Colostomia, em que consiste?

26 Dezembro, 2019
A colostomia é um procedimento médico inevitável em alguns pacientes. Em alguns casos, é a única alternativa para continuar com vida. Neste artigo, mostramos em que consiste esta técnica cirúrgica.

A colostomia é uma das formas que a técnica de ostomia pode assumir. Para a medicina, o termo “ostomia” define uma comunicação entre um órgão interno oco e o exterior. As ostomias podem ser do sistema digestivo ou do trato urinário.

No caso específico da colostomia, é uma abertura no abdômen, que permite que parte do intestino grosso se comunique com o exterior. Esse ponto de contato é conhecido como “estoma”.

A colostomia divide os intestinos artificialmente em duas partes. A seção que está localizada antes do estoma é funcional e mantém as suas atividades relativamente normais. A parte que permanece após o estoma não funciona mais, uma vez que as fezes sairão pela abertura.

Da mesma forma, além da última porção do intestino grosso, o reto e o ânus não são mais funcionais para a matéria fecal. No entanto, é possível que a mucosa continue produzindo líquidos que são expelidos para fora.

Como a colostomia está localizada no intestino grosso, a absorção de nutrientes permanece intacta, porque esse processo pertence ao intestino delgado. Essa parte do intestino está localizada acima e portanto, não fica afetada pela técnica. O que é afetado, então, é a produção de matéria fecal e sua eliminação.

Tipos de colostomia

A técnica cirúrgica que cria a colostomia em um paciente pode ser enquadrada em qualquer um destes três tipos:

1. Temporária

Uma colostomia temporária, como o nome indica, responde a patologias ou intervenções que evoluirão melhor com uma parte do intestino grosso em repouso.

Por exemplo, quando a cirurgia intestinal é realizada, ela deve cicatrizar. Então, para impedir a passagem de matéria fecal, é criado um estoma momentâneo que será fechado mais tarde. Ao fechar, todo o sistema digestivo continuará funcionando normalmente.

2. Permanente

Nesse caso, a técnica é realizada com o objetivo de deixar a colostomia para sempre. Pode ser por um câncer de cólon, por exemplo, que diagnosticado em um estágio avançado não permite uma solução além da remoção de uma grande parte do intestino grosso. Quando se prevê que o trânsito intestinal será irreparável, então é feita uma colostomia permanente.

3. Transversal

Essas colostomias são nomeadas assim por sua localização. Temos que saber que o intestino grosso tem três partes, e uma delas é o cólon transverso, localizado na parte superior do abdômen.

Não é usual realizar a colostomia nessa parte do intestino, mas pode ser necessária devido a condições anatômicas. Nessa localização, também é possível planejar uma técnica temporária ou permanente.

Intestino grosso e colostomia

Continue lendo: Como detectar o câncer de cólon a tempo?

Bolsas de colostomia

A colostomia, então, produz a saída das fezes através do estoma para fora. As fezes não são mais expulsas da maneira tradicional com sua passagem pelo reto e pelo ânus.

Para receber as fezes, que sairão involuntariamente, existem bolsas de colostomia. Elas são fixadas firmemente ao estoma e servem como depósito para o que o intestino grosso funcional elimine o material regularmente.

Embora existam vários modelos de bolsas, todas coincidem em ter duas partes fundamentais: o sistema de adesão – que fixará o depósito na pele e no estoma – e o sistema de coleta – que pode ser uma bolsa simples com um mecanismo de esvaziamento.

Existem muitos fabricantes de bolsas de coleta e, portanto, também uma grande variedade de preços. Existem bolsas baratas, caras, com materiais mais ou menos resistentes, pequenas, médias, grandes, transparentes, coloridas, com tampa ou sem tampa.

Outro ponto que as diferenciam é o sistema que elas oferecem para o esvaziamento. Aqui, o conforto do paciente, a disponibilidade dos modelos e o poder de compra da pessoa que financia as bolsas contam para a decisão. Basicamente, o esvaziamento pode ser:

  • Substituição da bolsa: a bolsa é usada apenas uma vez e, quando está cheia, é removida e outra é colocada.
  • Fundo aberto: a bolsa possui uma trava inferior que permite remover o conteúdo e continuar utilizando-a.
  • Lavagem: algumas bolsas possuem um sistema de aderência especial que permite sua remoção. Elas são feitas de material lavável e, uma vez limpas, é possível aderi-las novamente sem problemas.
Cirurgia de intestino

Saiba mais: Tratamento do câncer de cólon

Possíveis complicações

O fato de alterar a função excretora normal do intestino e ter uma bolsa de fezes presa ao corpo logicamente leva a certas complicações. Algumas são mais difíceis de resolver do que outras. As mais comuns são:

  • Dermatite: ao redor do estoma, a pele geralmente fica avermelhada devido à colostomia e ao fluxo das fezes. Em geral, com cuidados higiênicos adequados e o uso de certos cremes formulados para essa finalidade, o efeito adverso é controlado.
  • Diminuição do estoma: após a cirurgia, o estoma diminui o seu diâmetro. É normal, mas se ficar pequeno demais deve ser trocado novamente com uma nova intervenção. Isso ocorre porque pode obstruir a saída das fezes.
  • Movimento do estoma: no local da colostomia, o intestino mudou de disposição e, portanto, pode exercer mais pressão para fora, causando uma hérnia de estoma. Ou pode acontecer o contrário, e o estoma se retrai para dentro. Ambas as situações requerem consulta médica para tomar medidas que mantenham o funcionamento da colostomia.
  • De Frutos Muñoz, Rocío, et al. “Calidad de vida de los pacientes con colostomía e ileostomía a corto y medio plazo.” Metas de enfermería 14.2 (2011): 24-31. En línea: https://medes.com/publication/65145.
  • Ponce Gómez, Ghandy, Beatriz Carmona Mejía, and Sara Huerta González. “Tener una colostomía: transformación de la corporalidad.” (2017). http://dx.doi.org/10.14198/cuid.2017.48.03.
  • Pedro Pita Miño; Paula Seco Ramos; Manuela Cupeiro García; María del Carmen Castañeda Cuevas; Alexandra López Leira; María del Carmen Aramburu García.  Caso clínico de dermatitis periestomal y dehiscencia en una colostomía. Enfermería Dermatológica, ISSN-e 2386-4818, ISSN 1888-3109, año 9, Nº. 24 (enero-abril), 2015, págs. 54-58. Complejo hospitalario Universitario de Ferrol. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5185639.
  • Jimeno Gozalo, Natalia (2017). Condicionantes de la respuesta de adaptación de las personas portadoras de una colostomía. UAM. Departamento de Cirugía. http://hdl.handle.net/10486/680425.
  • Batista, M. do R. de FF, Rocha, FCV, Silva, DMG da, y Silva Júnior, FJG da. (2011) Autoimagen de clientes con colostomía en relación con la bolsa coletora. Revista Brasileira de Enfermagem, 64 (6), 1043-1047. https://doi.org/10.1590/s0034-71672011000600009.
  • ¿Qué es una colostomía? 2020 American Cancer Society. En línea: https://www.cancer.org/es/tratamiento/tratamientos-y-efectos-secundarios/tipos-de-tratamiento/cirugia/ostomias/colostomia/que-es-una-colostomia.html.
  • Tipos de colostomías y sistemas de bolsa recolectora. 2020 American Cancer Society. En línea: https://www.cancer.org/es/tratamiento/tratamientos-y-efectos-secundarios/tipos-de-tratamiento/cirugia/ostomias/colostomia/tipos-de-colostomias.html.