Difenidol: para que serve?

8 de março de 2020
A principal indicação do difenidol é a prevenção e controle da vertigem periférica. A vertigem periférica ocorre na doença de Ménière, labirintite, cirurgia do ouvido médio e mal do movimento.

O difenidol é um medicamento que possui propriedades para tratar a vertigem e as náuseas (antiemético). Atua no aparelho vestibular para controlar a vertigem periférica. Exerce seu efeito antiemético diretamente sobre os receptores específicos no sistema nervoso central. 

Para que o difenidol é indicado?

Mulher com vertigem
Um médico pode sugerir o uso de difenidol para problemas como vertigem. Também é indicado em caso de náuseas e vômito causados ​​pela quimioterapia.

A principal indicação desse medicamento é a prevenção e controle da vertigem periférica. Esta patologia se apresenta na doença de Ménière, labirintite, cirurgia do ouvido médio e mal do movimento.

A vertigem é uma sensação de movimento ou reviravolta. As pessoas com vertigem sentem como se estivessem realmente girando ou se movendo, ou como se o mundo estivesse girando à sua volta.

A vertigem periférica é causada por um problema na parte do ouvido interno que controla o equilíbrio. O problema também pode envolver o nervo vestibular, que é o nervo que conecta o ouvido interno e o tronco cerebral.

Além disso, esta doença pode ser causada por qualquer um dos seguintes motivos:

  • Vertigem postural benigna.
  • Medicamentos, como antibióticos aminoglicosídeos, cisplatina, diuréticos ou salicilatos.
  • Lesão, como um traumatismo na cabeça.
  • Inflamação do nervo vestibular.
  • Irritação e inchaço do ouvido interno, labirintite.
  • Doença de Ménière
  • Pressão no nervo vestibular, geralmente de um tumor não canceroso, como meningioma ou schwannoma.

O difenidol também é indicado para a prevenção e controle de náuseas e vômitos causados ​​por tratamentos de quimioterapia e radioterapia.

Como este medicamento é administrado?

Este medicamento deve ser tomado com alimentos para evitar ou diminuir a irritação gastrointestinal que pode causar. A dose em adultos para o tratamento de vertigem, náusea e vômito é de um comprimido a cada 4 horas, pelo tempo que for necessário.

No entanto, em alguns casos podem ser necessários 2 comprimidos a cada 4 horas, sendo que a dose diária máxima de Difenidol é de 300 mg. É bem absorvido no estômago e no intestino e atinge níveis máximos no sangue entre 1,5 e 3 horas após a ingestão. Além disso, é eliminado na urina.

Descubra também: Como reduzir a vertigem com remédios de origem natural

Contraindicações e precauções do difenidol

Insuficiência renal
Pacientes com insuficiência renal devem evitar esse medicamento, já que ele pode se acumular e levar a complicações.

Os pacientes com insuficiência renal devem tomar cuidado porque, quando esta ocorre, o difenidol se acumula. Este medicamento é contraindicado nos seguintes casos:

  • Hipersensibilidade ao mesmo.
  • Doença gastrointestinal obstrutiva.
  • Doença obstrutiva do trato urinário.
  • Insuficiência renal.
  • Glaucoma
  • Hipotensão arterial

Seu uso não é recomendado para o controle de náuseas e vômitos da gravidez ou em crianças menores de seis meses. A administração intravenosa também não é indicada para pessoas com histórico de taquicardia sinusal. Isso ocorre porque este medicamento pode desencadear um ataque cardíaco nesses pacientes.

Reações adversas

Devido a suas possíveis reações adversas, seu uso por via intramuscular é limitado a pacientes hospitalizados. Essas reações incluem alucinações visuais, auditivas, desorientação e confusão.

Estas reações podem ocorrer dentro de 3 dias após o início do tratamento. Geralmente, elas desaparecem espontaneamente se o tratamento for interrompido.

A incidência de alucinações auditivas e visuais, desorientação e confusão é muito baixa. No entanto, sonolência, superestimulação, depressão, distúrbios do sono, boca seca, náusea, dispepsia e visão turva podem ocorrer.

Em casos mais raros podem ocorrer tonturas leves, erupções cutâneas, dor de cabeça ou azia. Também pode haver uma leve e transitória diminuição da pressão arterial.

Você também pode gostar de ler:  O que é a vertigem postural paroxística benigna?

O difenidol pode interagir com outros medicamentos?

O efeito antiemético do difenidol pode mascarar os sinais de overdose de outros medicamentos. Também pode dificultar o diagnóstico de outras condições, como a obstrução intestinal.

Possui uma ação central fraca do agente anticolinérgico, semelhante à existente no tratamento com medicamentos como a atropina ou a escopolamina. Por esse motivo, não deve ser utilizado em conjunto com medicamentos anticolinérgicos, pois eles podem enfraquecer o seu efeito.

Se for consumido juntamente com medicamentos depressores do sistema nervoso central, aumentam os efeitos adversos. De acordo com evidências científicas, o difenidol pode interagir com outras drogas, especialmente aquelas que são metabolizadas por hidrólise catalisada por carboxilesterase, CES.

Conclusão

O difenidol é um medicamento que pertence ao grupo farmacoterapêutico dos antagonistas muscarínicos. É um medicamento que pode ser prescrito em caso de necessidade de tratamento para a vertigem periférica.

  • Jaiswal, N., Lambrecht, G., Mutschler, E., Tacke, R., & Malik, K. U. (1991). Pharmacological characterization of the vascular muscarinic receptors mediating relaxation and contraction in rabbit aorta. Journal of Pharmacology and Experimental Therapeutics.
  • Pan, W., Chen, X., Guo, M., Huang, Y., & Yao, S. (2007). A novel amperometric sensor for the detection of difenidol hydrochloride based on the modification of Ru(bpy)32+ on a glassy carbon electrode. Talanta. https://doi.org/10.1016/j.talanta.2007.04.034
  • Imeri, L., Bianchi, S., Angeli, P., & Mancia, M. (1994). Selective blockade of different brain stem muscarinic receptor subtypes: effects on the sleep-wake cycle. Brain Research. https://doi.org/10.1016/0006-8993(94)90176-7
  • Leung, Y. M., Wu, B. T., Chen, Y. C., Hung, C. H., & Chen, Y. W. (2010). Diphenidol inhibited sodium currents and produced spinal anesthesia. Neuropharmacology58(7), 1147–1152. https://doi.org/10.1016/j.neuropharm.2010.02.007