Brotos de bambu: nutrição, usos e preparação

Você sabia que os brotos de bambu podem ser comidos? Vamos falar sobre suas propriedades nutricionais e as formas mais comuns de consumi-los.
Brotos de bambu: nutrição, usos e preparação

Última atualização: 20 Setembro, 2021

Você pode não ter ouvido falar deles, mas os brotos de bambu são comestíveis e altamente nutritivos. Esta é uma planta nativa da Índia, embora também seja cultivada na América do Sul e em algumas partes do sul da África. Sua função é fornecer madeira para gerar elementos decorativos, mas ela também pode ser consumida como alimento.

De qualquer forma, deve-se notar que não é comum encontrar este alimento na maioria dos supermercados. Geralmente, é necessário ir a lojas especializadas. Em centros de medicina tradicional oriental, é possível encontrar concentrados dos brotos da planta.

Valor nutricional dos brotos de bambu

Os brotos de bambu costumam ser alimentos de teor energético muito baixo. Eles fornecem apenas 27 calorias por 100 gramas de produto; portanto, podem ser incluídos em quase qualquer tipo de dieta, inclusive naquelas que visam reduzir o peso corporal.

A maior parte da energia vem dos carboidratos, pois contém 5 gramas desses nutrientes para cada 100 gramas de alimento. Claro, todos eles são complexos. Não contém açúcares simples. Isso, somado à sua concentração significativa de fibras, favorece um controle glicêmico ideal.

O teor de proteína é baixo. Fornece 2,6 gramas de proteínas de baixo valor biológico. Isso significa que não possui todos os aminoácidos essenciais e que não apresenta uma boa pontuação em termos de digestibilidade. As gorduras também não são significativas.

Do ponto de vista dos micronutrientes, merecem destaque o fósforo e o potássio. Ambos os minerais são decisivos no funcionamento de muitas reações fisiológicas que ocorrem diariamente dentro do corpo. Se houver um déficit, podem ocorrer patologias crônicas.

No que diz respeito às vitaminas, é necessário destacar a concentração das vitaminas E, K e algumas do complexo B. Todas são necessárias para garantir a manutenção do bom estado de saúde.

Propriedades dos brotos de bambu

Agora que você conhece o valor nutricional dos brotos de bambu, é hora de falar sobre as suas propriedades. Sem dúvida, este é um vegetal que pode trazer benefícios para a saúde, desde que seja introduzido no contexto de uma alimentação equilibrada e variada.

Ajudam a prevenir a constipação

O teor de fibra dos brotos de bambu é importante para prevenir problemas digestivos, como a prisão de ventre. Isso é evidenciado por pesquisas publicadas na revista Nature Reviews. Essa substância é capaz de aumentar o volume do bolo fecal.

Por outro lado, deve-se destacar que a fibra é um elemento fundamental para conseguir uma boa densidade em termos de bactérias que habitam o intestino. Ela é o substrato energético desses microrganismos.

Reduzem a pressão arterial

Os brotos de bambu são caracterizados pela presença de potássio. Este mineral é capaz de neutralizar os efeitos do sódio no controle da pressão arterial. Ele exerce uma ação hipotensiva, de acordo com um estudo publicado no Journal of Clinical Hypertension.

Dessa forma, é possível reduzir o risco cardiovascular. O aumento da pressão arterial é uma condição que aumenta a incidência de patologias associadas ao coração.

O sal piora a pressão alta
O potássio é um mineral que neutraliza o efeito do sódio presente no sal. Desta forma, protege a saúde cardiovascular.

Funcionam como um antioxidante

Além dos micronutrientes citados, o broto de bambu pode fornecer fitonutrientes, substâncias de origem vegetal com características antioxidantes e anti-inflamatórias. Muitos deles neutralizam a formação de radicais livres e seu subsequente acúmulo nos tecidos do corpo.

Com esse efeito, os sinais do envelhecimento são retardados, assim como muitas outras patologias associadas à idade, conforme afirma um estudo publicado na Clinical Interventions in Aging.

Contraindicações dos brotos de bambu

Embora a maioria das pessoas possa se beneficiar da inclusão de brotos de bambu na dieta, esses vegetais têm várias contraindicações. Eles não devem ser introduzidos no regime de uma pessoa com disbiose intestinal. A presença de fibras pode promover o crescimento de bactérias patogênicas.

