Boca seca e diabetes: tudo que você precisa saber

Pessoas com diabetes apresentam sintomas que afetam negativamente a sua qualidade de vida. Um deles é a boca seca. Explicaremos por que isso acontece a seguir.
Boca seca e diabetes: tudo que você precisa saber

Última atualização: 10 Abril, 2021

As pessoas com diabetes, tanto do tipo 1 quanto do tipo 2, costumam apresentar xerostomia. Este termo é usado para se referir à boca seca, uma sensação comum em caso de diabetes. O problema é que não é apenas uma sensação, mas pode ter consequências graves para a saúde bucal.

A xerostomia está associada a um risco aumentado de cárie dentária, infecção e doença periodontal. Diversas pesquisas afirmam que mais de 70% das pessoas com diabetes apresentam este sintoma. Portanto, neste artigo explicaremos por que isso acontece e como resolver o problema.

Quais são os sintomas das pessoas com diabetes?

A diabetes mellitus é uma doença que afeta o metabolismo da glicose. Existem duas formas principais: tipo 1 e tipo 2. No primeiro, o que ocorre é que o pâncreas não consegue secretar insulina.

No tipo 2, há uma resistência à insulina nos diferentes tecidos do corpo, embora também possa haver uma diminuição da sua secreção. É uma patologia que, infelizmente, está se tornando cada vez mais comum.

A xerostomia é um de seus principais sintomas. Segundo um estudo de revisão publicado na Revista Endocrinología y Nutrición, está entre as manifestações orais mais comuns em pessoas com diabetes.

Outros sintomas orais que podem aparecer são úlceras, candidíase faríngea e sensação de queimação. No entanto, esses não são os únicos sintomas. Há também poliúria (aumento da micção), polidipsia (aumento da sede) e alterações no peso.

Medidas da diabetes
Os níveis de glicose no sangue são os determinantes dos sintomas da diabetes.

Por que as pessoas com diabetes ficam com a boca seca?

A xerostomia, como já mencionamos, é o termo usado para se referir à boca seca. Em pessoas com diabetes, seu aparecimento é influenciado por diversos fatores, quase todos relacionados ao controle deficiente dos níveis de açúcar no sangue.

Em primeiro lugar, uma das causas é o aumento da micção. Ao urinar mais, ocorre uma situação de desidratação. A saliva é composta principalmente por água, então a sua produção é alterada quando os fluidos corporais ficam desajustados.

Outro fator semelhante que determina a boca seca na diabetes é a mudança na composição da saliva. Ela é composta, além de água, por glicose e proteínas.

Um estudo publicado na Revista de Medicina e Patologia Oral explica que a diabetes afeta a morfologia das glândulas salivares. Ela provoca a chamada sialose diabética, que consiste no aumento de tamanho das glândulas salivares. Isso faz com que o seu desempenho seja prejudicado.

Outras causas da xerostomia

Embora uma grande porcentagem de pessoas com diabetes sofra de xerostomia, esta doença não é a única causa. É importante observar que a produção de saliva é influenciada por vários fatores e que muitas situações podem desencadear esse transtorno.

A desidratação não relacionada à diabetes é uma delas. Da mesma forma, alguns medicamentos podem causar esse sintoma, principalmente aqueles usados ​​em tratamentos de quimioterapia.

A idade avançada também está frequentemente associada, assim como outras doenças crônicas, como cirrose, HIV e tuberculose. A síndrome de Sjögren é uma das causas mais importantes da xerostomia.

Quais são as soluções para a boca seca em pessoas com diabetes?

A importância da boca seca na diabetes não reside apenas no desconforto que ela provoca, pois ela também pode levar a uma série de problemas bucais. Por exemplo, aumenta o risco de cárie e infecção dentária, bem como de doença periodontal.

Portanto, é imprescindível adotar medidas preventivas para evitar e prevenir esse tipo de patologia. Em primeiro lugar, as pessoas com diabetes devem fortalecer a sua higiene bucal. O uso de enxaguantes bucais e fio dental é recomendado, além da escovação.

É melhor evitar líquidos açucarados e ácidos. É essencial se manter hidratado, e o melhor é fazer isso bebendo água. As visitas frequentes ao dentista são essenciais, uma vez que é preciso revisar e corrigir qualquer alteração que possa ter ocorrido.

Além disso, em alguns casos, são prescritos medicamentos que estimulam o fluxo salivar. Até mesmo a saliva artificial pode ser usada. Estas medidas são reservadas para os casos em que a xerostomia não pode ser resolvida com medidas gerais.

Mulher escovando os dentes
A higiene oral é essencial para reduzir os riscos associados à xerostomia.

Não deixe de ler: Higiene bucal das crianças

Conclusão

Pessoas com diabetes correm um maior risco de ficar com a boca seca. Isso acontece porque a doença modifica tanto a composição da saliva quanto a morfologia das glândulas salivares.

Para evitar isso, é necessário manter um bom controle da glicemia. Além disso, a hidratação adequada e cuidados especiais com a higiene bucal são requisitos essenciais para reduzir complicações.

Pode interessar a você...
Diabetes em crianças: como tratá-la
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Diabetes em crianças: como tratá-la

A diabetes em crianças é uma das doenças crônicas que mais as afetam. Adotar um estilo de vida saudável á uma das chaves para controlá-la.



  • Molania, T., Alimohammadi, M., Akha, O., Mousavi, J., Razvini, R., & Salehi, M. (2017). The effect of xerostomia and hyposalivation on the quality of life of patients with type II diabetes mellitus. Electronic Physician, 9(11), 5814–5819. https://doi.org/10.19082/5814
  • Escobar, Deyanira Cabrera, Luis González Valdés, and Orquídea Ferrer Hurtado. “Xerostomía en pacientes con síndrome de Sjögren.” Revista Electrónica Dr. Zoilo E. Marinello Vidaurreta 42.1 (2017).
  • Hoseini, A., Mirzapour, A., Bijani, A., & Shirzad, A. (2017). Salivary flow rate and xerostomia in patients with type I and II diabetes mellitus. Electronic Physician, 9(9), 5244–5249. https://doi.org/10.19082/5244
  • Navea Aguilera, C., Guijarro de Armas, M. G., Monereo Megías, S., Merino Viveros, M., & Torán Ranero, C. (2015, January 1). Relación entre xerostomía y diabetes mellitus: Una complicación poco conocida. Endocrinologia y Nutricion. Elsevier Doyma. https://doi.org/10.1016/j.endonu.2014.09.004
  • Xerostomía: Diagnóstico y Manejo Clínico. (n.d.). Retrieved August 29, 2020, from http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1699-695X2009000100009
  • López-Pintor, R. M., Casañas, E., González-Serrano, J., Serrano, J., Ramírez, L., De Arriba, L., & Hernández, G. (2016). Xerostomia, Hyposalivation, and Salivary Flow in Diabetes Patients. Journal of Diabetes Research. Hindawi Limited. https://doi.org/10.1155/2016/4372852
  • García Chías, Begoña. Prevalencia de los efectos orales secundarios a la quimioterapia en un hospital de Madrid y factores asociados. Diss. Universidad Complutense de Madrid, 2019.
  • MANEJO TERAPEÚTICO DEL PACIENTE CON XEROSTOMÍA. (n.d.). Retrieved August 29, 2020, from https://www.actaodontologica.com/ediciones/2001/1/manejo_terapeutico_paciente_xerostomia.asp
  • Ivanovski, K., et al. “Xerostomia and salivary levels of glucose and urea in patients with diabetes.” Contributions of Macedonian Academy of Sciences & Arts 33.2 (2012).