O que caracteriza a dieta carnívora?

Vamos explicar em que consiste a dieta carnívora e quais são os seus riscos e benefícios para que você possa avaliar se vale a pena segui-la. Por se tratar de um plano nutricional restritivo, é importante estar atento.
O que caracteriza a dieta carnívora?

Última atualização: 22 Janeiro, 2021

Neste artigo, vamos explicar em que consiste a dieta carnívora. Esse método de alimentação está se tornando moda atualmente. Muitos dos seus defensores afirmam que experimentam uma série de benefícios relacionados a uma saúde melhor a partir de sua adoção. No entanto, como iremos explicar, essa dieta não conta com o suporte de evidências científicas.

A dieta carnívora é altamente restritiva

O principal problema das dietas restritivas é que elas causam um grande impacto na população devido ao importante trabalho de propaganda por trás delas. Algumas, como a dieta vegana, possuem um componente ético que motiva muitas pessoas a colocá-la em prática, além das promessas em relação à perda de peso.

A dieta carnívora não fica muito atrás e, em seu caso particular, é um método alimentar oposto ao veganismo. Consiste em consumir apenas alimentos procedentes de animais terrestres.

Na verdade, as versões mais restritas contemplam a opção de comer carne vermelha e beber água, nada mais. É um protocolo muito restritivo que elimina alimentos do reino vegetal e peixes, o que pode favorecer o aparecimento de deficiências nutricionais.

As necessidades de macronutrientes, exceto de carboidratos, podem ser satisfeitas comendo carne. No entanto, os micronutrientes são suscetíveis a deficiências quando não há variedade.

Dessa forma, descobrimos que comer apenas carne não vai fornecer os fitonutrientes de que precisamos. Estas são substâncias essenciais com caráter antioxidante e anti-inflamatório que desempenham um papel preponderante na promoção da saúde.

A literatura científica apoia a necessidade de incorporar regularmente esses nutrientes à dieta alimentar para combater o aparecimento de doenças crônicas, e eles também demonstraram diminuir o risco de patologias degenerativas associadas ao envelhecimento.

A supressão da ingestão de antioxidantes é capaz de aumentar o risco de desenvolvimento de doenças. Esses nutrientes também são importantes na prática de exercícios físicos, pois reduzem os danos musculares e promovem a recuperação.

Fazer carnes no churrasco
Comer apenas carne na dieta é uma escolha extremamente restritiva que quase nunca será recomendada.

Argumentos para defender a dieta carnívora

Os defensores da dieta carnívora argumentam que as carnes vermelhas e orgânicas são alimentos de alta densidade nutricional que fornecem todas as substâncias de que o corpo necessita. O consumo de carboidratos, dependendo da sua posição, seria prejudicial e causaria transtornos.

Embora seja verdade que os açúcares simples aumentam a incidência de doenças metabólicas, de acordo com um estudo publicado na revista Critical Reviews in Clinical Laboratory Sciences, a ingestão de carboidratos complexos pode ser necessária em muitos casos. Por exemplo, quando você precisa realizar atividades que requerem um esforço anaeróbio de alta intensidade.

Outro argumento que apoia a implementação da dieta carnívora é que aqueles que a experimentaram argumentam que têm menos problemas gastrointestinais e reduzem a sensação de inchaço. Isso ocorre por se tratar de um plano alimentar com falta de fibras.

No entanto, a fibra é essencial para a saúde intestinal e o peristaltismo. É verdade que aquelas pessoas que apresentam supercrescimento bacteriano intestinal deveriam diminuir sua ingestão, mas este é um caso específico.

Sabe-se que grandes doses de fibra podem aumentar o crescimento de bactérias patogênicas, produzindo sensações desagradáveis e dando origem a um distúrbio denominado pelos especialistas como SIBO. Para este quadro clínico, reduzir o consumo de fibras temporariamente poderia reverter o processo, mas não é indicado suspendê-lo para sempre.

A dieta carnívora é sustentável?

Carne vermelha
Aqueles que experimentam a dieta carnívora garantem obter uma melhora gastrointestinal, mas especialistas em nutrição não a recomendam.

Embora uma aplicação de curto prazo da dieta carnívora possa beneficiar pacientes com síndrome de supercrescimento bacteriano, este é um tipo de dieta que não pode ser sustentado por muito tempo. Os efeitos a curto e médio prazo são evidentes.

As dietas cetogênicas, que também são restritivas, têm sido estudadas e classificadas como seguras, segundo uma pesquisa publicada no World Journal of Pediatrics. No entanto, a dieta carnívora vai além.

A restrição dos fitonutrientes pode ocasionar transtornos de saúde graves. Isso sem mencionar a pouca aderência que um plano alimentar desse estilo pode apresentar, pois só permite consumir um pequeno espectro de alimentos.

Por isso, a opinião internacional desaconselha a adoção dessa dieta restritiva em qualquer de suas variantes. Reduzir a ingestão de carboidratos pode ser aconselhável para muitas pessoas, embora de forma momentânea e no âmbito de um plano variado rico em peixes e em alimentos do reino vegetal.

A recomendação é sempre fugir de dietas restritivas

As dietas restritivas prometem resultados rápidos em termos de perda de peso e melhoria da saúde. Às vezes, certos componentes éticos são adicionados.

No entanto, a restrição acarreta uma limitação na ingestão de nutrientes, o que pode causar deficiências a médio e longo prazo. Por isso, esses tipos de planos extremos devem ser evitados e é necessário optar por um regime alimentar variado e equilibrado do ponto de vista calórico. Se tiver mais dúvidas sobre isso, consulte um profissional de nutrição.

Pode interessar a você...
5 benefícios de seguir uma dieta cetogênica
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
5 benefícios de seguir uma dieta cetogênica

Embora seja possível que seja difícil para nosso corpo se acostumar com a dieta cetogênica, e apresentar problemas durante as primeiras semanas, ele se estabilizará e nós começaremos a usufruir de seus benefícios



  • Zhang YJ., Gan RY., Li S., Zhou Y., et al., Antioxidant phytochemicals for the prevention and treatment of chronic diseases. Molecules, 2015. 20 (12): 21138-56.
  • Stanhope KL., Sugar consumption, metabolic disease and obesity: the state of the controversy. Crit Rev Clin Lab Sci, 2016. 53 (1): 52-67.
  • Ruscio M., Is SIBO a real condition? Altern Ther Health Med, 2019 25 (5): 30-38.
  • Cai QY., Zhou ZJ., Luo R., Gan J., et al., Safety and tolerability of the ketogenic diet used for the treatment of refractory childhool epilepsy: a systematic review of published prospective studies. World J Pediatr, 2017. 13 (6): 528-536.
  • Ayala Vargas, Celso. “Importancia nutricional de la carne.” Revista de Investigación e Innovación Agropecuaria y de Recursos Naturales 5.ESPECIAL (2018): 54-61.
  • Serna, Alexandra Idalia Mondragón, and María Andrea Baena Santa. “Boletín Salud & Nutrición.” Boletín Salud & Nutrición 29 (2020): 1-16.
  • Pérez-Jiménez, Jara. “Fibra dietaria: actualizando conceptos, fuentes y aplicaciones.” (2019).
  • Zmora, Niv, Jotham Suez, and Eran Elinav. “You are what you eat: diet, health and the gut microbiota.” Nature reviews Gastroenterology & hepatology 16.1 (2019): 35-56.