O que são as cefaleias em trovoada e por que ocorrem?

As cefaleias em trovoada podem ser acompanhadas por náuseas, vômitos, febre e comprometimento da consciência. Explicamos porque são produzidos e como são tratados.
O que são as cefaleias em trovoada e por que ocorrem?

Última atualização: 05 Agosto, 2021

As cefaleias em trovoada são um tipo de dor muito forte. O seu nome surgiu porque elas aparecem de repente e de forma intensa.

Sua intensidade máxima ocorre em aproximadamente 60 segundos. Ao contrário do que acontece com outros tipos de dores de cabeça, são um sinal de alerta de um problema neurológico. Por isso, são consideradas uma emergência.

A verdade é que sua incidência é baixa, mas quando aparecem, costumam indicar gravidade. Portanto, neste artigo explicamos o que são as cefaleias em trovoada, por que ocorrem e como são tratadas.

O que são as cefaleias em trovoada?

As cefaleias em trovoada são aquelas de grande intensidade e início súbito. Na verdade, elas atingem sua intensidade máxima no primeiro minuto.

Segundo um artigo da IntraMed, estima-se que afetem cerca de 43 em cada 100 mil habitantes em países desenvolvidos. Portanto, sua incidência é relativamente baixa, mas elas são sérias.

Sua principal causa é a hemorragia subaracnóidea. No entanto, eles podem aparecer por muitos outros motivos. A grande maioria das situações que as causam são fatais se uma abordagem imediata não for iniciada.

De acordo com especialistas da Clínica Mayo, outros sintomas podem acompanhá-las, como náuseas, vômitos ou febre. Em alguns casos, o estado mental é alterado e ocorrem convulsões.

O que pode causar as cefaleias em trovoada?

As cefaleias em trovoada costumam ser secundárias a danos estruturais no cérebro. A principal causa é a hemorragia subaracnóidea. Este é o sangramento que ocorre entre o cérebro e as meninges, no chamado espaço subaracnóide. É uma situação de risco de vida muito grave.

Outra causa são os acidentes vasculares cerebrais de qualquer tipo, sejam eles isquêmicos (devido à interrupção do fluxo sanguíneo) ou hemorrágicos. Estes últimos são o resultado de uma ruptura de uma artéria cerebral.

Vazamento de líquido cefalorraquidiano, crise hipertensiva ou certas infecções também podem causar cefaleias em trovoada. Entre os quadros infecciosos, destacam-se a meningite e a encefalite.

Meningite diagnosticada com ressonância magnética
As condições do sistema nervoso central que causam essas dores de cabeça são graves.

Fatores de risco

Às vezes, as cefaleias em trovoada nem mesmo têm uma causa específica, e não está muito claro por que elas acontecem. Elas são chamadas de primárias ou idiopáticas. Este é um tipo específico que afeta os jovens.

Nesses casos, existem certos fatores que podem atuar como gatilhos. De acordo com um artigo da Harvard Medical School, tosse, exercícios e atividade sexual são alguns dos gatilhos.

Por outro lado, é importante observar que existem apresentações recorrentes. São os casos em que há envolvimento das artérias cerebrais. Ter essa condição aumenta o risco de hemorragias cerebrais e processos inflamatórios nervosos.

Possíveis complicações

As complicações das cefaleias em trovoada dependem da sua causa. O maior perigo são os danos cerebrais graves devido a hemorragia ou isquemia.

Esse tipo de cefaleia sempre deve ser tratado como uma emergência. Embora em uma porcentagem dos casos elas apareçam esporadicamente e apresentem remissão, é sempre essencial descartar uma possível lesão cerebral.

Diagnóstico das cefaleias em trovoada

As cefaleias em trovoada costumam ser identificadas clinicamente. O diagnóstico é feito com os sintomas relatados pelo paciente.

Também será decisivo verificar se o paciente está estável ou se apresenta algum déficit neurológico. Isso exigirá o monitoramento de seus sinais vitais e um bom exame físico.

O primeiro exame que costuma ser feito é uma tomografia computadorizada. Ele permite que imagens do cérebro sejam obtidas para ver se há uma lesão, como um sangramento. A ressonância magnética também é muito útil.

Um angiograma por ressonância magnética irá verificar a condição dos vasos sanguíneos. A punção lombar pode ser útil nos casos em que há suspeita de infecção.

Como as cefaleias em trovoada são tratadas?

O tratamento para as cefaleias em trovoada depende da causa. Nos casos em que não há etiologia específica determinada, apesar de ter sido feito um estudo exaustivo, podem ser utilizados analgésicos.

Quando a dor for decorrente de um acidente vascular cerebral isquêmico, será necessário agir rapidamente. Se o AVC estiver evoluindo há menos de 4 horas, pode-se tentar a fibrinólise, que consiste em tentar desfazer o coágulo que está bloqueando a artéria afetada.

Em outros casos, uma trombectomia pode ser realizada. Esta é uma intervenção que visa remover o coágulo. Os derrames hemorrágicos geralmente requerem cirurgia.

Infecções, como meningite ou encefalite, devem ser tratadas de acordo com o microrganismo que as provoca. Como os vírus são causas frequentes, podem ser administrados antivirais. Se for uma bactéria, serão administrados antibióticos.

Tratamento para dor de cabeça em trovoada
A abordagem cirúrgica será necessária para a dissolução de um coágulo ou para a liberação de uma obstrução arterial.

Prevenção e recomendações

A dor de cabeça em trovoada é quase impossível de prevenir. Aparece sem avisar, causando um desconforto muito intenso.

Fatores de risco cardiovascular, como os que acabamos de observar, aumentam o risco de danos arteriais ao cérebro. Portanto, você deve tentar agir sobre eles. Dessa forma, a chance de ter um acidente vascular cerebral ou hemorragia subaracnóidea pode ser reduzida. É fundamental manter um estilo de vida saudável.

O que precisamos enfatizar novamente é que as cefaleias em trovoada devem ser tratadas como uma emergência. Elas são indicativas de que pode haver uma lesão estrutural. Na verdade, sua principal causa são as hemorragias subaracnóideas.

Pode interessar a você...
Dores de cabeça devido à punção lombar
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Dores de cabeça devido à punção lombar

Estima-se que as dores de cabeça devido à punção lombar afetem aproximadamente 40% dos pacientes submetidos a uma punção lombar ou anestesia intrad...