Conecte-se com seu filho por meio da brincadeira

23 de novembro de 2019
A brincadeira é um aprendizado, é comunicação e relações sociais para as crianças. Os pais podem desfrutar da brincadeira com os filhos, enquanto aproveitam e estreitam seus vínculos com eles.

A brincadeira é a linguagem das crianças, sua forma de conhecer o mundo e de se relacionar. Tudo acontece enquanto brincam. Portanto, para conectar-se com seu filho por meio da brincadeira, é necessário brincar com ele. Dizem que é fácil, mas estamos tão imersos em nossas vidas de adultos que, quando a criança pede para brincarmos juntos, geralmente não temos tempo.

Uma criança entre os 2 e 6 anos brincará a todo momento. É uma etapa na qual reina a fantasia que é expressa de muitas formas na brincadeira. No entanto, a partir dos 6 anos seguirá brincando, mas as prioridades mudarão.

Para se conectar com seu filho por meio da brincadeira, há que entender em qual momento evolutivo seu filho se encontra. Essa será a melhor forma para conectar-se efetivamente com seu filho, com sua criança interior e principalmente para que possam desfrutar juntos esse momento de diversão.

Como se conectar com a criança por meio da brincadeira?

Para começar, é bom estar disposto a colocar a brincadeira como a coisa mais importante naquele momento. Em suma, é necessário estar disposto a brincar com as crianças.

Isso significa deixar a posição de adulto e se conectar com a sua criança interior. Somente assim levará a brincadeira a sério, e estará disposto a aprender e a desfrutar.

Os conselhos básicos para conectar com seu filho são os que mostraremos a seguir. Pronto para brincar? Prepare-se para desfrutar!

Leia este artigo: Brincadeira conforme cada etapa do crescimento

1. Seu filho controla a brincadeira

Pais brincando com filho

A brincadeira pertence à criança. Se for se conectar com seu filho por meio da brincadeira, seu filho decide o que brincar e como será. Por isso, deixe que sua imaginação e criatividade controlem a brincadeira.

Se for brincar, é o momento de deixar de controlar tudo. Ou seja, a criança deve ter o controle da brincadeira. Os pais devem se adaptar a elas, não o inverso.

2. Tente virar uma criança

Sabemos que não é tão fácil. Vivemos submersos em nosso mundo de adultos, com preocupações, responsabilidades e horários. No entanto, se for brincar com seus filhos, deve se conectar com sua criança interior.

Então tente. Por alguns minutos, afaste-se do computador ou do celular, desconecte-se de tudo o que te rodeia e deixe sua imaginação voar; submerja-se em seu mundo de fantasia, com todas as suas princesas e super-heróis.

3. Respeite seu filho

Para se conectar com seu filho por meio da brincadeira, deve respeitar a idade e o momento evolutivo da criança. Dessa maneira, não espere que uma criança de 4 anos brinque como uma de 10, ou vice-versa.

Seu filho terá necessidades de aprendizado, habilidades próprias de sua idade, e que farão parte da brincadeira. Novamente, adapte-se a elas e desfrute do momento.

4. Aproveite para reforçar valores e aprendizados por meio da brincadeira

Como a brincadeira não só é diversão para as crianças, aproveite o momento para potencializar valores e aprendizados. Se seu filho se torna muito “opressor” na brincadeira, não o repreenda: ensine-o a brincar sem ter que dominar o outro.

Na brincadeira existem normas que devem ser cumpridas por quem está brincando. Não há razão para tolerar uma atitude desrespeitosa ou agressiva porque é uma brincadeira. Dessa forma, pode-se parar a brincadeira por um momento, esclarecer o assunto e retomar a atividade de uma maneira melhor.

5. Existe um tempo para a brincadeira

O tempo que será dedicado à brincadeira deve estar marcado na rotina diáriaAssim como há tempo para comer, para fazer os deveres escolares, para tomar banho ou para a soneca.

No entanto, estabelecer ou reservar o tempo para brincar não significa perder a espontaneidade, fazê-lo com pressa e retirar a diversão. Brincar tem que ser um ato voluntário e divertido, é a única forma na qual é possível se conectar com seu filho por meio da brincadeira.

6. Evite se apropriar da brincadeira

Conectar-se com sua criança interior para brincar com seu filho não significa competir e se comportar como uma criança. Nem precisa terminar com a criança brincando sozinha porque o progenitor tomou conta da brincadeira, nem tem a necessidade de os pais fazerem birra porque o filho não entende a brincadeira.

Como a brincadeira também é um aprendizado para a criança, se os pais assumem um comportamento inapropriado, a criança aprenderá a se comportar daquela maneira. Por isso, se quer que seu filho aprenda a compartilhar e a controlar suas emoções durante a brincadeira, tem que compartilhar e controlar suas emoções também.

Descubra: 15 brinquedos para estimular o aprendizado nos filhos

7. Negocie com seu filho

As crianças gostam de repetir até a exaustão uma mesma brincadeira. Isso, sem dúvida, pode ser cansativo para os adultos. Brincar é um momento de diversão, não de tortura. Por isso, negocie com seu filho e mudem a brincadeira. Também é possível se distrair fazendo alguns trabalhos manuais.

No entanto, lembre-se que negociar significa propor e chegar a acordos. Não aproveite a negociação para tentar controlar o momento e impor sua vontade. Lembre-se: o momento de brincar pertence ao seu filho.

8. Elogie e estreite o vínculo com seu filho por meio da brincadeira

Mãe com filha brincando

Novamente, tente aproveitar o potencial de aprendizado que a brincadeira possui. Dessa maneira, elogie e felicite seu filho caso tenha completado bem uma das fases do jogo.

Suas palavras de amor e de carinho alimentam sua autoestima e sua confiança em si mesmo. A criança aprende brincando, mas os pais também aprendem a serem melhores enquanto brincam com seus filhos.

Reflexão final

Conectar-se com a criança por meio da brincadeira é uma fórmula extraordinária para estimular suas relações sociais, incentivar seu interesse para com o mundo, potencializar a comunicação e aprender a seguir normas ou limites.

O tempo dedicado na brincadeira com as crianças é tempo ganho na relação que os une. Por isso, aproveite estes minutos para detectar as emoções que as afetam e ajude-as a reconhecê-las e administrá-las.

  • Nestor, O., & Moser, C. S. (2018). The importance of play. Journal of Occupational Therapy, Schools, and Early Intervention. https://doi.org/10.1080/19411243.2018.1472861
  • Moore, R. (2014). Nature Play & Learning Places. Creating and Managing Places ….
  • Ciolan, L. E. (2013). Play to Learn, Learn to Play. Creating Better Opportunities for Learning in Early Childhood. Procedia – Social and Behavioral Sciences. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2013.04.096
  • Larson, L. R., Green, G. T., & Cordell, H. K. (2011). Children’s Time Outdoors: Results and Implications of the National Kids Survey. Journal of Park and Recreation Administration. https://doi.org/10.1063/1.1815068