Dieta para bilirrubina alta: dicas e alimentos recomendados

A bilirrubina é um pigmento amarelo que o organismo apresenta habitualmente. Em condições normais ela não costuma ser um problema, mas algumas doenças podem fazer com que ela não seja eliminada de forma correta e se acumule no sangue.
Dieta para bilirrubina alta: dicas e alimentos recomendados

Última atualização: 03 janeiro, 2022

Amarelecimento dos olhos, pele ou gengivas não é comum, mas pode acontecer. Esta situação é conhecida como icterícia e é um sinal claro de que existe algum problema no funcionamento do fígado. Uma dieta com alto teor de bilirrubina é útil nessas situações, sempre acompanhada de tratamento adequado e orientada por um especialista.

Para otimizar as funções hepáticas é conveniente adotar diretrizes de alimentação saudável baseadas em produtos frescos, cozimento suave e fácil digestão. Além disso é importante manter uma dieta abundante em vitaminas, antioxidantes, fibras e água. Neste artigo detalharemos o que é apropriado e o que é melhor evitar.

O que é hiperbilirrubinemia?

A bilirrubina é uma substância de cor amarela que surge como resultado da degradação dos glóbulos vermelhos, mas também como consequência do metabolismo enzimático e da mioglobina. Seu tom característico é dado por um pigmento.

Ele circula pelo sangue até o fígado, que é responsável por excretá-lo do corpo. Pelas vias biliares ele é direcionado para o intestino e, portanto, evacuado com as fezes. Os valores normais devem estar entre 0,3 e 1,2 miligramas por decilitro de sangue. Quando eles excedem esse intervalo surge a hiperbilirrubinemia. 

A icterícia é a coloração amarela na pele e mucosas, e é um dos sinais de acúmulo de bilirrubina no sangue. Ela não costuma ser uma ocorrência comum, mas pode aparecer em adultos com doenças hepáticas como síndrome de Gilbert, cirrose ou hepatite. Mesmo em alguns bebês recém-nascidos ela é perceptível, pois pode demorar alguns dias para o fígado ser capaz de processar essa molécula.

Tratamento neonatal da icterícia.
A bilirrubina elevada pode estar presente em neonatos devido à imaturidade do fígado.

Outra causa comum da icterícia são doenças que obstruem os ductos biliares. Um cálculo ou tumor pode dificultar a passagem da bile para o intestino, provocando um aumento na concentração de bilirrubina no sangue. Por outro lado, o aumento da eliminação de eritrócitos pelo baço também pode explicar a bilirrubina elevada.

Importância da dieta para regular a bilirrubina

O fígado tem um papel de destaque na digestão. Tudo o que é ingerido é filtrado por esse órgão responsável pela conversão dos nutrientes em energia. Ele produz a bile, que é necessária à digestão das gorduras e, por meio dela, são filtrados resíduos orgânicos, álcool, toxinas e medicamentos.

Portanto, qualquer alimento ou bebida que ingerimos é trabalhado pelo fígado. No entanto, os diferentes nutrientes e substâncias químicas presentes tornam essa tarefa mais fácil ou mais complicada. Assim, podemos falar de produtos que são aliados do fígado e outros que não tanto.

O excesso de gordura, sal e açúcar, além de refeições muito fartas são de difícil digestão, exigindo um maior trabalho deste órgão. Portanto, não é recomendável manter esse tipo de alimentação, sendo necessário substituí-la por alimentos que auxiliem a função hepática. Isso melhora a icterícia e evita seu reaparecimento.

Alimentos para reduzir os níveis de bilirrubina

Uma dieta rica em bilirrubina deve ser balanceada e adaptada às necessidades e situação específica de cada pessoa. É importante que todos as refeições contenham proteínas, carboidratos saudáveis e baixas quantidades de gordura. Mas existem alguns alimentos com um efeito mais positivo no fígado, que podem reduzir os sintomas e melhorar a situação.

Frutas e vegetais vermelhos

Os antioxidantes são um componente importante na manutenção do equilíbrio oxidativo no fígado. Quando esse equilíbrio é perturbado, a saúde do fígado fica prejudicada e também o funcionamento ideal dele. Por isso, é necessário ingerir alimentos ricos nesses compostos.

Os mais abundantes são as frutas e vegetais. Os de cor vermelha merecem destaque, pois fornecem licopeno que é um dos antioxidantes que parece ter a atividade mais importante neste sentido. Podemos obtê-lo a partir dos seguintes alimentos que contém essa substância em maior quantidade:

  • Tomate.
  • Melancia.
  • Goiaba.
  • Caqui.
  • Uvas pretas.

Fibra na dieta para a bilirrubina alta

Conforme apontado pela Fundação Americana do fígado, é interessante aumentar a presença de fibras na alimentação, pois elas permitem que o fígado funcione em um nível ideal. As fontes mais recomendadas são vegetais, cerais integrais e frutas em geral.

Por outro lado, um estudo publicado na revista Nutrition determinou que o consumo de fibra alimentar tem múltiplos efeitos no fígado. Ela pode reduzir tanto a inflamação hepática quanto a sistêmica, bem como prevenir a fibrose hepática.

Carne magra, peixe branco e legumes

Estas são as fontes de proteína mais adequadas, pois também são as mais pobres em gordura. Variedades de frango, coelho e peixes brancos, bem como cortes mais magros de carne são indicados nesta situação. Além disso, consumir leguminosas em pequenas porções também é útil, pois elas fornecem muita fibra em sua composição. 

