Chia durante a gravidez: benefícios e recomendações

As sementes de chia estão na moda. Elas são muito nutritivas e podem até ajudar a prevenir algumas doenças. Saiba mais sobre o seu consumo durante a gravidez a seguir.
Chia durante a gravidez: benefícios e recomendações

Última atualização: 29 Março, 2021

A gestação é um momento delicado, e as mulheres grávidas devem manter uma dieta o mais nutritiva possível. As sementes de chia são positivas se ingeridas com moderação durante a gravidez, embora também possam ter alguns efeitos negativos.

Elas podem ser consumidas moídas ou inteiras e adicionadas a qualquer tipo de receita. Apesar disso, é necessário ter cuidado nas primeiras vezes, pois, como muitos alimentos, podem causar reações alérgicas e problemas digestivos. A seguir, falaremos mais sobre o seu uso, benefícios e outras recomendações.

O que são as sementes de chia?

Este valioso alimento na forma de um pequeno grão preto é nativo do México e da Guatemala. Lá, faz parte das tradições alimentares e medicinais há mais de 5000 anos. Atualmente, é um produto em expansão em muitos cantos do mundo. 

É uma oleaginosa, portanto sua composição se destaca sobretudo pela presença de ácidos graxos poli-insaturados (principalmente o ômega 3 e o ômega 6). Também fornece proteínas, fibras alimentares, vitaminas, minerais (cálcio, fósforo e manganês) e antioxidantes.

Os benefícios das sementes de chia durante a gravidez

No período de gestação, é importante prestar atenção à dieta alimentar. Alguns nutrientes são necessários em maiores quantidades para garantir o desenvolvimento do feto e evitar problemas de saúde da mãe. Além disso, alguns incômodos menores, como a constipação, podem ser resolvidos ou aliviados com algumas orientações alimentares simples.

Vamos ver em detalhes o que as sementes de chia podem fazer em alguns casos. 

Melhorar a constipação

Como indica a American Nutrition Society  as sementes de chia fornecem uma boa quantidade de fibra solúvel. Esta é positiva quando há dificuldade de evacuar, pois aumenta o volume das fezes e facilita o processo de expulsão das mesmas.

Prevenir o aparecimento de anemia

A deficiência de ferro é um distúrbio comum em algumas mulheres grávidas. É mais provável que aconteça se o nível desse mineral no organismo estiver baixo antes da concepção. Além disso, quando já existe uma anemia estabelecida, ela é agravada pelas alterações circulatórias da gravidez.

Por isso, é importante manter uma ingestão adequada de ferro neste período de aumento das necessidades. As sementes de chia ajudam a suprir esse aumento, embora não sejam uma das fontes preferenciais, como a carne e as leguminosas. Cabe destacar que elas têm uma absorção semelhante à do sulfato ferroso.

Sementes de chia
As sementes de chia são um alimento interessante para incluir na dieta, mesmo durante a gravidez.

Fortalecer os ossos

Além do ferro, outro mineral importante durante a gravidez é o cálcio. Por um lado, ajuda a prevenir efeitos adversos para a mãe, como o risco de osteoporose e pré-eclâmpsia. Por outro, garante um bom desenvolvimento e crescimento fetal. 

Como aponta o Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas, as  mulheres com mais de 19 anos precisam de 1.000 miligramas desse mineral diariamente. Duas colheres de sobremesa de sementes de chia cobrem 20% desse valor, fornecendo quase 200 miligramas. Isso aumenta a variedade de alimentos ricos em cálcio para ingerir.

Controlar os níveis de açúcar

Valores elevados de glicose no sangue têm efeitos negativos para a saúde. Um deles é o risco de desenvolver diabetes tipo 2. No caso específico da gestante, isso representa uma desvantagem para o bebê e para a mãe, pois sua presença durante a gravidez está associada a um maior risco de defeitos no feto e sobrepeso.

A ingestão de chia pode ajudar a regular a glicose no sangue. Conforme explicado em estudos científicos realizados com adultos saudáveis, o consumo de 25 gramas por dia é positivo na redução dos picos de glicose após as refeições. A chia também é eficaz se estiver presente em alguns alimentos, como o pão.

Fonte de ácidos graxos ômega 3

Este tipo de ácido graxo poli-insaturado é fundamental para o bom desenvolvimento da gravidez e do feto. A principal fonte de abastecimento do corpo são os pequenos peixes oleosos. Além disso, alguns alimentos vegetais fornecem um precursor: o ácido alfa-linolênico (ALA).

Embora seja importante saber que as sementes de chia na gravidez não são válidas como a única fonte de ômega 3, nem por isso elas são desprezíveis. Isso ocorre porque o corpo tem dificuldade em converter ALA em formas úteis. De acordo com pesquisas, essas variantes ativas são as responsáveis ​​pelos benefícios dos ácidos graxos poli-insaturados durante a gravidez.

Efeito saciante

Uma parte das gestantes ganha mais peso do que deveria durante a gestação. Conforme observado em uma pesquisa da Cochrane, a obesidade na gravidez pode ser um problema tanto para a mãe quanto para o bebê. Há um risco aumentado de hipertensão, diabetes, cesarianas e peso fetal elevado.

Por esse motivo, em alguns casos é necessário controlar o ganho de peso da gestante com dieta e exercícios físicos. Se houver esse problema ou se a mãe tiver uma sensação contínua de fome e vontade de comer, as sementes de chia podem ajudar, pois têm um efeito saciante comprovado.

