6 chás de ervas para diminuir o nível de ácido úrico no organismo

5 de março de 2020
Os altos níveis de ácido úrico podem causar alguns descontroles na saúde. Felizmente, existem chás de ervas com propriedades que favorecem a sua eliminação. Descubra como prepará-los a seguir.

Você precisa diminuir o nível de ácido úrico no seu organismo? Esse resíduo é produzido quando o organismo metaboliza as purinas provenientes de alguns alimentos. Normalmente, os rins são responsáveis ​​por filtrá-lo para, subsequentemente, eliminá-lo através da urina.

No entanto, às vezes há dificuldades para realizar esse processo, já que o corpo o produz em grandes quantidades ou reduz a sua capacidade de expulsá-lo. Portanto, como consequência, surge um distúrbio conhecido como hiperuricemia, que pode desencadear outros problemas no organismo, como a gota.

O tratamento médico geralmente inclui medicamentos para reduzir a produção de ácido úrico e remédios anti-inflamatórios. No entanto, casos mais leves podem ser controlados através de dieta e da ingestão de alguns suplementos. A seguir, compartilhamos seis chás de ervas que favorecem o controle desta condição.

Chás de ervas para diminuir o nível de ácido úrico no organismo

Em primeiro lugar, é muito importante ajudar o organismo a reduzir o seu nível de ácido úrico. Embora inicialmente seu acúmulo passe despercebido, ele pode causar inflamação e dor nas articulações ao longo do tempo. Assim, se o exame de sangue mostrou altos níveis desse resíduo, é essencial seguir um tratamento para regulá-lo.

Os remédios naturais, entre os quais se destacam os chás de ervas, estimulam o funcionamento renal para facilitar a expulsão desse resíduo pela urina. No entanto, é importante consultar o seu médico antes de consumi-los, uma vez que, em certos casos, eles não são adequados.

Descubra também:  Como fazer uma dieta anti-inflamatória para tratar o ácido úrico

1. Chá de gengibre

O gengibre fornece nutrientes anti-inflamatórios
O gengibre fornece nutrientes anti-inflamatórios que podem reduzir os incômodos provocados por esta condição.

Há pesquisas científicas que sugerem que o consumo de chá de gengibre diminui a dor associada ao acúmulo de ácido úrico nas articulações. Embora sejam necessárias mais evidências para comprovar esses efeitos, este remédio é uma boa opção para complementar o tratamento de doenças como a gota.

Ingredientes

  • 1 colher de chá de raiz de gengibre ralada (7 g)
  • 1 xícara de água (250 ml)
  • Mel (opcional)

Preparação

  • Primeiro, despeje o gengibre ralado em um copo de água.
  • Ferva a bebida e deixe descansar por alguns minutos.
  • Finalmente, coe e adoce com um pouco de mel.

Modo de consumo

  • Beba uma xícara de chá no meio da manhã e repita o seu consumo 2 ou 3 vezes ao dia.
  • Tome-o por 15 dias seguidos, descanse por uma semana e retome.

2. Chá de aipo

O chá de aipo é um remédio útil para diminuir o nível de ácido úrico no sangue. Por muitos anos este foi um dos melhores complementos contra a gota, retenção de líquidos e problemas urinários.

Ingredientes

  • 1 colher de sopa de folhas de aipo (15 g)
  • 1 xícara de água (250 ml)

Preparação

  • Ferva as folhas de aipo em um copo de água.
  • Em seguida, deixe a bebida repousar e coe.

Modo de consumo

  • Tome uma xícara de chá de aipo em jejum e repita a ingestão 2 vezes ao dia.
  • Consuma-o pelo menos 3 vezes por semana.

3. Chá de urtiga para diminuir o nível de ácido úrico

A urtiga favorece a eliminação renal do ácido úrico
A urtiga favorece a eliminação renal do ácido úrico ao promover a atividade depurativa do corpo.

A urtiga (Urtica dioica) é um remédio de ervas tradicionalmente usado para problemas como a gota e a dor nas articulações. Possui propriedades diuréticas que ajudam a promover a função renal, com o objetivo de aumentar o fluxo de urina e diminuir o nível de ácido úrico.

Ingredientes

  • 1 colher de sopa de folhas de urtiga (15 g)
  • 1 xícara de água (250 ml)

Preparação

  • Para começar, despeje as folhas de urtiga em um copo de água.
  • Em seguida, leve o chá para ferver e deixe repousar.
  • Quando estiver quente, coe.

Modo de consumo

  • Tome uma xícara de chá de urtiga no meio da manhã.
  • Repita o seu consumo por 15 dias seguidos.

