O que é a disbiose intestinal?

A microbiota desempenha um papel importante na manutenção da saúde, pois interage com as funções do trato gastrointestinal e do sistema nervoso. Descubra o que é, quais são suas funções, e como o seu equilíbrio pode ser alterado, um quadro conhecido como disbiose intestinal.
O que é a disbiose intestinal?

Última atualização: 26 Fevereiro, 2021

A disbiose intestinal se refere à perda de massa bacteriana benéfica ou microbiota intestinal. É um problema muito comum na população que está relacionado ao aparecimento de doenças autoimunes, inflamações, alergias, obesidade, entre outras doenças crônicas. Por que ela acontece?

Em primeiro lugar, é preciso levar em conta que a flora intestinal tem sido considerada um órgão nos últimos anos. Isso porque ela possui diversas funções que influenciam o estado de saúde e o metabolismo dos nutrientes.

Qual é a microbiota? O estado de simbiose e disbiose intestinal

Para começar, é preciso falar sobre o que é a microbiota. Trata-se de uma comunidade de diferentes microrganismos distribuídos por todo o corpo humano (pele, boca, olhos, áreas genitais e, em maior abundância, o intestino).

Essas populações formam uma relação mutuamente benéfica com o hospedeiro, conhecida como simbiose. Isso foi demonstrado por um estudo publicado no World Journal of Gastrotenterology. Quando existe um desequilíbrio e a relação se torna prejudicial, falamos em disbiose intestinal. Muitas pessoas se referem à microbiota intestinal como um “órgão metabólico”, pois contribui para:

  • Preservar a integridade da mucosa.
  • É a primeira barreira contra os agentes patogénicos, tais com a E. Coli.
  • Regula as funções das células do sistema imunológico.
  • Favorece a síntese de vitaminas como K, D e do complexo B.
Saúde intestinal
A microbiota é composta por microrganismos benéficos que intervêm em diversos processos fundamentais para a saúde.

Características da microbiota intestinal

A composição da microbiota é bastante complexa e pode sofrer alterações (agudas ou crônicas) devido a fatores exógenos (como estilo de vida, hábitos, interação com patógenos e/ou produtos químicos, agentes ambientais) e fatores endógenos (genética).

Curiosamente, sabe-se que existem mais microrganismos no corpo humano do que células. Especificamente, mais de 1000 espécies bacterianas vivem no corpo (100 bilhões de bactérias), embora, predominantemente, aquelas do filo Firmicutes e Bacteroidetes sejam as mais encontradas.

A microbiota humana

O crescimento da população microbiana que coloniza o intestino ocorre desde o nascimento; ela se fortalece com o parto vaginal e a amamentação exclusiva até 6 meses. Com a alimentação e a interação com o meio ambiente, mudanças começam a ocorrer na composição da microbiota, o que definirá o estado de saúde do indivíduo.

Segundo um estudo publicado na Revista Española Endocrinología Pediátrica por Tinahones F et al, os microrganismos predominantes no trato gastrointestinal humano são:

  • Estômago: Helicobacter pylori (Proteobacteria), Lactobacillus (Firmicutes), Streptococcus (Firmicutes).
  • Duodeno: Bacteroides (Bacteroidetes), Lactobacillus (Firmicutes), Streptococcus (Firmicutes), Staphylococcus (Firmicutes).
  • Jejuno: Bacteroides (Bacteroidetes), Lactobacillus (Firmicutes), Streptococcus (Firmicutes), Bacillus (Firmicutes).
  • Íleo: Bacteroides (Bacteroidetes), Clostridium (Firmicutes), Enterobacteriaceae (Proteobacteria), Enterococcus (Firmicutes), Lactobacillus (Firmicutes), Veillonella (Firmicutes).
  • Cólon: Bacteroides (Bacteroidetes), Bacillus (Firmicutes), Bifidobacterium (Actinobacteria), Clostridium (Firmicutes), Enterococcus (Firmicutes), Eubacterium (Firmicutes), Fusobacterium (Fusobacteria), Peptostreptococcus (Firmicutes), Streptococcus (Firmicutes). 

