Calefação muito alta: como afeta nossa saúde?

14 de novembro de 2019
A calefação muito alta nos ajuda a combater o frio durante o outono e o inverno, mas pode ser prejudicial à nossa saúde. Neste artigo mostramos que alterações podem ocorrer no corpo humano.

É difícil definir o que consideramos como calefação muito alta. As sensações associadas à temperatura são muito variáveis ​​de pessoa para pessoa. O frio sofrido por alguém acostumado ao clima quente não é o mesmo de outro que vive em áreas geográficas onde a neve cai, por exemplo.

Mesmo assim, na variabilidade do ser humano, assim então pressupõe-se que, abaixo de 20 ° C de temperatura ambiente já exista uma sensação de frio. A mesma irá aumentando gradativamente essa temperatura.

Essa sensação também depende de outros fatores, como umidade e pressão do ar. Um registro de 10 ° C com alta umidade ambiente não é o mesmo que o frio em áreas secas.

Também não é igual a sensação, independentemente da temperatura exterior, se estamos parados ou em movimento. Quando não há atividade corporal, o frio é mais sentido, porque as células não estão em metabolização ativa e não geram calor.

Por isso, ante o frio, o ser humano usa calefação para se aquecer. Como qualquer método artificial que é usado em excesso, a calefação muito alta pode gerar alterações no organismo e alguns riscos à saúde.

O aquecimento adequado deve manter os ambientes entre 20 e 25 ° C, com uma umidade de cerca de 50%. Acima de 25 º C estaríamos falando de calefação muito alta.

Os riscos da calefação muito alta segundo cada tipo

Existem dois métodos de aquecimento que são usados ​​em excesso e têm efeitos nocivos notórios:

  • A lenha.
  • O ar condicionado reversível.

Quanto ao uso da lenha, a calefação muito alta com esse método é capaz de gerar gases tóxicos. Quando a madeira das árvores é queimada, é liberado o dióxido de carbono que esteve armazenado.

O dióxido de carbono é, para os seres humanos, um gás residual. Ou seja, o corpo expele o dióxido de carbono e precisa de oxigênio. Portanto, no caso de pouca ventilação, o aquecimento da madeira pode causar uma intoxicação.

A fumaça que vem da madeira também contém gases chamados de gases pesados. Esses gases são tóxicos para a inalação, causando dores de cabeça, náusea, vômito e até irritação do trato respiratório.

Sem dúvida alguma, é essencial que um sistema de aquecimento de madeira seja instalado corretamente com seu mecanismo de ejeção de fumaça. No entanto, mesmo nas melhores condições de instalação, a madeira pode transportar e liberar substâncias específicas da natureza associadas a alergias e asma, como o pólen.

O outro método que mencionamos como perigoso para a calefação muito alta é o ar-condicionado reversível. Esses dispositivos, em uso contínuo e intensivo, podem secar o ar ambiente removendo a umidade.

Sem umidade suficiente a pele e as mucosas, especialmente a mucosa respiratória, são afetadas. Ao mesmo tempo, o fluxo de ar gerado mobiliza partículas que, em pessoas asmáticas ou alérgicas, são capazes de aumentar os sintomas alérgicos.Muita calefação pode provocar resfriados

Leia também sobre: Como controlar os sintomas das alergias com estes 6 óleos essenciais

Os efeitos negativos da calefação muito alta 

A calefação muito alta, qualquer que seja sua origem, pode causar:

  • Infecções respiratórias: o ambiente seco com falta de umidade e membranas mucosas respiratórias também secas são um ambiente propício para as bactérias e os vírus. As crianças são geralmente as mais afetadas por essa situação. Uma possibilidade de reverter o risco é o uso de umidificadores ambientais e filtros de microrganismos.
  • Mau descanso: a temperatura elevada durante a noite dificulta o descanso. Acima de 20 ° C o corpo não está nas melhores condições para relaxar os músculos e alcançar o agradável estado de sono. Da mesma forma, a umidade, quando é muito baixa, altera a frequência respiratória durante o repouso.
  • Alergias e dermatites: a calefação muito alta resseca a pele, aumentando os sintomas da dermatite. Por sua vez, o movimento do ar através da fonte geradora de calor carrega partículas alérgicas, como a poeira, o pólen e os ácaros.
  • Dor de cabeça: a dor de cabeça com calefação muito alta é bastante comum. Quando a temperatura está muito alta por um longo tempo, sentimos um embotamento que é resultante da vasodilatação. O calor excessivo diminui a pressão sanguínea e menos sangue chega ao cérebro, causando sintomas desagradáveis.
  • Ganho de peso: o fato de dormir à uma temperatura muito alta está associado ao ganho de peso. Isso acontece porque, em altas temperaturas, o corpo não queima sua gordura armazenada, mas, pelo contrário, a retém. Durante a noite, é hora de ativar esse mecanismo de catabolismo graxo, mas se o aquecimento for muito alto, este não fará o seu trabalho.Calor em excesso pode provocar insônia

Saiba também: Quando a temperatura corporal alta é considerada grave?

O problema das substâncias tóxicas

Sem dúvida alguma, um dos maiores riscos para a saúde de uma calefação muito alta são as substâncias tóxicas. Essas substâncias são liberadas pelos mecanismos de aquecimento e constituem um perigo significativo para a saúde de quem a respira.

Por exemplo, uma dessas substâncias é o monóxido de carbono. Esse gás não tem cheiro e isso dificulta a sua detecção quando é gerado por uma combustão ruim. Lentamente, esse gás desloca o oxigênio do ambiente e do sangue, intoxicando o ser humano.

Na intoxicação por monóxido de carbono há tonturas, desmaios, náuseas e dor de cabeça. Além disso, a respiração aumenta dramaticamente como método de defesa para substituir o oxigênio. Se não for resolvido rapidamente pode ser uma condição mortal.

Por outro lado, outro gás perigoso é o dióxido de nitrogênio. Também provém da má combustão em aparelhos de aquecimento e também não tem cheiro. É extremamente irritante e altera a mecânica respiratória.

 

  • Buchelli, H.; Fernández , R.; Rubinos, G.; Martínez, C.; Rodríguez, F. y Casan, P. 2014. Niveles elevados de carboxihemoglobina: fuentes de exposición a monóxido de carbono. Archivos de Bronconeumología. Elsevier España. 50(11); 465-468
  • Gutiérrez Oyarce, Alejandra, et al. “Exposición ambiental a dióxido de nitrógeno y salud respiratoria a los 2 años en la Cohorte INMA-Valencia.” Gaceta Sanitaria 32.6 (2018): 507-512.
  • Crespo, M. Praena. “Factores ambientales y patología respiratoria del niño.” PediatríaIntegral (2016): 103.