Clindamicina: usos e indicações

A clindamicina é um antibiótico de amplo espectro do grupo da lacosamida. Tem uma atividade principalmente bacteriostática. Atua contra bactérias aeróbicas gram-positivas e muitas bactérias anaeróbicas.
Clindamicina: usos e indicações

Última atualização: 27 Janeiro, 2021

A clindamicina é um antibiótico semissintético que pertence ao grupo da lacosamida. É uma droga com atividade bacteriostática.

É usada para tratar certos tipos de infecções bacterianas, incluindo infecções dos pulmões, pele, sangue, órgãos reprodutivos das mulheres, bem como órgãos internos.

Como funciona a clindamicina?

Cultivo de bactérias

Este antibiótico de amplo espectro do grupo da lacosamida tem uma atividade principalmente bacteriostática. Atua contra bactérias aeróbicas gram-positivas e muitas bactérias anaeróbicas.

A clindamicina exerce sua ação ligando-se à subunidade 50S do ribossomo da bactéria. Dessa forma, inibe os estágios iniciais da síntese proteica da célula bacteriana.

Embora sua ação seja fundamentalmente bacteriostática, em altas concentrações ela pode ter um efeito bactericida. Isso vai depender da sensibilidade da cepa e do meio.

Administrada oralmente, quase 90% da dose é absorvida. Embora não se saiba o quanto, a absorção é atrasada se for tomada junto com alimentos.

Indicações da clindamicina

Esta droga é indicada no tratamento de infecções causadas por microrganismos sensíveis. Estes incluem:

  • Pneumonia adquirida causada por Staphylococcus aureus.
  • Abscesso pulmonar.
  • Faringoamigdalite aguda causada por estreptococos gupo A (S. pyogenes).
  • Infecções dentárias.
  • Infecções de pele e tecidos moles.
  • Osteomielite.
  • Vaginose bacteriana.
  • Doença inflamatória pélvica.
  • Pneumonia causada por Pneumocystis jiroveci.
  • Toxoplasmose cerebral em pacientes com infecção pelo HIV.
  • Sinusite aguda em crianças acima de 1 mês de idade e menores de 18 anos.

Uma vez que algumas dessas infecções também são frequentemente causadas por bacilos gram-negativos, a clindamicina é usada com antibióticos adicionais. Topicamente, é usada para tratar acne.

No entanto, pode ser usada para tratar infecções por cepas sensíveis à clindamicina ou eritromicina. Também pode ocorrer que algumas cepas sejam sensíveis a um dos antibióticos e resistentes ao outro.

Efeitos colaterais

Clindamicina

O principal efeito adverso da clindamicina é a diarreia associada ao Clostridium difficile. Ela está associada a esse tipo de diarreia em até 10% dos pacientes que recebem tratamento, independentemente da via de administração, incluindo a rota tópica.

Reações de hipersensibilidade também podem ocorrer. Quando administrada oralmente, se não for tomada com água, pode causar esofagite.

Outras reações adversas secundárias também podem ocorrer em pacientes que recebem clindamicina, incluindo:

  • Hematológica: casos de leucopenia, leucocitose, anemia e trombocitopenia grave foram relatados.
  • Sistema cardiovascular: em alguns pacientes, a clindamicina pode causar arritmias graves, como fibrilação ventricular, alongamento do intervalo QT e arritmia ventricular polimórfica.
  • Sistema nervoso central: podem ocorrer eventos isolados de bloqueio neuromuscular.
  • Gastrointestinal: o tratamento com clindamicina pode causar diarreia, náusea, vômito e dor abdominal. Além disso, pode induzir colite pseudomembranosa por superinfecção devido a Clostridium difficile. Este efeito é reversível se o tratamento for interrompido. Além disso, medidas de apoio devem ser utilizadas em conjunto com a administração de vancomicina ou metronidazol.
  • Fígado: este antibiótico pode elevar os números de aminotransferase aspartate e aminotransferase de alanina, bem como concentrações de bilirrubina devido a danos hepáticos diretos.
  • Aparelho renal e geniturinário: associado à clindamicina com quadros de monilíase vaginal e vulvovaginite.
  • Pele: há casos em que o aparecimento de erupções cutâneas pode ser observado, que pode ser de intensidade leve a moderada.

Quando o tratamento é tópico, coceira facial, dermatite de contato, edema facial e erupção maculopapular podem se desenvolver.

Outros efeitos colaterais que podem ocorrer em pessoas tratadas com clindamicina incluem síndrome de Stevens-Johnson, reações de hipersensibilidade em pacientes HIV positivos e linfadenite. No entanto, essas reações são raras.

Contraindicações

A clindamicina é contraindicada em pacientes com histórico de reações alérgicas a esta droga e lincomicina. Quanto à lactação, você deve saber que esta droga é excretada no leite humano. Por essa razão, e devido aos possíveis efeitos graves sobre o bebê, seu uso é contraindicado durante a amamentação.

Também não deve ser usada na gravidez a menos que seja estritamente necessário, pois não há estudos ou dados suficientes sobre o tema.

A clindamicina é segura?

Inúmeros ensaios clínicos e a experiência farmacológica apoiam o uso da clindamicina como uma droga eficaz no tratamento de infecções bucofaciais, entre outras.

Pode interessar a você...
Medicamentos permitidos para tomar na gravidez
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Medicamentos permitidos para tomar na gravidez

Certas condições podem colocar em risco a saúde da mãe e do bebê. Felizmente, existem medicamentos que podem ser tomados durante a gravidez.



  • Montoya Claramunt, I., Mira O., M., Álvarez A., I., Cofré G., J., Cohen V., J., Donoso W., G., & Torres T., J. P. (2009). Resistencia inducible a clindamicina en Staphylococcus aureus meticilino resistente. Revista Chilena de Pediatria. https://doi.org/10.4067/s0370-41062009000100006

  • Rodriguez, E. (2009). Tratamiento antibiótico de la infección odontogénica. Inf Ter Sist Nac Salud.

  • Pérez, N., Pavas, N., & Isabel Rodríguez, E. (2010). Resistencia de Staphylococcus aureus a los antibióticos en un hospital de la orinoquia colombiana. Infectio. https://doi.org/10.1016/s0123-9392(10)70108-9