Contato pele a pele: uma técnica essencial após o parto

O contato pele a pele sempre ocorreu ao longo da história da humanidade. Posteriormente, com a incorporação da assistência ao parto medicalizada, esta técnica foi abandonada. Explicaremos quais são os seus benefícios.
Contato pele a pele: uma técnica essencial após o parto

Última atualização: 07 Março, 2021

A técnica do contato pele a pele, também chamada de método canguru, é uma ação realizada logo após o parto. Consiste em colocar o recém-nascido sobre o abdômen ou tórax da mãe, mesmo antes de ter cortado o cordão umbilical.

Na verdade, essa metodologia também pode ser usada dias após o nascimento. Tem inúmeros benefícios para a saúde do bebê e para o relacionamento entre mãe e filho. Neste artigo, explicaremos tudo que você precisa saber sobre o método.

A técnica do contato pele a pele

O contato pele a pele entre mãe e filho após o nascimento é algo que a humanidade tem feito ao longo da história. É um gesto quase inconsciente, por meio do qual a mãe mostra carinho e proteção ao recém-nascido. 

O parto é uma situação complicada para a criança, pois quebra completamente o estado de tranquilidade e conforto que ela vivenciou durante os meses de gestação. O primeiro contato com sua mãe pode lhe proporcionar um estado de tranquilidade, por isso é importante cuidar dessa experiência.

Embora a técnica tenha muitos benefícios, na verdade eles eram desconhecidos. Este método era realizado por mero instinto. No entanto, assim que a assistência instrumental ao parto foi introduzida, ele foi descontinuado.

Mãe segurando seu bebê
É importante estimular o contato desde os primeiros momentos, pois os benefícios da técnica são imediatos.

Como praticar essa técnica com o seu bebê?

O contato pele a pele, em primeira instância, consiste em colocar o recém-nascido sobre o peito ou abdômen da mãe. Geralmente é feito sem cortar o cordão umbilical. O bebê deve ser posicionado verticalmente, com os dois tórax em contato.

O ideal é que, nesse momento, o mamilo da mãe também participe. Porém, o bebê não precisa sugar. Isso deve ser feito em partos vaginais e cesáreas. O tempo recomendado para manter esta posição é de pelo menos uma hora.

Além disso, esse gesto pode ser realizado durante os primeiros dias de vida da criança. Não é exclusivo para o momento do parto. Para isso, o ideal é encontrar um momento ao longo do dia para desfrutar da tranquilidade.

A mãe deve descobrir o seio completamente e colocar o bebê sobre ele. É necessário cobrir a criança ou se cobrir com um cobertor para não alterar a regulação da temperatura corporal. Lembre-se de que o sistema de adaptação dos órgãos ao clima circundante ainda está em desenvolvimento.

Com esse contato, é muito provável que ambos entrem em um estado de tranquilidade. Isso terá benefícios que vamos comentar agora, mas é lógico supor que o estresse se dissipa ao favorecer esse grau de intimidade. Mesmo na questão das flutuações de temperatura que mencionamos, o contato pele com pele age como um adjuvante para a homeostase.

Os seus benefícios foram estudados por vários cientistas nos últimos anos. De acordo com um estudo publicado na Revista Cochranemelhora a interação entre mãe e filho e também reduz o choro ao nascer. 

Foi visto que a afetividade entre os dois aumenta significativamente. Por exemplo, a mãe entende melhor os sinais da criança e a comunicação se torna mais fluida, podendo atender às demandas com rapidez e agilidade.

Ainda, de acordo com um artigo de revisão da Pontifícia Universidade Católica de Chile, a possibilidade de depressão pós-parto em mulheres é reduzida. Da mesma forma, parece que diminuem os dias de internação no hospital após o parto. 

Outro benefício, como antecipamos, é a regulação da temperatura da criança. Ou seja, ajuda a manter a homeostase corporal adequada, essencial nesta fase da vida para acompanhar o desenvolvimento normal.

Por fim, um estudo da Enfermaria Universitária afirma que o aleitamento materno é maior em mães que realizam essa técnica logo após o nascimento. Ele também comenta que favorece a involução do útero e que reduz o risco de infecções, o que repercute em um menor uso de medicamentos pela mulher no puerpério.

Mãe deitada com o seu bebê
A técnica do contato pele a pele entre mãe e filho traz benefícios para a saúde de ambos.

O método canguru é natural e instintivo no momento do parto. Mãe e filho se beneficiam. No entanto, é verdade que também existem desvantagens a serem consideradas.

publicação da Progresos de Obstetricia y Ginecología explica que, nesse preciso momento, complicações que colocam a vida do bebê em risco também podem ser geradas, embora mínimas, tais como a possibilidade de uma onda de calor de compressão. Mesmo assim, sua prática deve ser incentivada, melhorando o preparo da equipe médica envolvida no parto.

Portanto, se você vai ter um bebê, procure se informar corretamente sobre esta técnica e como realizá-la. Além disso, na hora do nascimento, aproveite aquele primeiro contato com o recém-nascido. Desta forma, você poderá garantir que a primeira experiência do seu filho com o mundo seja menos agressiva.

Pode interessar a você...
O que é o método Bonapace de preparação para o parto?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
O que é o método Bonapace de preparação para o parto?

O método Bonapace é uma nova técnica que busca reduzir a dor do parto por meios naturais. Foi criado por Julie Bonapace, especialista em terapia da dor.



  • Brundi M, Ma, G., & Am, L. (n.d.). CONTACTO PIEL A PIEL MADRE/HIJO PREMATURO. CONOCIMIENTOS Y DIFICULTADES PARA SU IMPLEMENTACIÓN.
  • Martínez-Martínez, T., & Damian-Ferman, N. (2014). Beneficios del contacto piel a piel precoz en la reanimación neonatal. Enfermería Universitaria, 11(2), 61–66. https://doi.org/10.1016/s1665-7063(14)72666-1
  • Biblioteca Cochrane Plus, L., & con, contacte. (n.d.). Contacto piel-a-piel temprano para las madres y sus recién nacidos sanos.
  • Rodriguez-Alarcón Gómez, J., Elorriaga, I., Fernández-Llebrez, L., Fernández, A., Avellanal, C., & Sierra, C. (2011). Episodios aparentemente letales en las primeras dos horas de vida durante el contacto piel con piel. Incidencia y factores de riesgo. Progresos de Obstetricia y Ginecología, 54(2), 55–59. Retrieved from https://medes.com/publication/64855
  • Raies, C. L., Doren, F. M., & Torres, C. U. (2012). Efectos del contacto piel con piel del recién nacido con su madre. Index de Enfermeria. Fundación Index. https://doi.org/10.4321/s1132-12962012000300007
  • Abdulghani, Nawal, Kristina Edvardsson, and Lisa H. Amir. “Worldwide prevalence of mother-infant skin-to-skin contact after vaginal birth: A systematic review.” PloS one 13.10 (2018): e0205696.
  • Guala, Andrea, et al. “Skin-to-skin contact in cesarean birth and duration of breastfeeding: A cohort study.” The Scientific World Journal 2017 (2017).
  • Safari, Kolsoom, et al. “The effect of mother and newborn early skin-to-skin contact on initiation of breastfeeding, newborn temperature and duration of third stage of labor.” International breastfeeding journal 13.1 (2018): 32.