Está provado que o consumo de 7 a 14 gramas por dia pode aumentar a sensação de saciedade e reduzir a ingestão total de calorias na refeição seguinte. Além disso, a glicose no sangue depois de comer cresce mais lentamente. Isso se deve à presença de fibras e proteínas. 

Como as sementes de chia podem ser consumidas durante a gravidez?

Um passeio pelo supermercado nos informa da onipresença das sementes de chia. Hoje, elas são encontradas em uma grande quantidade de alimentos e preparações: barras de cereais, biscoitos, pães, massas. Porém, a principal recomendação é comê-las em sua forma natural. 

Para isso, a melhor opção é comprá-las trituradas ou moê-las em casa com um dispositivo adequado. É assim que o corpo aproveita todos os nutrientes que as sementes contêm. E é assim que as grávidas podem ser favorecidas com todos os seus benefícios.

Depois de moídas, podem ser adicionadas a várias receitas, espalhando uma ou duas colheres de sobremesa sobre os preparos. Algumas ideias para incorporá-las são as seguintes:

  • Polvilhe-as sobre as saladas ou pratos de legumes. 

Se forem usadas ​​apenas para melhorar os problemas de trânsito intestinal, deixe as sementes de chia de molho por no mínimo 10 minutos para que amoleçam. Isso formará uma mucilagem que favorecerá a absorção de líquido.

Consumir chia tem efeitos colaterais durante a gravidez?

Mulher grávida comendo sementes
Os benefícios da chia para a gestante estão relacionados à regulação da glicemia, ao teor de ácidos graxos e à melhora do trânsito intestinal.

A Agência Europeia de Segurança Alimentar avaliou o consumo de sementes de chia. Após a sua introdução no mercado europeu em 2010, nenhum Estado-Membro observou perigos que pudessem colocar os consumidores em risco. Portanto, como regra geral, o consumo de chia é seguro para a maioria das pessoas.

Claro, sempre há a possibilidade de uma reação alérgica. Por isso, deve-se ter cuidado nas primeiras vezes em que estas sementes forem consumidas. Em algumas ocasiões, isso ocorre por uma reação cruzada à alergia ao gergelim e ao amendoim. Além disso, o seu consumo excessivo acarreta alguns destes sintomas:

  • O excesso de fibras pode causar dores de estômago, flatulências e até diarreia.
  • As sementes se expandem em contato com o líquido. Em algumas ocasiões, isso se transforma em um grande problema. Por este motivo, é importante seguir as recomendações de consumo: deixe-as de molho por cerca de 15 minutos antes, ou espalhe-as sobre a comida. 

Os pontos principais das sementes de chia durante a gravidez

Deve-se ter em mente que a chia pode interagir com alguns medicamentos e reduzir a sua absorção. Recomenda-se discutir com o médico a sua ingestão ou introdução caso a mulher faça algum tratamento específico devido à gravidez.

Os efeitos positivos que esse pequeno alimento pode ter são comprovados, conforme discutimos neste artigo. Por isso, é interessante consumi-lo nesse período, seja para se sentir com mais energia, melhorar alguns sintomas incômodos ou colaborar com a obtenção dos nutrientes necessários.

Porém, se você nunca a consumiu, lembre-se de acrescentar a chia na dieta aos poucos como uma medida de precaução. Não exceda a quantidade máxima de duas colheres de sopa de sobremesa por dia.

Pode interessar a você...

4 alimentos proibidos durante a gravidez
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
4 alimentos proibidos durante a gravidez

Durante a gravidez, existem certos alimentos proibidos que a gestante não deve consumir para proteger a saúde do bebê. Veja quais são.



  • Agencia Europea de Seguridad Alimentaria. Safety of chia seeds (Salvia hispanica L.) as a novel food for extended uses pursuant to Regulation (EU) 2015/2283. EFSA Journal. Abril 2019. 17(4).
  • Ayaz A, et al.Chia seed (Salvia Hispanica L.) added yogurt reduces short-term food intake and increases satiety: randomised controlled trial. Nutrition Research and Practice. Septiembre 2017.11(5):412-418.
  • Martínez Sánchez, Lina María, et al. “La anemia fisiológica frente a la patológica en el embarazo.” Revista Cubana de Obstetricia y Ginecología 44.2 (2018): 1-12.
  • Grancieri M, et al. Chia Seed (Salvia hispanica L.) as a Source of Proteins and Bioactive Peptides with Health Benefits: A Review. Comprehensive Reviews in Food Science and Food Safety. Marzo 2019. 18(2):480-499.
  • Middleton  P, et al. Omega‐3 fatty acid addition during pregnancy. Cochrane Database of Systematic Reviews 2018. Noviembre 2018. Issue 11. Art. No.: CD003402.
  • Muktabhant  B, et al. Diet or exercise, or both, for preventing excessive weight gain in pregnancy. Cochrane Database of Systematic Reviews 2015, Issue 6. Art. No.: CD007145.
  • Ullah R,  et al. Nutritional and therapeutic perspectives of Chia (Salvia hispanica L.): a review. Journal of Food Science and Technology. Octubre 2016.53(4):1750-1758.
  • Vuksan V, et al. Reduction in postprandial glucose excursion and prolongation of satiety: possible explanation of the long-term effects of whole grain Salba (Salvia Hispanica L.). European Journal of Clinical Nutrition. Abril 2010.64(4):436-8