Não deixe de ler:  Como eliminar naturalmente cristais de ácido úrico nas articulações

4. Chá de hibisco

Um dos chás de ervas mais tradicionais para diminuir o nível de ácido úrico no organismo é o chá de hibisco. Esta flor de jardim diminui o acúmulo de ácido úrico no sangue, impedindo que ele se deposite nas articulações.

Ingredientes

  • 1 colher de chá de hibisco seco (7 g)
  • 1 xícara de água (250 ml)

Preparação

  • Despeje o hibisco seco em um copo de água.
  • Posteriormente, deixe a bebida ferver por 3 ou 5 minutos.
  • Mais tarde, quando estiver adequado para o consumo, coe com uma peneira.

Modo de consumo

  • Beba uma xícara de chá em jejum por 20 dias.

5. Chá dente de leão para diminuir o nível de ácido úrico

O dente de leão é um poderoso diurético
O dente de leão é um poderoso diurético que favorece a eliminação do ácido úrico.

Esta bebida de dente de leão traz benefícios significativos para a saúde dos rins. Devido às suas propriedades diuréticas, aumenta a produção de urina e facilita a expulsão de resíduos do corpo. Embora não seja comprovado como remédio para a gota, o seu consumo ajuda a controlar a hiperuricemia.

Ingredientes

  • 1 colher de sopa de dente de leão (15 g)
  • 1 xícara de água (250 ml)

Preparação

  • Em primeiro lugar, ferva o dente de leão em um copo de água.

Modo de consumo

  • Logo após coar a bebida, tome-a com o estômago vazio.
  • Você pode repetir o consumo 2 ou 3 vezes ao dia.
  • Siga o tratamento por 15 dias.

6. Chá de bétula para diminuir o nível de ácido úrico

A bétula tem um efeito depurativo no sangue que ajuda a diminuir o nível de ácido úrico. Também favorece a expulsão de toxinas e reduz a carga sobre o sistema renal.

Ingredientes

  • 1 colher de sopa de bétula (15 g)
  • 1 xícara de água (250 ml)

Preparação

  • Em primeiro lugar, coloque a bétula em um copo de água.
  • Logo depois, ferva a bebida por 2 ou 3 minutos.
  • Deixe a preparação repousar e coe com uma peneira.

Modo de consumo

  • Beba um copo da infusão 3 vezes ao dia, durante 10 dias.

Para terminar…

Em conclusão, é importante lembrar que a eficácia dos remédios aqui mencionados pode variar em cada pessoa, dependendo do seu estado particular. Além disso, as evidências sobre a sua eficácia são limitadas. Em sua maioria, estes são dados anedóticos, que ainda precisam ser comprovados por estudos adicionais.

Por outro lado, apesar do exposto, o uso de chás de ervas pode ser considerado um complemento ao tratamento médico. Obviamente, para o seu uso seguro, é essencial verificar previamente seus efeitos colaterais e contraindicações com o profissional de saúde que acompanha o seu caso.

  • Al-azzawie, H. F., & Abd, S. A. (2015). Effects of Crude Flavonoids from Ginger ( Zingiber officinale), on Serum Uric Acid Levels, Biomarkers of Oxidative Stress and Xanthine Oxidase Activity in Oxonate-Induced Hyperuricemic Rats. INTERNATIONAL JOURNAL OF ADVANCED RESEARCH.
  • Talmage. (2012). Review on the Pharmacognostical & Pharmacological Characterization of Apium Graveolens Linn. Indo Global Journal of Pharmaceutical Sciences.
  • Salih, N. A. (2015). Effect of nettle (Urtica dioica) extract on gentamicin induced nephrotoxicity in male rabbits. Asian Pacific Journal of Tropical Biomedicine. https://doi.org/10.1016/j.apjtb.2015.07.005
  • Kuo, C. Y., Kao, E. S., Chan, K. C., Lee, H. J., Huang, T. F., & Wang, C. J. (2012). Hibiscus sabdariffa L. extracts reduce serum uric acid levels in oxonate-induced rats. Journal of Functional Foods. https://doi.org/10.1016/j.jff.2012.01.007
  • Jeon, H. J., Kang, H. J., Jung, H. J., Kang, Y. S., Lim, C. J., Kim, Y. M., & Park, E. H. (2008). Anti-inflammatory activity of Taraxacum officinale. Journal of Ethnopharmacology. https://doi.org/10.1016/j.jep.2007.09.006
  • Ling, X., & Bochu, W. (2014). A review of phytotherapy of gout: Perspective of new pharmacological treatments. Pharmazie. https://doi.org/10.1691/ph.2014.3642