O que é a disbiose intestinal?

Sabe-se, graças a inúmeros estudos, que a microbiota (especificamente a microbiota intestinal) tem um papel importante nas funções do organismo. Quando suas populações são alteradas, isso promove o desenvolvimento de doenças.

Falamos de disbiose intestinal quando existe um desequilíbrio entre a estrutura e a composição das populações microbianas presentes no intestinoQuando a microbiota está alterada, pode contribuir direta ou indiretamente para o desenvolvimento de inúmeras patologias.

Microbiota intestinal
A disbiose intestinal é o desequilíbrio da estrutura e composição da população bacteriana no intestino.

Eixo intestino-cérebro e microbiota intestinal

O trato gastrointestinal e o sistema nervoso estão intimamente conectados por meio do eixo conhecido como “intestino-cérebro“, um sistema bidirecional complexo no qual os sistemas nervoso central e entérico interagem entre si, desenvolvendo-se por meio de circuitos endócrinos, imunológicos e neurológicos.

Isso levou a várias teorias sobre a origem multifatorial das doenças neuropsiquiátricas (como transtornos do espectro do autismo e depressão), metabólicas (como diabetes e obesidade) e tumorais (como câncer colorretal).

Descubra também: Por que engordamos?

Características do eixo intestino-cérebro

Estudos recentes indicam uma forte relação entre o eixo intestino-cérebro e a composição da microbiota intestinal com o desenvolvimento de várias doenças. Especificamente:

  • Sabe-se que existem sinais neuronais que influenciam as funções motoras, sensoriais e secretoras do trato gastrointestinal que, por sua vez, regulam os processos inflamatórios e a estrutura da microbiota.
  • Além disso, os sinais intestinais podem regular as funções do sistema nervoso.

Relação entre a disbiose intestinal e a obesidade

Segundo um estudo publicado na revista Nutrients por Niccolai E et al, quando o corpo é submetido a estresse crônico, é liberada uma carga de cortisol que altera a permeabilidade do intestino e a sua barreira protetora. Portanto, a composição da microbiota é afetada, gerando disbiose intestinal. Como consequência, a microbiota intestinal provoca alterações:

  • Altera os níveis de neurotransmissores que regulam os sinais de apetite e saciedade (como a serotonina).
  • Aumenta a produção de citocinas inflamatórias.
  • Provoca alterações na reserva de gordura.

Essas mudanças desencadeiam um ambiente favorável para o desenvolvimento de importantes alterações metabólicas e um comportamento alimentar desequilibrado.

Medir percentual de gordura
A disbiose intestinal pode desencadear várias doenças, como a obesidade.

A importância de manter a microbiota em equilíbrio

Por fim, é fundamental enfatizar a importância de manter uma composição adequada da população microbiana do intestino. Nesse sentido, sabe-se que as características da dieta e os fatores genéticos influenciam a sua estrutura de forma decisiva.

Uma alimentação variada, com alto consumo de vegetais, frutas, grãos integrais e sementes, fornece a fibra como o principal alimento para as bactérias intestinais.

Evitar o consumo de alimentos processados, ricos em açúcares ou adoçantes, bem como controlar o estresse por meio da prática de meditação e exercícios, são medidas importantes para evitar a disbiose intestinal.

Pode interessar a você...
Dieta para evitar a disbiose intestinal
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Dieta para evitar a disbiose intestinal

Os hábitos de alimentação inadequados podem trazer muitas complicações na saúde dos indivíduos. A disbiose intestinal é uma delas. Confira a melhor dieta.



  • Boem F, Amedei A .Healthy axis: Towards an integrated view of the gut-brain health. World J Gastroenterol. 2019;25(29):3838-3841.
  • Tinahones F. La importancia de la microbiota en la obesidad. Rev Esp Endocrinol Pediatr 2017; 8:15-20
  • Niccolai E, Boem F, Russo E, Amedei A. The GutBrain Axis in the Neuropsychological Disease Model of Obesity: A Classical Movie Revised by the Emerging Director “Microbiome”. Nutrients.2019; 11 (1):  1-25.