Qual é a diferença entre prebióticos e probióticos?

20 Maio, 2020
É importante saber que prebióticos e probióticos têm uma ação diferente um do outro, mas complementar. Vamos ver em detalhes para que servem e em que fontes podemos encontrá-los.

Embora ambos sejam benéficos para a saúde, a diferença entre prebióticos e probióticos está basicamente em sua função e em onde podemos encontrá-los. Neste artigo, queremos abordar essa questão em detalhes, já que muitos tendem a confundi-los.

Em nosso corpo, existem milhões e milhões de micróbios que convivem com nossas células: a microbiota. Uma grande parte deles vive no intestino e os conhecemos pelo nome de flora intestinal. 

Todas essas bactérias intestinais podem ser divididas em dois tipos: aquelas que têm efeitos benéficos e aquelas que têm efeitos nocivos. Estas últimas podem causar diarreia, infecções ou putrefação intestinal.

As bactérias benéficas, por outro lado, nos ajudam a controlar bactérias nocivas, estimulam o sistema imunológico, diminuem os gases e melhoram a digestão. Elas também são necessárias para sintetizar algumas vitaminas e para a absorção de certos nutrientes. 

Portanto, para ter bom humor e saúde, é muito importante manter a flora intestinal saudável e em equilíbrio. O que os prebióticos e probióticos têm a ver com tudo isso? Detalharemos o assunto a seguir.

A principal diferença entre prebióticos e probióticos

Há duas coisas básicas que devemos fazer para manter a flora intestinal em boas condições:

Então, podemos ver muito brevemente onde está a principal diferença entre prebióticos e probióticos. Pelo menos uma das mais importantes para podermos diferenciá-los rapidamente.

No entanto, agora vamos nos aprofundar um pouco mais em cada um deles e descobrir onde podemos encontrá-los.

Prebióticos, o alimento da nossa flora intestinal

Sementes de chia
Alimentos como as sementes de chia, alguns vegetais e frutas têm fibras e substâncias benéficas para as bactérias intestinais.

Os prebióticos são ingredientes não digeríveis dos alimentos que atingem o cólon intactos. Lá, eles servem como alimento para as bactérias intestinais, que possuem as enzimas adequadas para decompô-los.

Ao servirem de comida, eles estimulam o seu crescimento e atividade e acabam melhorando a saúde do hospedeiro (ser humano). Para que um componente alimentar seja considerado prebiótico, ele deve atender a três condições:

  • Não se degradar ou ser absorvido no estômago ou no intestino delgado. 
  • Poder ser fermentado por bactérias, já que chega intacto no cólon.
  • Essa fermentação deve favorecer a atividade e a proliferação de certas bactérias intestinais que têm um efeito benéfico no organismo humano. 

Até agora, os prebióticos mais estudados foram os diferentes tipos de fibras presentes nos alimentos vegetais. Especificamente, frutooligossacarídeos (FOS), galactooligossacarídeos (GOS) e inulina.

No entanto, podemos encontrar substâncias benéficas para nossa flora intestinal em muitos outros alimentos:

  • Alguns tipos de fibras presentes na cebola, alho-poró, aspargos, alcachofra, algumas sementes (chia e linhaça), batata, cenoura, maçã, entre outros, são bons prebióticos. 
  • Nos polifenóis do cacau, frutas vermelhas e especiarias.
  • Nas gorduras do azeite, oleaginosas e peixes oleosos.

Leia também: Isto é o que acontece com seu corpo depois de comer um Big Mac

O que são os probióticos?

Agora que sabemos o que são os prebióticos, vamos nos aprofundar no conceito de probióticos para que a diferença entre os dois fique mais clara. O termo probiótico significa literalmente “a favor da vida”.

A definição mais amplamente aceita de probiótico foi formulada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). Essas organizações dizem que probióticos são: 

“Microrganismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, conferem um benefício à saúde do hospedeiro”. 

Aqui, não estamos mais falando sobre alimentar nossas bactérias, mas sobre fornecê-las. A maioria dos probióticos vem de bactérias usadas na fermentação de alimentos.

As mais estudadas pertencem aos gêneros Lactobacillus e Bifidobacterium. Além disso, podemos encontrá-las em alimentos ou em forma de suplementos alimentares. 

Principais alimentos probióticos

Iogurtes são fontes de probióticos
O iogurte natural é um dos alimentos probióticos mais populares e facilmente acessíveis. No entanto, também podemos encontrar essas bactérias em outros alimentos e suplementos.

Poderíamos dizer que um dos alimentos mais acessíveis e ricos em probióticos introduzidos em nossas vidas diárias é o iogurte. Não há necessidade de adicionar nada. Um bom iogurte natural já nos oferece lactobacilosbifidobacteriumO kefir também é ideal, pois oferece mais variedade e quantidade de cepas bacterianas. 

Além disso, outra boa fonte de probióticos são vegetais fermentados como chucrute, picles e pepinos em conserva. Na culinária asiática temos o missô (pasta de soja fermentada) e o tempeh (soja fermentada).

Um dos últimos a aparecer na lista de alimentos probióticos é o kombucha, uma bebida levemente gaseificada que se tornou muito popular nos últimos anos. 

Você pode se interessar: Kombucha: o que é, para que serve e como preparar

Conclusão

Como vimos, a melhor maneira de resumir a diferença entre prebióticos e probióticos é entender que os dois têm uma ação diferente, mas complementar. Portanto, é inútil fornecer probióticos ao nosso corpo se eles não forem bem alimentados com prebióticos.

No entanto, devemos estar sempre cientes dos últimos avanços científicos, uma vez que a ciência em torno dos prebióticos e probióticos está se expandindo atualmente e pode nos trazer muitos novos conceitos e descobertas em pouco tempo.

  • Sanders ME., Merenstein DJ., Reid G., Gibson GR., et al., Probiotics and prebiotics in intestinal health and disease: from biology to the clinic. Nat Rev Gastroenterol Hepatol, 2019. 16 (10): 605-616.
  • Wilkins T., Sequoia J., Probiotics for gastrointestinal conditions: a summary of the evidence. Am Fam Physician, 2017. 96 (3): 170-178.
  • Abraham BP., Quigley EMM., Probiotics in inflammatory bowel disease. Gastroenterol Clin North Am, 2017.
  • 2014. 4;6328.