Doação de medula óssea: tudo que você precisa saber

Muitas pessoas no mundo sofrem de doenças graves que têm como única solução o transplante de medula óssea. Este artigo vai lhe dizer como as pessoas saudáveis podem ajudar através da doação.
Doação de medula óssea: tudo que você precisa saber

Última atualização: 16 Dezembro, 2020

A doação de medula óssea aparece como uma ação humanitária e facilitadora para o transplante de medula. Pessoas saudáveis podem ajudar pacientes com patologias graves e em risco de vida.

As doenças que mais frequentemente se beneficiam de um transplante de medula óssea, entre outras, são:

  • Leucemia
  • Anemia aplástica
  • Linfoma
  • Mieloma

O que é a medula óssea?

A medula óssea é um tecido do corpo humano responsável pela produção de células sanguíneas e parte do sistema imunológico. Dentro da medula óssea, estão as conhecidas como células-tronco. O nome científico mais específico para essas células é progenitoras hematopoiéticas. Isto se deve à capacidade que elas têm de dar origem a células sanguíneas:

  • Glóbulos vermelhos ou eritrócitos.
  • Glóbulos brancos ou leucócitos. 
  • Plaquetas ou trombócitos.

As doenças da medula óssea são aquelas nas quais alteramos a capacidade do tecido de produzir essas células, seja devido à produção excessiva, insuficiente ou anormal.

Para muitas dessas doenças, a solução está em um transplante de medula óssea. É aí que a doação de medula óssea desempenha um papel importante.

Transplante de medula óssea

Um transplante de medula óssea consiste basicamente em substituir o tecido da medula óssea doente – presente no interior dos ossos – por um tecido saudável. Também é conhecido como transplante de células-tronco, já que são essas células as que são principalmente enxertadas.

No entanto, não é possível que todas as pessoas doentes recebam tecido da medula óssea de qualquer doador. A compatibilidade é essencial para o sucesso do transplante e para evitar complicações mais graves posteriormente. É por isso que se fala em doadores compatíveis e não compatíveis.

A compatibilidade na doação de medula óssea é determinada pelo antígeno leucocitário humano (HLA). O HLA é um grupo de proteínas de várias células, principalmente os glóbulos brancos do sangue. É um sistema de reconhecimento que o corpo humano tem para determinar o que é próprio e o que é estranho.

Cada pessoa tem o seu próprio sistema HLA. Essa identidade específica serve ao sistema imunológico para defender o corpo de um agente externo que pode enfermá-lo. Obviamente, o HLA não será capaz de distinguir por si só entre uma bactéria, por exemplo, e um tecido de doação de medula óssea.

Se o HLA entre dois indivíduos é suficientemente semelhante, o transplante de medula óssea será aceito pelo receptor. Caso contrário, o corpo receptor rejeitará o tecido externo. Grande parte do sucesso da operação está no grau de compatibilidade do HLA entre doador e destinatário.

Doença nos ossos
Em algumas doenças graves, a única solução é um transplante de medula óssea. No entanto, o sucesso do transplante depende, em grande parte, da compatibilidade entre doador e receptor.

Como é feita a doação de medula óssea?

Quando uma pessoa decide se tornar um doador de medula óssea, provavelmente passará por uma coleta de células-tronco do sangue periférico (PBSC).

Primeiro, cinco dias antes da doação, o doador receberá uma uma injeção por dia de fator estimulante de colônias de granulócitos (G-CSF). A administração da injeção leva cerca de cinco minutos e faz com que as células-tronco se desloquem da medula óssea para o sangue circulante.

Após a estimulação com os injetáveis, o tecido doado deve ser removido. Para isso, uma agulha é colocada em cada braço. Uma das agulhas extrai sangue para que ele circule através de uma máquina que obterá as células-tronco, enquanto o sangue retorna ao corpo através da outra agulha.

A extração dura cerca de três horas no total e pode precisar ser repetida no dia seguinte. Alguns efeitos adversos mínimos podem ocorrer no doador, como dor de cabeça e dor óssea.

Com menos frequência, pode ser necessário coletar tecido diretamente do osso. Esse tipo de doação de medula óssea não é o que é indicado regularmente. Os profissionais decidirão se um ou outro é apropriado para cada caso. Essa técnica é mais complexa, e é considerada uma cirurgia.

Os doadores submetidos à coleta direta de medula óssea devem descansar por aproximadamente uma semana após o procedimento. Os efeitos adversos são mais intensos e duradouros.

Paciente doando medula óssea
A doação de medula óssea é realizada pelos centros de hemoterapia.

Requisitos para a doação

Em geral, para ser um doador adequado, é preciso atender a uma série de requisitos:

  • Idade entre dezoito e cinquenta e cinco anos.
  • Pesar mais de cinquenta quilos.
  • Não possuir uma doença que possa ser transmitida ao destinatário da doação.
  • Ser saudável o suficiente para não arriscar sua própria vida ao doar.

O primeiro passo é assinar o consentimento estabelecido pela autoridade competente, aceitando a doação. Uma vez assinada, será coletada uma amostra de sangue do potencial doador para analisar o HLA e carregar essas informações em um banco de dados.

Quando chegar a hora, se uma doação efetiva for necessária porque existe um destinatário compatível, a coleta será realizada em um centro de hemoterapia.

Cada país e cada região possui seu sistema de registro de doações de medula óssea. Você pode consultar os centros de saúde próximos à sua casa para saber mais sobre como o tema é organizado na sua região.

Pode interessar a você...
Mitos e verdades sobre doar sangue
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Mitos e verdades sobre doar sangue

Neste artigo, compartilharemos os mitos e verdades mais desconhecidos sobre doar sangue. Desta forma, cada pessoa pode tomar uma decisão consciente.



  • Rodríguez-Pardo, Viviana Marcela, et al. “Aislamiento y caracterización de células” stem” mesenquimales de médula ósea humana según criterios de la Sociedad Internacional de Terapia Celular.” Universitas Scientiarum 15.3 (2010): 224-239.
  • Lozano, Jorge E., and Francisco Cuéllar. “Transplante de médula ósea. Revisión de actualidad.” Acta Med Colomb 16.6 (1991): 322-32.
  • de La Guardia Peña, Odalis M., et al. “Estudios inmunológicos en la pareja donante/receptor para trasplante de células progenitoras hematopoyéticas.” Revista Cubana de Hematología, Inmunología y Hemoterapia 32.2 (2016): 0-0.