Cáscara sagrada: origem, benefícios e possíveis riscos

A cáscara sagrada é um remédio popular para combater a prisão de ventre. No entanto, existem algumas preocupações quanto ao seu uso. Descubra tudo sobre esta planta a seguir.
Cáscara sagrada: origem, benefícios e possíveis riscos

Última atualização: 15 Agosto, 2021

A cáscara sagrada, com o nome científico Rhamnus Purshiana, é um arbusto nativo das zonas temperadas da América do Norte. Possui folhas elípticas, pouco dentadas, que medem entre 4 e 8 centímetros. A árvore atinge entre 6 e 12 metros de altura. Embora floresça e dê frutos pretos em forma de drupa, sua casca é muito utilizada, pois concentra substâncias medicinais.

Em particular, é conhecida como um laxante natural, pois promove a motilidade intestinal para facilitar a evacuação das fezes. No entanto, seu uso não é aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos, que traz algumas advertências sobre seus possíveis riscos. Quer saber mais sobre isso?

Benefícios da cáscara sagrada

A cáscara sagrada também é conhecida como “espinheiro marítimo da Califórnia”. Desde a antiguidade, os nativos utilizavam a casca dessa árvore para fins medicinais, principalmente para o alívio de distúrbios digestivos como a prisão de ventre.

Na verdade, na década de 1890, a Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos aprovou seu uso inicial como um laxante de venda livre. No entanto, essa aprovação foi retirada em 2002 devido à falta de evidências sobre sua segurança e eficácia.

Dito isso, é importante notar que não existem estudos científicos suficientes sobre as propriedades e efeitos da cáscara sagrada. Uma revisão divulgada pela Phytotherapy Research detalha que a emodina, uma antraquinona presente na planta, está por trás do seu efeito laxante.

Essa substância é responsável por inibir a absorção de água e eletrólitos no intestino. Assim, o volume das fezes aumenta, bem como a pressão no intestino. O resultado desse processo é a estimulação do peristaltismo, que permite uma evacuação ideal das fezes.

Esta planta foi classificada como um “laxante estimulante” e seu efeito é mais leve do que o de outras plantas, como o sene. Seu mecanismo é diferente de opções como o psyllium, já que este cria uma espécie de gel que facilita a eliminação dos resíduos retidos no intestino.

No entanto, lembre-se de que atualmente este não é um tratamento aprovado pelo FDA para aliviar a constipação. Ainda assim, está disponível como um suplemento dietético à base de ervas ou como um ingrediente em laxantes prescritos. Estima-se que induza a evacuação cerca de 8 ou 12 horas após o consumo.

Cáscara sagrada para tratar a constipação
As opções naturais para a constipação nem sempre são autorizadas para uso pelos órgãos competentes, como é o caso da cáscara sagrada.

Não deixe de ler:Tudo sobre a prisão de ventre

Possíveis riscos e contraindicações

Para aliviar a constipação, esta planta deve ser usada apenas ocasionalmente e em curto prazo. Estima-se que seu uso seja seguro e bem tolerado na maioria dos adultos saudáveis. Ainda assim, alguns podem sentir dor abdominal ou cólicas ao ingeri-la.

Os problemas mais graves surgem do consumo excessivo da cáscara sagrada. Estudos realizados descobriram que as antraquinonas são prejudiciais quando ingeridas em quantidades exageradas. Acredita-se também que causa melanose coli, uma coloração marrom-escura anormal localizada no cólon.

Se for consumida por uma ou duas semanas, causa uma perda significativa de eletrólitos que leva a um estado de desidratação. Consequentemente, os seguintes sintomas também são possíveis:

  • Náusea severa
  • Sensação de fraqueza ou fadiga.
  • Dor de cabeça.
  • Espasmos musculares.
  • Distúrbios do ritmo cardíaco.
  • Dormência ou formigamento nas extremidades.
  • Diminuição da produção de urina
  • Confusão.
  • Constipação de rebote.

Devido à escassez de estudos científicos, não se sabe se ela é segura em determinadas populações com características especiais. Portanto, é contraindicada nos seguintes casos:

  • Gravidez e amamentação.
  • Crianças.
  • Pacientes com doença diverticular, colite ulcerativa, doença de Crohn ou hemorróidas graves.
  • Pessoas com doenças cardiovasculares.
  • Anemia severa
  • Cirurgia de cólon recente.
  • Pacientes com câncer gastrointestinal.
  • Pessoas com doenças renais ou hepáticas.
  • Suspeita de apendicite.

O consumo simultâneo de cáscara sagrada com os seguintes medicamentos não é recomendado:

  • Glicosídeos cardíacos, como digoxina, digitoxina e digitonina.
  • Drogas corticosteróides.
Mulher cansada no trabalho
Os quadros de desidratação incluem confusão, cansaço e fadiga. Estes são alguns dos efeitos colaterais da cáscara sagrada.

Dosagem e forma de consumo

Até o momento, uma dose recomendada para a ingestão de cáscara sagrada não foi especificada. Ela pode variar de acordo com a idade, peso e estado de saúde da pessoa.

Portanto, é essencial seguir as recomendações do fabricante do suplemento. A planta está disponível na forma de pó, cápsulas, tinturas e chás. Ela não deve ser usada por mais de 3 dias.

O que você deve se lembrar sobre a cáscara sagrada?

Você provavelmente encontrará suplementos de cáscara sagrada ao procurar remédios naturais para a constipação. Ainda assim, você deve saber que este não é um tratamento de primeira linha para essa doença. Na verdade, deve ser usado com muita cautela devido aos riscos envolvidos.

Se você optar por consumi-la, não deve exceder a dose sugerida pelo fabricante ou prolongar a ingestão por muitos dias. Se possível, consulte seu médico para encontrar outras alternativas.

Pode interessar a você...
5 remédios à base de ervas para melhorar a digestão naturalmente
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
5 remédios à base de ervas para melhorar a digestão naturalmente

Os remédios de ervas para melhorar a digestão são leves e naturais. Se você sofre de distúrbios gastrointestinais, pode recorrer a eles.



  • BAUMGARTNER R, LEUPIN K. [On the constituents of the bark of Rhamnus purshiana (Cascara Sagrada Ph. Helv. V). 1. Assay for the presence of xanthorhamnin and the detection of aloin]. Pharm Acta Helv. 1961 Apr;36:244-67. German. PMID: 13688021.
  • Food & Drug Administration. Status of certain additional over-the-counter drug category II and III active ingredients. Final rule. Fed Regist. 2002;67(90):31125-7.
  • Cirillo C, Capasso R. Constipation and botanical medicines: An overview. Phytother Res. 2015;29(10):1488-93. doi:10.1002/ptr.5410
  • Vitalone, A., Menniti-Ippolito, F., Raschetti, R. et al. Surveillance of suspected adverse reactions to herbal products used as laxatives. Eur J Clin Pharmacol 68,231–238 (2012). https://doi.org/10.1007/s00228-011-1128-y
  • Dietz B, Bolton JL. Botanical dietary supplements gone bad. Chem Res Toxicol. 2007;20(4):586-90. doi:10.1021/tx7000527
  • Freeman HJ. “Melanosis” in the small and large intestine. World J Gastroenterol. 2008;14(27):4296-9. doi:10.3748/wjg.14.4296
  • Taylor K, Jones EB. Adult Dehydration. [Updated 2021 May 19]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2021 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK555956/