Diferenças entre emoções primárias e emoções secundárias

As emoções primárias são consideradas respostas inatas, enquanto que para alguns autores, as emoções secundárias são mais complexas e refinadas.
Diferenças entre emoções primárias e emoções secundárias

Última atualização: 03 março, 2022

As emoções compõem uma trama complexa. Em alguns pontos a maioria coincide, enquanto em outros somos únicos, com expressão singular. Esta é uma das diferenças entre emoções primárias e secundárias.

No entanto, além da classificação, o interessante é a mensagem que elas têm para nos dar.

O que são emoções primárias e secundárias?

Quando falamos de emoções, devemos levar em conta três componentes:

  • Resposta comportamental.
  • Experiência subjetiva.
  • Resposta fisiológica.

De uma forma simples, poderíamos pensar em como reagimos, o que sentimos e o que acontece em nosso corpo como correlato. Paul Ekman, um dos pioneiros no estudo das emoções e especialista no assunto, postulou que as emoções primárias são básicas, pois são inatas e compartilhadas por todas as pessoas em todas as culturas.

Em relação às emoções secundárias, elas são assim denominadas porque resultam de uma conjunção de emoções primárias. Considera-se que enriquecem o nosso universo emocional e que a sua expressão é única, pois varia em função da aprendizagem, das características de cada pessoa e do ambiente. A socialização desempenha um papel fundamental no seu desenvolvimento.

Além disso, há quem diga que as emoções secundárias são mais refinadas ou sofisticadas que as primeiras, no sentido de serem menos automáticas ou inatas. São fruto do aprendizado e de outros fatores.

Emoções.
As emoções são importantes porque podem nos levar a reagir e mudar grandes aspectos de nossas vidas.

Para que servem?

Em termos gerais, as emoções são um veículo de comunicação e interação. Elas nos permitem expressar o que sentimos, o que gostamos ou não gostamos, embora nem todos possamos fazê-lo da mesma maneira.

Elas também são adaptativas, pois nos permitem antecipar determinadas situações e responder. Nesse sentido, elas têm um papel motivador que nos convida a mudar, a nos movimentar.

Per se, as emoções não são boas nem más, embora a raiva seja frequentemente rotulada como uma emoção negativa e a felicidade como uma emoção positiva. Por que o medo deveria ser ruim se me permite ficar de olho no meu filho para não correr riscos? Por que a raiva deve ser considerada negativa se me permite colocar limites em uma situação injusta?

É a intensidade, a frequência e a expressão que lhes dará a sua conotação funcional.

As emoções funcionam como faróis. Se soubermos reconhecê-los, lê-los e aceitá-los, eles nos permitirão autoconhecimento, compreensão de valores, motivações e limites. Quando tentamos escondê-los, gastamos muita energia.

Exemplos de Emoções Primárias e Secundárias

Embora possam variar de acordo com o autor, são reconhecidas 6 emoções primárias:

  1. Medo.
  2. Surpresa.
  3. Raiva.
  4. Nojo.
  5. Tristeza.
  6. Alegria.

Alguns exemplos de emoções secundárias são os seguintes:

  • Vergonha.
  • Satisfação, entusiasmo, orgulho.
  • Nervosismo, culpa.
  • Assombro, admiração, choque.
  • Rancor, ressentimento, indignação, ciúme.
  • Tristeza, pessimismo.
  • Repugnância, rejeição.

Dentro desse amplo universo emocional, algumas são mais bem vistas que outras. A tristeza parece melhor do que a raiva e a alegria é percebida melhor do que essas duas.

No entanto, nos proteger de nossas emoções nos deixa desprotegidos, nos torna mais vulneráveis a situações. Nos tornamos mais fortes quando nos permitimos sentir.

Variedade de emoções em um rosto.
O processo de reconhecer as emoções é fundamental para o autoconhecimento e para agir corretamente.

Ignorar as emoções nos deixa prisioneiros delas

Validar a importância das emoções como sinais é algo que vem ganhando importância na sociedade, aos poucos. Antes, o papel maior era assumido pela razão. No entanto, consolida-se a ideia de que o ser humano é complexo.

As emoções nos fornecem recursos para decidir o que queremos fazer em determinadas situações. Conhecê-las e vivê-las nos permite ter energia disponível para lidar com essas situações, em vez de tentar contê-las.

Também é possível dizer que as emoções nos percorrem e ignorá-las não nos impede de nos sentirmos de uma determinada maneira. Mesmo o custo de deixá-las ir é muito alto. Por isso, é necessário considerar sua importância e gerenciá-las a tempo.

Finalmente, a gestão das emoções não deve ser confundida com imposições. Muitas vezes não reagimos ao que sentimos por mandatos anteriores. O que devemos fazer é aceitar o que nos acontece e buscar uma forma adequada de expressão sem prejudicar os outros ou a nós mesmos.

Pode interessar a você...
Leis da vida: viva sem aparecer, ame sem depender e fale sem ofender
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Leis da vida: viva sem aparecer, ame sem depender e fale sem ofender

A lei da vida marca a alguém quando, pouco a pouco, essa pessoa se dá conta de onde estão os limites, onde está o sentido de respeito, a convivênci...



  • Barragán Estrada, Ahmad Ramsés, & Morales Martínez, Cinthya Itzel (2014). PSICOLOGÍA DE LAS EMOCIONES POSITIVAS: GENERALIDADES Y BENEFICIOS. Enseñanza e Investigación en Psicología, 19(1),103-118.[fecha de Consulta 6 de Enero de 2022]. ISSN: 0185-1594. Disponible en: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=29232614006
  • Goleman, D. (1995). Inteligencia emocional.Barcelona: Kairós.
  • Seitun, Maritchu (2013), Capacitación emocional para la familia, Grijalbo.