Icterícia em bebês: sintomas e tratamento

· 26 de agosto de 2018
A icterícia em bebês é uma condição que é identificada por um amarelamento da pele e da esclera dos olhos do recém-nascido. Embora não seja grave, ela precisa ser avaliada por um médico.

A icterícia em bebês é uma condição caracterizada por uma mudança de cor na pele e esclerótica (parte branca dos olhos) do recém-nascido, que começam a parecer amarelados. Desenvolve-se devido a um acúmulo excessivo de bilirrubina no sangue.

A bilirrubina é um pigmento amarelo que resulta da degradação normal dos glóbulos vermelhos. Esta substância geralmente passa pelo fígado e é então liberada no intestino na forma de bile.

Embora não seja uma doença grave, deve ser considerada um sinal de alerta, pois pode ser uma indicação de uma condição não diagnosticada. No entanto, na maioria das vezes, é temporária e inofensiva e responde bem a tratamentos não invasivos.

Por que a icterícia ocorre em bebês? Como identificar o problema? Como pais, é importante saber a resposta a essas perguntas. Portanto, a seguir, vamos revisar as causas relacionadas, seus sintomas e as terapias disponíveis para seu controle.

Causas da icterícia em bebês

Bebê com icterícia

É normal que os bebês tenham a bilirrubina um pouco alta após o nascimento. De fato, a maioria dos bebês nasce com uma cor amarelada na pele (icterícia). A condição se desenvolve em 80% dos bebês nascidos prematuramente e em 60% dos nascidos a termo.

No entanto, nem sempre é perceptível e pode desaparecer sozinho após duas semanas aproximadamente. Sua principal causa é a falta de maduração do fígado do bebê, que não consegue distribuir bem a bilirrubina. Além disso, aparentemente, os recém-nascidos produzem mais bilirrubina porque os glóbulos vermelhos são renovados com mais frequência.

Outras causas possíveis incluem:

  • Histórico familiar de icterícia
  • Não ser alimentado com leite materno
  • Hemorragia interna
  • Infecção no sangue do bebê (septicemia)
  • Infecções virais ou bacterianas
  • Incompatibilidade entre o sangue da mãe e o sangue do bebê
  • Insuficiência hepática
  • Anormalidade nos glóbulos vermelhos do recém-nascido

Sintomas da icterícia nos bebês

O principal sinal da icterícia nos bebês é um amarelamento da pele e na parte branca dos olhos. O sintoma geralmente se manifesta entre o segundo e o quarto dia após o nascimento. A cor geralmente começa no rosto e depois se estende para o abdômen, pernas e solas dos pés.

Além disso, quando ocorre de forma severa, pode ser acompanhado por:

  • Má alimentação
  • Peso abaixo do normal
  • Choro agudo
  • Aparência desanimada ou cansada

Confira também o artigo: Bebês nascidos por cesárea recebem “banho” de bactérias vaginais

Diagnóstico

A icterícia em bebês deve ser controlada pelo médico

O médico pode diagnosticar a icterícia em bebês de acordo com a aparência do recém-nascido. No entanto, para medir o nível de bilirrubina no sangue, outros testes complementares são necessários. Então, além do exame físico, sugere-se:

  • Um teste laboratorial da amostra de sangue de um bebê (hemograma completo).
  • Uma análise com um dispositivo chamado bilirrubinômetro transcutâneo“.
  • Teste de Coombs.
  • Contagem de reticulócitos.

Tratamento da icterícia em bebês

A icterícia em bebês geralmente desaparece sozinha após duas ou três semanas, sem a necessidade de tratamento. No entanto, quando se manifesta de forma moderada ou grave, é provável que o recém-nascido permaneça internado por alguns dias.

As medidas para o seu controle dependerão do nível de bilirrubina no sangue, da idade do bebê ou se ele é prematuro. Um bebê precisará de tratamento se a bilirrubina estiver muito alta ou estiver aumentando muito rapidamente. A terapia inclui:

Fototerapia

Quando o bebê tem icterícia, precisa de um tratamento com luz

O bebê é exposto a uma lâmpada especial que emite luz em um espectro verde-azulado. Esta luz tem a função de ajudar a quebrar as moléculas de bilirrubina para que ela possa ser eliminada através da urina ou das fezes. Não é uma luz ultravioleta e tem um protetor plástico que atua como filtro.

Além disso, durante o tratamento, o bebê usará apenas fraldas e protetores oculares. Em alguns casos, o tratamento é complementado com o uso de um travesseiro ou colchão que emite luz.

Recomendamos ler: Brotoejas em bebês: devo me preocupar?

Imunoglobulina intravenosa (IgIV)

Quando a icterícia está relacionada às diferenças entre o grupo sanguíneo da mãe e do bebê, é requerida uma transfusão intravenosa de uma imunoglobulina. Este procedimento pode diminuir a icterícia e reduzir a necessidade de uma exsanguineotransfusão.

Exsanguineotransfusão

Em alguns casos isolados, quando não há resposta positiva a outros tratamentos, a icterícia em bebês requer uma exsanguineotransfusão. Isso envolve a remoção de pequenas quantidades de sangue repetidamente para diluir a bilirrubina e os anticorpos da mãe. Então, o sangue é transferido de volta para o bebê.

Hábitos alimentares

A icterícia em bebês pode ser notada enquanto o bebê está se amamentando

Se a icterícia nos bebês não for grave, o médico recomendará mudanças simples nos hábitos alimentares. Algumas mães precisam de apoio porque têm problemas para amamentar. As dicas a seguir ajudam a reduzir a icterícia:

  • Amamentar com mais frequência para que o bebê tenha mais evacuações.
  • Use uma alimentação complementar, como leite em pó, quando houver problemas com a amamentação. É necessário tomar essa medida, principalmente quando o recém-nascido perder muito peso ou ficar desidratado.
  • Use uma fórmula materna por alguns dias e depois volte a amamentar (somente sob recomendação médica).

Quando consultar o médico?

Todos os bebês devem ser avaliados por um profissional nos primeiros cinco dias de vida para determinar se têm ou não icterícia. É essencial ir a uma emergência se o amarelamento estiver acompanhado de febre, falta de apetite ou apatia.

A icterícia não é perigosa em bebês nascidos a termo ou bebês saudáveis. Portanto, se o bebê for prematuro, o problema requer atenção especial. Algumas complicações incluem encefalopatia aguda por bilirrubina, paralisia cerebral e surdez.