Água como bebida preferencial

É importante beber líquidos suficientes para manter uma boa hidratação e aumentar a função hepática. O ideal é consumir entre 1,5 e 2 litros de água por dia, o que se traduz em aproximadamente 8 copos. Dessa forma a produção de bile aumentará, o que favorecerá a eliminação da bilirrubina.

Outra bebida positiva é o café. A evidência científica mostrou que ele pode prevenir o desenvolvimento de um problema hepático e melhorá-lo quando ele já está presente.

Considerado até recentemente como um mau hábito, atualmente os dados sobre o consumo de café parecem ir na direção oposta. No entanto, deve-se ter cuidado com o uso e quantidades, principalmente em pessoas que são sensíveis aos seus efeitos ou não o tomam regularmente. 

Alimentos a evitar em uma dieta hepática

Além de potencializar todos os alimentos positivos na dieta para níveis elevados de bilirrubina, existe uma série de dicas dietéticas sobre o que é mais prejudicial. De acordo com os diferentes especialistas, estes são os alimentos que devem ser evitados ao máximo:

  • Alimentos processados ou com um alto teor de gordura: como a nata, queijos curados, leite integral, frios e carnes não magras. Você também deve evitar comida rápida e alimentos fritos.
  • Evitar o álcool: ele provoca danos adicionais ao fígado, que é responsável por filtrá-lo. 
  • Peixes e frutos do mar: crus ou mal cozidos.
  • Refrigerantes, bolos, biscoitos e outros alimentos ricos em açúcares adicionados: eles podem aumentar os depósitos de gordura no fígado. 
Mão rejeitando um copo com álcool.
O álcool não é recomendado para pessoas com doenças hepáticas, pois agrava os sintomas.

Principais ideias para dietas para a bilirrubina alta

As pessoas que por qualquer motivo tenham este problema de saúde devem seguir uma alimentação equilibrada e saudável que esteja adaptada à condição delas. É importante fazer de 4 a 5 refeições pequenas por dia, com todos os nutrientes presentes e com um cozimento leve e de fácil digestão.

Além de cuidar da dieta e dos alimentos que a compõem, existem outros hábitos ou comportamentos que podem aumentar os níveis de bilirrubina no sangue. Conforme observado na British Liver Trust Foundation, a icterícia se torna mais aparente nas seguintes situações:

  • Períodos de jejum e dietas de baixa caloria. 
  • Momentos de estresse.
  • Em presença de doenças infecciosas.
  • Com uma prática esportiva vigorosa.

Por outro lado também é recomendável tomar algumas atitudes para promover a saúde hepática como evitar gorduras saturadas e bebidas alcoólicas. Além disso, o exercício regular demonstrou melhorar a função hepática e diminuir a gordura nesse órgão, de acordo com o British Journal of Sports Medicine.

Você deve estar ciente de que se a icterícia estiver acompanhada de outros sintomas como náusea, perda de apetite, falta de energia ou retenção de líquidos, pode ser necessário seguir outra dieta para níveis elevados de bilirrubina. Ou também adotar diretrizes mais específicas que serão personalizadas, por isso é fundamental consultar um especialista o mais rápido possível.

Pode interessar a você...
8 alimentos para limpar o fígado naturalmente
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
8 alimentos para limpar o fígado naturalmente

O fígado é um órgão vital para a nossa saúde e por isso devemos protegê-lo de certos fatores que o colocam em risco de doenças.



  • Casas-Grajales S, Muriel P. Antioxidants in liver health. World Journal of Gastrointestinal  Pharmacology  and Thereutics. Agosto 2015.6(3):59-72.
  • Dranoff JA. Coffee Consumption and Prevention of Cirrhosis: In Support of the Caffeine Hypothesis. Gene Expression. Marzo 2018;18(1):1-3.
  • Mosquera, Jairo Téllez, and Miguel Cote Menéndez. “Alcohol etílico: un tóxico de alto riesgo para la salud humana socialmente aceptado.” Revista de la Facultad de Medicina 54.1 (2006): 32-47.
  • Gollan JL, Bateman C, Billing BH. Effect of dietary composition on the unconjugated hyperbilirubinaemia of Gilbert’s syndrome. Gut. Mayo 1976. 17(5):335-340.
  • Jensen T, Abdelmalek MF, Sullivan S, et al. Fructose and sugar: A major mediator of non-alcoholic fatty liver disease. Journal Hepatol. Febrero 2018.68(5):1063-1075.
  • Vitaglione P, et al. Dietary antioxidant compounds and liver health. Critical reviews in food and nutrition science. 2004. 44(7-8):575-86.
  • Vreman RA, et al. Health and economic benefits of reducing sugar intake in the USA, including effects via non-alcoholic fatty liver disease: a microsimulation model. BMJ Open. Agosto 2017. 7(8):e013543.
  • de La Fuente, Rocio Aller, Natalia Fernández Angulo, and Daniel de Luis Roman. “Nutrición en el hígado graso no alcohólico.” Nutrición Clínica 13.2-2019 (2019): 89-98.
  • Parras_Ortega, Nadia. “Dietas altas en grasa. Estudio del metabolismo lipídico en músculo e hígado.” (2018).
  • Feart, Catherine. “Nutrition and frailty: Current knowledge.” Progress in Neuro-Psychopharmacology and Biological Psychiatry 95 (2019): 109703.