Uso de Mesigyna durante a amamentação: riscos

13 de novembro de 2019
A amamentação pode ser afetada por contraceptivos hormonais, pois eles podem diminuir a quantidade de leite e alterar sua composição. Vamos ver o que acontece no caso do anticoncepcional conhecido como Mesigyna.

Mesigyna é o nome comercial de um contraceptivo hormonal combinado. É um contraceptivo parenteral mensal composto por noretisterona e etiniliestradiol.

É um contraceptivo injetável combinado, mas é importante lembrar que não protege contra a infecção pelo HIV ou outras doenças sexualmente transmissíveis.

Como a Mesigyna funciona?

A Mesigyna atua inibindo os hormônios responsáveis ​​pela ovulação e espessando o muco cervical, de modo a bloquear o esperma. Seu efeito no endométrio é semelhante ao dos contraceptivos orais. Por isso, ocorre um padrão de sangramento semelhante ao menstrual.

Este medicamento evita a gravidez. Ele se mostra um método eficaz para o controle da natalidade quando usado corretamente, ou seja: sem adiar ou esquecer uma injeção. Assim, a possibilidade de engravidar é muito baixa.

Diretriz de administração

Mesigyna injetável

A Mesigyna deve ser administrada no primeiro dia do ciclo da mulher, ou seja, no primeiro dia do sangramento menstrual. Também pode ser iniciada nos dias 2 a 5 do ciclo, mas, nesse caso, é recomendável usar adicionalmente um método de barreira durante os primeiros 7 dias após a injeção.

A segunda e as injeções subsequentes são administradas em intervalos de 30 ± 3 dias, ou seja, pelo menos 27 e, no máximo, 33 dias. O sangramento vaginal ocorre uma ou duas semanas após a primeira injeção de Mesigyna.

Se o tratamento for continuado, os sangramentos aparecerão em intervalos de 30 dias. O dia da injeção mensal normalmente cairá dentro do intervalo livre de sangramento. Se não houver sangramento dentro de 30 dias após a injeção, uma possível gravidez deve ser descartada.

Não deixe de ler: Controle a menstruação abundante com 5 remédios

Pode ser usada na gravidez?

Este medicamento não é indicado durante a gravidez. Por isso, se você engravidar durante o tratamento com Mesigyna, interrompa o tratamento.

Foram realizados estudos epidemiológicos em larga escala que não revelaram um alto risco de defeitos congênitos em filhos de mães que usavam contraceptivos hormonais. Também não foram observados efeitos teratogênicos quando contraceptivos hormonais foram utilizados durante a fase inicial da gravidez.

A Mesigyna é indicada durante a amamentação?

A amamentação pode ser afetada por contraceptivos hormonais, pois podem diminuir a quantidade de leite e alterar sua composição. No entanto, as informações disponíveis sobre os efeitos na quantidade e qualidade do leite materno, ou na duração do aleitamento materno, são insuficientes.

Sabemos que pequenas quantidades de esteroides contraceptivos ou seus metabólitos podem ser eliminadas pelo leite. Assim como outros esteroides, existe uma possibilidade teórica, especialmente durante a primeira semana de vida da criança, de que os processos relacionados à bilirrubina sejam modificados.

Embora não exista evidência da influência de Mesigyna na produção de leite materno, em geral, seu uso não é recomendado até 6 meses após o parto ou até que a amamentação tenha sido completamente suspensa.

Contraceptivos durante a gravidez

Além disso, é importante mencionar que a Mesigyna é composta de dois princípios ativos. Portanto, pode apresentar um nível de risco diferente para amamentar:

  • Etinilestradiol: apresenta baixo risco para a amamentação. É excretado no leite materno em uma quantidade clinicamente não significativa. No entanto, os estrogênios podem diminuir o teor de proteínas do leite materno. Inclusive, em algumas ocasiões, podem diminuir a produção de leite.
  • Noretisterona: apresenta um risco muito baixo. É um progestogênio que é excretado no leite materno em uma quantidade clinicamente não significativa. Os progestágenos, em geral, são considerados os contraceptivos de escolha durante a amamentação. Isso ocorre porque eles não alteram a quantidade ou a composição do leite.

Também pode te interessar conhecer os: 8 benefícios da amamentação para a mãe e o bebê

Efeitos adversos da Mesigyna

Os efeitos adversos desse contraceptivo são uma das principais razões para o abandono do uso desse método contraceptivo. Entre as reações adversas que podem ocorrer estão dores de cabeça, desconforto gástrico e náusea. No entanto, também podem aparecer:

Conclusão

A Mesigyna é um contraceptivo fácil de usar. No entanto, uma indicação adequada é essencial para evitar, entre outras coisas, o abandono do tratamento devido a seus possíveis efeitos adversos.

  • Carbajal-Ugarte, Jose Antonio; Cárdenas-Blanco, Adrián; Pastrana-Huanaco, E. L.-B. D. (2008). Eficacia y efectos adversos de anticonceptivos hormonales. Estudio comparativo. Rev Med Inst Mex Seguro Soc.

  • García Cervera, J., & Pérez Campos, E. F. (2001). Anticonceptivos inyectables, implantes subdérmicos y anillos vaginales. Cuadernos de Medicina Reproductiva.

  • Saulny De Jorgez, J. (1976). ANTICONCEPTIVOS INYECTABLES. Revista de Obstetricia y Ginecologia de Venezuela.