O que é peristaltismo?

24 de setembro de 2019
O peristaltismo é uma função do corpo humano que serve para deslocar certas substâncias dentro dos órgãos tubulares que possuímos. Neste artigo, mostramos como funciona.  

As contrações do peristaltismo são organizadas e rítmicas. Têm uma frequência considerada normal e são realizadas através do músculo liso presente nas paredes dos órgãos tubulares

O músculo liso tem a característica de ser autônomo, ou seja, involuntário. Não podemos dar ordens conscientes a esse músculo para contrair, mas depende exclusivamente de ordens cerebrais sobre as quais não decidimos quando ou como. 

Quando o cérebro recebe informações sobre a presença de um alimento no trato digestivo, envia a ordem ao músculo liso dos órgãos envolvidos para realizar certos movimentos. Esses movimentos geram o deslocamento de alimentos da boca para o ânus. 

O mesmo mecanismo também é aplicado ao sistema urinário. Quando o cérebro detecta a presença de urina produzida pelos rins, envia informações aos ureteres para transportá-la para a bexiga através do peristaltismo

Poderíamos dizer, então, que existem três ações principais dos movimentos peristálticos: 

  • Impulsionar os alimentos no sistema digestivo 
  • Circular a bile no sistema hepático, que faz parte do sistema digestivo 
  • Transportar a urina no aparelho urinário. 

Os passos que o peristaltismo segue 

O peristaltismo permite que o bolo alimentar se mova ao longo do sistema digestivo.

O peristaltismo acontece ritmicamente e de maneira organizada. Uma vez que os alimentos entram na boca e são triturados, eles acessam o esôfago. Lá, os movimentos peristálticos são responsáveis ​​por mover o bolo alimentar para o estômago. Esses mesmos movimentos impedem que o bolo volte a subir. 

Quando o estômago secretou ácido gástrico e executou as ações relevantes no bolo, o próximo passo é o intestino delgado. Será o peristaltismo que transferirá as substâncias para o duodeno, jejuno e íleo. Aqui os ácidos biliares da vesícula biliar serão adicionados

No intestino delgado a absorção de nutrientes depende de um bom peristaltismo, pois os movimentos bem feitos permitem o movimento de pequenas substâncias em direção às paredes intestinais. 

Finalmente, os alimentos digeridos serão desidratados no intestino grosso. Aqui, o movimento coordenado desempenha um papel fundamental para a expulsão fecal externa. Tanto o reto quanto o ânus dependem desses movimentos para finalizar o último passo. 

Confira também esse artigo: Água de gengibre para aliviar as enxaquecas, os incômodos digestivos e a dor

Causas da diminuição do peristaltismo 

Pode acontecer que, devido a várias razões que explicaremos agora, os movimentos peristálticos sejam mais lentos que o normal. Certamente, isso pode levar à constipação no sistema digestivo. E a prisão de ventre pode levar a problemas de saúde. 

Entre as causas mais frequentes de diminuição do peristaltismo, temos: 

  • Idades extremas: tanto os idosos quanto as crianças pequenas têm maior probabilidade de constipação, devido à idade e aos déficits que a idade produz no músculo liso. 
  • Diabetes: Esta doença afeta as transmissões neurológicas em muitas regiões do corpo, incluindo o sistema digestivo. 
  • Doença de Parkinson: aqueles que sofrem dessa doença também têm maior frequência de constipação. 
  • Doenças autoimunes: movimentos peristálticos reduzidos são registrados em pacientes com esclerodermia, por exemplo, ou com polimiosite. 
  • Medicamentos: alguns medicamentos têm como efeito adverso a constipação e a diminuição da atividade peristáltica. É importante conhecer essa possibilidade antes de consumi-los, e consultar o médico que os prescreve, para não ter receios ou dúvidas.

A idade pediátrica é uma das que mais sofre alterações no ritmo peristáltico.

Você pode estar interessado em ler também: Chá de gengibre e camomila para tratar a síndrome do intestino irritável

Causas do aumento do peristaltismo 

Assim como os movimentos peristálticos podem diminuir, eles também podem aumentar excessivamente, causando o efeito final da diarreia. Assim então, estas são as causas mais frequentes: 

  • Infecções bacterianas: os germes que mais causam diarreia são a Escherichia coli, Salmonella e Shigella. Pode tratar-se de uma contaminação pela ingestão de alimentos ou água intoxicados. 
  • Infecções viróticas: na idade pediátrica ocorre o aumento do peristaltismo devido a vírus comuns. O controle médico é essencial nesses casos para evitar a desidratação. 
  • Medicamentos: assim como certos medicamentos apresentam prisão de ventre entre seus efeitos adversos, outros causam diarreia. 
  • Doenças crônicas: algumas patologias de alta prevalência na população em geral têm como sintoma associado o aumento dos movimentos peristálticos. Classicamente, podemos mencionar as disfunções da glândula tireoide
  • Origem psicológica: em situações de estresse, o intestino responde. É lógico pensar agora que sabemos que seu movimento depende do sistema nervoso que estimula o músculo liso. 
  • Cirurgia digestiva anterior: aqueles que foram submetidos à cirurgia gástrica ou intestinal, por várias razões, podem sofrer alterações futuras no ritmo peristáltico, seja pela destruição das fibras nervosas intervenientes, ou pelo encurtamento do trato digestivo. 

Em conclusão 

Em conclusão, o peristaltismo é uma função normal e vital do organismo. Sem ele, não poderíamos viver normalmente. É responsável pelo transporte de alimentos através do trato digestivo, e da urina no sistema urinário

No entanto, essa função normal pode ser alterada. Portanto, devemos consultar o profissional médico se percebermos que nosso ritmo de evacuação muda. Sem dúvida alguma, os médicos nos dirão se é uma mudança momentânea ou se é algo que requer um tratamento específico.

 

  • Loeb, Gerald E., and Frances JR Richmond. “Method and apparatus to treat disorders of gastrointestinal peristalsis.” U.S. Patent No. 6,895,279. 17 May 2005.
  • Quevedo Guanche, Lázaro. “Oclusión intestinal: Clasificación, diagnóstico y tratamiento.” Revista Cubana de Cirugía 46.3 (2007): 0-0.
  • Angosto, María Cascales, and Antonio L. Doadrio Villarejo. “Fisiología del aparato digestivo.” Monografías de la Real Academia Nacional de Farmacia (2014).
  • Philpott HL, Nandurkar S, Lubel J, Gibson PR. Drug-induced gastrointestinal disorders. Frontline Gastroenterol. 2014;5(1):49–57. doi:10.1136/flgastro-2013-100316