Qual é a relação entre o consumo de café e os ataques cardíacos?

20 Novembro, 2020
Há uma relação entre o consumo de café e os ataques cardíacos, mas há sempre uma discussão para entender se essa relação é positiva ou negativa. Aparentemente, a forma como a bebida é preparada e consumida é a chave para o seu efeito cardiovascular.

O consumo de café e os ataques cardíacos estão ligados, embora os estudos científicos não tenham chegado a um consenso a respeito. Para alguns pesquisadores, o café aumenta o risco cardiovascular, mas para outros o contrário é verdadeiro.

Entre as bebidas do mundo, o café ocupa um lugar importante. É consumido em quase todo o planeta e constitui um hábito que excede a alimentação em si. O momento do café é, muitas vezes, um espaço de encontro e diálogo.

Portanto, o efeito que ele pode ter na saúde desperta interesse. Há tantos consumidores que, se um risco confiável à vida for detectado, medidas rigorosas teriam que ser tomadas.

Em geral, há uma má impressão que liga a cafeína a fatores de risco cardiovasculares. Além disso, não é incomum que pacientes que tiveram ataques cardíacos parem de tomar café por decisão própria, sem indicação médica.

Quando se fala sobre o consumo de café e os ataques cardíacos, muitas vezes foi estabelecido que a cafeína era a substância a ser estudada. Isso trouxe à tona outras bebidas que também a contêm, como certos energéticos. No entanto, um estudo científico sueco mostrou que o café propriamente dito é um problema de acordo com a forma como ele é preparado, não necessariamente por causa da cafeína.

A forma de consumo de café e o risco de ataques cardíacos

Um grupo de estudos da Universidade de Gotemburgo investigou as diferenças entre os efeitos cardíacos das várias formas de preparo do café. É interessante como cada modalidade afeta a mortalidade dos grupos estudados.

Segundo este estudo, o filtro é o principal determinante da relação entre consumo de café e ataques cardíacos. Quando o café é filtrado, substâncias com efeitos indesejáveis são impedidas de atingir o corpo.

Essas substâncias são capazes de aumentar os valores do colesterol LDL, aumentar a frequência cardíaca e alterar o ritmo cardíaco. Todos os três problemas são negativos para as artérias e para o coração. A situação é pior ainda se o indivíduo em questão tiver outros fatores preocupantes, como a obesidade, ou uma patologia de maior risco, como a diabetes.

Segundo pesquisadores da Suécia, quando o café não é filtrado, um número 30 vezes maior de substâncias tóxicas passa para o corpo do que com a filtragem. Essa diferença pode ser significativa em termos de saúde.

Mulher tendo ataque cardíaco

Continue lendo: Alimentos que nos protegem do Alzheimer

Estudos com opiniões opostas

Por outro lado, contra a corrente dos pesquisadores suecos, há uma meta-análise que defende o uso do café como protetor cardíaco, e não como fator de risco. Isso fez parte das recomendações cardiológicas da última década.

Uma meta-análise publicada no Journal of the American College of Cardiology não encontrou associação entre o consumo de café e os ataques cardíacos. Pelo contrário, os efeitos que vieram da revisão indicam um benefício.

Os participantes testados bebiam até 4 xícaras de café por dia e apresentaram um risco 18% menor de morrer mais cedo. Em conclusão, os consumidores regulares de café, assim como os moderados, tiveram uma maior sobrevida.

A explicação pode estar nos antioxidantes do café, que são ingeridos junto com a cafeína. Essas substâncias são importantes para o envelhecimento celular, pois bloqueiam as toxinas internas que os humanos produzem pelo simples fato de estarem vivos.

Saiba mais: Formas de alcançar um consumo de café saudável

O problema do cortisol: consumo de café e ataques cardíacos

Os malefícios do café

A cafeína é uma substância que aumenta a produção de cortisol no corpo. O cortisol é conhecido como o hormônio do estresse, já que os seres humanos o liberam para aumentar sua resposta de alerta e defesa.

Quando há um excesso de cortisol, a frequência cardíaca aumenta e a pressão arterial se eleva ligeiramente. Ambas as situações não são desejáveis em um paciente cardíaco, ou em alguém com um alto risco cardiovascular.

Consumidores regulares de café se acostumam com esses níveis ligeiramente aumentados de cortisol. A elevação da pressão arterial não é significativa e não parece aumentar o bombeamento cardíaco. De qualquer forma, aqueles que são cautelosos com a bebida e seu efeito sobre o coração a evitam por essa razão.

Não está claro se o consumo de café leva a ataques cardíacos por culpa do cortisol, mas novas pesquisas estão sendo feitas. Manter os níveis deste hormônio controlados é uma das esperanças de tratamento contra a pressão alta, por exemplo.

Devemos tomar café?

A resposta é que você pode tomar café se gosta dessa bebida. Como tudo na vida, a moderação será uma maneira de garantir que possíveis efeitos colaterais não apareçam.

É importante entender que o consumo de café, isoladamente, não pode levar a ataques cardíacos. Outros aspectos, como dieta e exercício, estão envolvidos na equação de risco cardiovascular. São hábitos saudáveis que, em última análise, nos protegem.

  • Ding, Ming, et al. “Long-term coffee consumption and risk of cardiovascular disease: a systematic review and a dose–response meta-analysis of prospective cohort studies.” Circulation 129.6 (2014): 643-659.
  • Tverdal, Aage, et al. “Coffee consumption and mortality from cardiovascular diseases and total mortality: Does the brewing method matter?.” European Journal of Preventive Cardiology (2020): 2047487320914443.
  • Medina, Jaime Bonilla. “Los beneficios del consumo de café.” Revista de la Facultad de Ciencias de la Salud de la Universidad del Cauca 19.2 (2017): 47-48.
  • Krittanawong, Chayakrit, et al. “ASSOCIATION BETWEEN COFFEE CONSUMPTION AND RISK OF HEART FAILURE: A SYSTEMATIC REVIEW AND META-ANALYSIS.” Journal of the American College of Cardiology 71.11 Supplement (2018): A865.