lusitropismo: é o relaxamento do coração sob certos estímulos.

Indicações da Dobutamina

Bom funcionamento cardiaco

A dobutamina é uma droga que é utilizada para tratar falhas cardíacas agudas potencialmente recuperáveis. Algumas delas são, por exemplo, as que são desencadeados durante uma cirurgia cardíaca ou em casos de choque séptico. Todos estes efeitos são justificados pela ação inotrópica característica deste medicamento.

A dobutamina também pode ser usada em pacientes que sofrem de insuficiência cardíaca congestiva, a fim de aumentar o desempenho do coração. Geralmente é usada nos casos em que o paciente necessita de nutrição parenteral como suporte inotrópico no tratamento a curto prazo que os pacientes com descompensação cardíaca recebem, devido à uma deficiência na contratilidade do miocárdio.

Por outro lado, é importante mencionar que a dobutamina não é usada no tratamento da cardiopatia isquêmica, porque aumenta muito a frequência cardíaca, que é acompanhada pela consequente demanda de oxigênio do miocárdio.

Descubra também: Infarto feminino: 7 sintomas que costumam passar despercebidos

Como a dobutamina desencadeia seu efeito no corpo?

A Dobutamina interage com os receptores beta-1-adrenérgicos, ativando-os. Também possui efeitos estimulantes beta-2 e alfa-1, mas estes são menores. Assim, consegue aumentar a contratilidade do miocárdio e o volume sistólico. Dessa maneira, uma série de efeitos cronotrópicos modestos são desencadeados, o que causa um aumento no débito cardíaco.

Como consequência desses efeitos, outros ocorrem em nível hemodinâmico, como a diminuição da resistência vascular sistêmica e a pressão de enchimento ventricular. Além disso, a pressão arterial também costuma aumentar devido ao aumento do volume sistólico, apesar do fato de que a pressão diastólica e a artéria média são normalmente mantidas, sem alterações.

Como mencionamos no início do artigo, a dobutamina não tem efeito sobre os receptores de dopamina, diferentemente desse neurotransmissor. Também não causa a liberação de noradrenalina a partir de terminações nervosas simpáticas.

Não saia sem antes ler : 9 nutrientes para chegar aos 90 com um coração saudável e forte

Efeitos adversos do tratamento com a dobutamina

Comprimidos de dobutamina

Como com qualquer outro medicamento comercializado, a dobutamina não está isenta de produzir efeitos colaterais. Há efeitos adversos com o seu uso. Entendemos os efeitos adversos, como todos os eventos indesejáveis ​​e não intencionados que se esperam com o tratamento com um medicamento.

Nesse sentido, entre os seus efeitos adversos podem ocorrer:

  • Disritmias ventriculares.
  • Hipertensão arterial.
  • Aumento na frequência sistólica.
  • Náusea
  • Dor de cabeça.
  • Angina
  • Dificuldade para respirar.

Conclusão

A dobutamina é um medicamento indicado principalmente para o tratamento da insuficiência cardíaca, devido à sua capacidade de aumentar a contratilidade do coração, bem como a frequência cardíaca. No entanto, pode desencadear uma série de efeitos adversos que devem ser avaliados com o médico ao iniciar um tratamento com este medicamento.

Consulte um profissional sobre todas as dúvidas que você tem sobre dobutamina e compartilhe com ele se estiver tomando outro medicamento. Dessa maneira, qualquer tipo de reação, efeito adverso e complicações serão evitadas.

 

  • Claveria, J. (2016). Farmacos en Cardiología. Hospital Universitario Central de Asturias.
  • Levy, B., Perez, P., Perny, J., Thivilier, C., & Gerard, A. (2011). Comparison of norepinephrine-dobutamine to epinephrine for hemodynamics, lactate metabolism, and organ function variables in cardiogenic shock. A prospective, randomized pilot study. Critical Care Medicine. https://doi.org/10.1097/CCM.0b013e3181ffe0eb
  • Mraz, S., & Rorabaugh, B. (2007). Dobutamine. In xPharm: The Comprehensive Pharmacology Reference. https://doi.org/10.1016/B978-008055232-3.61634-4