Dieta do astronauta: análise e riscos que você deve conhecer

Você já ouviu falar sobre a dieta do astronauta? Falaremos sobre os riscos dela.
Maria Patricia Pinero Corredor

Escrito e verificado por a nutricionista Maria Patricia Pinero Corredor.

Última atualização: 09 agosto, 2022

Segundo a Organização Mundial da Saúde, o aumento do sobrepeso e da obesidade ceifa muitas vidas no mundo todos os anos. Isso, por sua vez, aumenta o interesse na perda de peso por meio de dietas de emagrecimento. No entanto, muitas delas se tornam bastante agressivas, como é o caso da “dieta do astronauta”.

E é que uma coisa são as necessidades nutricionais de quem viaja para o espaço e outra de quem na terra quer perder peso. Este modelo de alimentação foi desenvolvido para atender as necessidades calóricas e nutricionais que esses profissionais exigem em seu trabalho. Portanto, não tem nada a ver com perda de peso. Então, por que se tornou popular?

Como outras dietas “milagrosas”, seu número de seguidores aumentou devido ao apoio de algumas personalidades famosas. Até mesmo seus controversos benefícios se espalharam pelas redes sociais. De qualquer forma, é importante saber por que ela é desencorajada e quais são seus riscos.

Como é a dieta do astronauta?

O nome dado a esta dieta milagrosa para perda de peso não tem nada a ver com a NASA. De fato, a alimentação dos astronautas é rigorosa e controlada. Durante anos, eles se alimentam para reduzir os efeitos adversos da microgravidade, como descalcificação óssea e deterioração muscular.

Os nutricionistas devem planejar cuidadosamente os cardápios dos astronautas, pois isso é crucial para que eles se mantenham saudáveis antes, durante e depois da missão espacial. Em geral, inclui pequenas porções de energia através de alimentos semilíquidos, liofilizados ou comprimidos.

É provável que o tamanho das porções tenha sido usado como exemplo para dar o nome à dieta do astronauta. Portanto, é um nome chique sem semelhanças na ingestão de nutrientes e energia.

restrição alimentar
A dieta do astronauta é extremamente restritiva. Portanto, a longo prazo, pode levar a graves consequências para a saúde.

Em que consiste?

A dieta do astronauta é um modelo de alimentação hipocalórica que promete a perda de até um quilo de peso por dia, durante 13 dias. É bastante restritivo e o número de calorias ingeridas – independente da atividade, idade ou sexo – fica entre 500 e 700 quilocalorias. Por esta razão, não deve durar mais do que este tempo.

Esta dieta propõe um cardápio limitado sem grandes variações. Para citar um exemplo, pode ser o seguinte:

  • Café da manhã: um copo de leite desnatado.
  • Almoço: uma salada verde acompanhada de um ovo cozido.
  • Jantar: carnes (podem ser carnes vegetais) e saladas.

Comer 6 bananas médias por dia é comer 530 calorias. Então você tem que ter cuidado com o excesso de frutas. Após completar 13 dias, recomenda-se descansar por 2 ou 3 semanas, para depois retomá-lo e alcançar a perda de peso desejada.

Riscos da dieta do astronauta

A extrema restrição que a dieta do astronauta acarreta coloca em risco a saúde, já que a quantidade de calorias que são ingeridas está muito abaixo do necessário. Embora seja verdade que há perda de peso rápida, o custo é prejudicial.

O metabolismo basal não é compensado

A ingestão calórica diária é de apenas 500 quilocalorias, o que representa 30% do que o adulto médio necessita para manter o metabolismo basal. Isso significa que há um desequilíbrio de energia que mantém as células, tecidos e órgãos funcionais.

A dieta do astronauta promove o consumo de até 5 vezes menos de calorias do que uma dieta normal deveria fornecer para manter as funções vitais.

É desequilibrada e pouco variada

A restrição alimentar proíbe determinados grupos de alimentos, como açúcares e carboidratos, para não aumentar as calorias.

No entanto, isso significa sacrificar as vitaminas, antioxidantes e minerais que são fornecidos por frutas e vegetais fontes de amido. As oleaginosas também são restritas devido ao seu alto teor de gordura.

Causa o efeito rebote

A perda de 10 a 13 quilos de peso ocorre apenas em 13 dias. Essa rapidez pode levar ao efeito rebote, com recuperação do peso perdido ou talvez mais do que o esperado. Deve-se lembrar que antes da restrição de ingestão, o corpo está preparado para sobreviver e compensar.

Pode afetar o humor

Na dieta do astronauta, o fornecimento de energia para as células fica comprometido. A sensação de fome pode causar desmotivação, irritabilidade, ansiedade ou depressão. Além disso, ganhar peso depois de quase 15 dias sem comer é muito decepcionante.

Pode causar “fome oculta”

Passar tantos dias comendo de forma desequilibrada em quantidade e qualidade, leva ao que se conhece como “fome oculta”. Neste caso, existem deficiências nutricionais ao nível celular, especialmente se não for suplementado com alguns oligoelementos e vitaminas que normalmente são consumidos com a dieta habitual.

Embora a fome oculta tenha características de cronicidade, repetir o processo da dieta do astronauta até atingir o peso desejado pode produzir uma deficiência de micronutrientes.

Mulher fraca da dieta
Esse tipo de alimentação pode levar a um déficit de nutrientes e, posteriormente, ao efeito rebote.

Vale a pena perder peso com a dieta do astronauta?

A dieta do astronauta apresenta riscos à saúde, portanto, o custo da perda de peso é considerável. Dietas hipocalóricas, personalizadas e abordadas por profissionais de saúde e nutrição são as melhores para emagrecer com segurança.

De qualquer forma, a melhor fórmula para ter um peso ideal é a mesma de sempre; faça uma alimentação saudável, coma vegetais e frutas, reduza os alimentos ultraprocessados e açúcar e faça exercícios diariamente.

Pode interessar a você...
Dieta mediterrânea verde: vantagens e desvantagens
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Dieta mediterrânea verde: vantagens e desvantagens

A dieta mediterrânea verde é rica em vegetais, sem esquecer da necessidade de proteínas, carboidratos, vitaminas e minerais. Conheça-a aqui!