Além disso, deve-se observar que algumas pessoas podem ser alérgicas a esse alimento. Por isso, é necessário verificar que o consumo do vegetal não gera reações autoimunes. Como regra geral, recomenda-se evitar sua ingestão durante a gravidez.

Além disso, geralmente é aconselhável perguntar ao especialista se o broto de bambu pode ser incluído na dieta alimentar se você estiver fazendo algum tratamento farmacológico. Os medicamentos às vezes interagem com certos fitonutrientes ou compostos encontrados nas plantas, o que pode aumentar ou diminuir seus efeitos.

Como os brotos de bambu podem ser consumidos?

Os brotos de bambu podem ser preparados de muitas formas diferentes. É aconselhável descascá-los antes de consumi-los, pois o exterior tem uma textura dura que pode não ser agradável à mastigação.

Normalmente são comprados frescos, secos ou enlatados. Eles podem ser incluídos em várias preparações culinárias, como refogados, sopas, cremes vegetais ou saladas.

Eles geralmente são cozidos antes de serem consumidos. O melhor é submetê-los a um cozimento com água, embora depois também possam ser refogados para obter um sabor mais intenso. Eles podem até ser mantidos em conserva ou em molho.

Até certo ponto, eles se assemelham aos aspargos verdes quando se trata de incluí-los nas preparações culinárias. Na verdade, na culinária asiática, eles são muito comuns. Existem até 1.500 espécies diferentes de bambu.

Método de preparação

Quando os brotos de bambu são adquiridos, uma série de processos deve ser implementada para garantir que eles possam ser consumidos sem gerar efeitos colaterais. A primeira coisa a fazer é descascar as vagens externas e desintoxicar a carne para remover todos os compostos amargos que ela contém.

O método mais fácil é cortar no sentido do comprimento, em duas metades. As folhas externas devem ser removidas, bem como qualquer área dura da base. Os brotos devem ser cortados no tamanho desejado e colocados em um recipiente com água fria para evitar o escurecimento.

Esse processo de imersão permite que os brotos sejam desintoxicados, pois eles podem conter vestígios de taxifilina, um glicosídeo que deve ser removido antes do cozimento. Mantê-los por 20 minutos em água fria reduz a presença dessa substância. Passado esse tempo, o líquido deve ser descartado e eles podem ser fervidos.

Aquecer o bambu por meio de um método de cozimento também garante a destruição da taxifilina; portanto, não há riscos para a saúde ao comer esses vegetais cozidos. O que você não deve fazer é comê-los crus.

Brotos de bambu cozidos
Os brotos de bambu devem ser descascados e cozidos para remover as suas toxinas.

Incluir brotos de bambu na dieta

Os brotos de bambu são alimentos saudáveis e benéficos. Podem ser difíceis de encontrar em muitos países, mas são saborosos e muito versáteis. Talvez a opção mais fácil seja comprá-los em lata em lojas especializadas.

Se você tiver a oportunidade, recomendamos que inclua esses vegetais em sua dieta regularmente. Eles irão aumentar a densidade nutricional de muitos pratos, fornecendo vitaminas e minerais essenciais. Além disso, dificilmente alteram o valor energético das preparações.

Pode interessar a você...
Quais são os fitonutrientes e seus benefícios?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Quais são os fitonutrientes e seus benefícios?

Já escutou falar sobre os fitonutrientes? Sabe o que são e como ajudam o organismo? Hoje descobrirá o que são e o quanto são benéficos.



  • Vriesman, M. H., Koppen, I., Camilleri, M., Di Lorenzo, C., & Benninga, M. A. (2020). Management of functional constipation in children and adults. Nature reviews. Gastroenterology & hepatology17(1), 21–39. https://doi.org/10.1038/s41575-019-0222-y
  • Chmielewski, J., & Carmody, J. B. (2017). Dietary sodium, dietary potassium, and systolic blood pressure in US adolescents. Journal of clinical hypertension (Greenwich, Conn.)19(9), 904–909. https://doi.org/10.1111/jch.13014
  • Liguori, I., Russo, G., Curcio, F., Bulli, G., Aran, L., Della-Morte, D., Gargiulo, G., Testa, G., Cacciatore, F., Bonaduce, D., & Abete, P. (2018). Oxidative stress, aging, and diseases. Clinical interventions in aging13, 757–772. https://doi.org/10.2147/CIA.S158513