Quais são os benefícios da beterraba vermelha?

6 de novembro de 2019
O consumo de beterraba fornece importantes nutrientes e benefícios ao organismo. O que acha de incluí-la em sua dieta regular? Descubra seus principais benefícios.

A beterraba vermelha (Beta vulgaris) é um tubérculo que tem muitos usos culinários em todo o mundo. Também é conhecida como beterraba de mesa e se destaca principalmente por sua qualidade nutricional e contribuições para a saúde. Você conhece os seus principais benefícios?

Assim como mostra os dados coletados no SELF Nutrition Data, este é um alimento com poucas caloria e que concentra grandes quantidades de vitaminas do complexo B e minerais, como o cálcio, o ferro, o magnésio, o fósforo, o potássio, o sódio, o zinco e o cobre. Também nos fornece carotenos, açúcares na forma de sacarose e proteína. 

Qual é a sua contribuição nutricional?

Beterraba

Para detalhar a sua contribuição nutricional, e considerando os dados mencionados, este alimento é composto por 87% de água, 8% de carboidratos e 3% de fibra. Por cada 100 gramas, este vegetal nos dá os seguintes nutrientes:

  • Calorias: 43 calorias
  • Carboidratos: 9,56 g
  • Proteínas: 1,61 g
  • Gordura: 0,17 g
  • Fibra: 2,8 g

Outros nutrientes da beterraba

Coincidindo com as informações de uma pesquisa publicada na revista Nutrientspodemos destacar outros nutrientes contidos nas beterrabas, além dos seus benefícios. Veja em detalhes abaixo:

  • As folhas de beterraba contêm uma grande quantidade de vitamina A e são a parte com a maior quantidade de vitamina C.
  • É um vegetal muito rico em açúcares e que supõe uma boa contribuição de fibras.
  • Possui alta concentração de ferro, o que fortalece o sistema imunológico para estimular a produção de anticorpos e glóbulos vermelhos.
  • Contém compostos fenólicos, como os flavonoides, que a tornam uma ótima fonte de antioxidantes.

Benefícios da beterraba vermelha para a saúde

Fornece uma grande quantidade de ferro

Sopa de beterraba

A beterraba nos proporciona uma quantidade considerável de ferro. Este é um mineral muito importante, pois ajuda a formar a hemoglobina. De acordo com um estudo publicado no Journal of Nursing and Health Scienceo suco de beterraba pode auxiliar no tratamento da anemia, pois ajuda a melhorar o nível de hemoglobina no sangue.

Ajuda a regular a pressão sanguínea

A pressão alta é um dos fatores de risco para doenças cardiovasculares. Felizmente, alimentos como a beterraba podem ajudar a manter seus níveis estáveis ​​para evitar complicações. 

Segundo uma pesquisa publicada no Journal of Nutritiona concentração de nitratos nas beterrabas produz um efeito vasodilatador, ao qual esse benefício é atribuído.

Possui propriedades anti-inflamatórias

Artrite nas mãos

A beterraba contém pigmentos conhecidos como betalaínas, aos quais são atribuídos efeitos anti-inflamatórios. Uma investigação publicada no Nutrition and Dietary Supplements determinou que as cápsulas de betalaína feitas com extrato de beterraba produzem uma redução na dor e desconforto causado pela osteoartrite. 

Por outro lado, outra série de estudos em ratos determinou que a beterraba poderia atuar de maneira benéfica na redução da inflamação dos rins. No entanto, geralmente são sugeridos mais estudos para determinar se esses efeitos também ocorrem em seres humanos.

Ajuda a promover a saúde digestiva

Suco de beterraba

Estima-se que uma xícara de beterraba vermelha possa fornecer até 3,4 gramas de fibra. Por esse motivo, sua ingestão também está associada a uma boa saúde digestiva. É até sugerido como aliado para evitar problemas como a constipação.

Uma pesquisa publicada em Nutrients sugere que uma ingestão adequada de fibra dietética regula a atividade digestiva, impede a prisão de ventre e reduz o risco de uma doença inflamatória do intestino. 

Como escolher e conservar?

  • É preferível escolher as beterrabas que tenham as raízes do mesmo tamanho: dessa forma, ela irá cozinhar uniformemente.
  • Recomendamos optar por unidades lisas, firmes, carnudas, redondas e lisas, sem manchas ou marcas de impacto.
  • Você deve rejeitar as folhas de pele alongada e escamosa porque são duras, fibrosas e terão um sabor forte.
  • Se as armazenar em uma bolsa de plástico na geladeira, elas podem durar de 2 a 3 semanas.
  • As folhas da beterraba devem ser guardadas separadamente, em uma bolsa de plástico, sem lavar. Sem refrigeração, podem ser mantidas por 3 a 5 dias.
  • Não é recomendado congelar a beterraba, pois ela fica amolecida.

Como consumir a beterraba vermelha?

  • Pode ser incluída em saladas ou cozidas, embora mantenha melhor as propriedades quando consumida crua.
  • Se as consumir cruas, você pode ralar e temperar com um pouco de azeite e limão. No entanto, elas são mais digeríveis se forem cozidas.
  • Para cozinhar, basta colocá-las em água fervente salgada, sem descascar, para que não percam sabor ou cor.
  • Você também pode preparar a beterraba assada: para isso, você deve colocá-las no forno e não remover até que estejam macias. Cozidas desta forma, elas mantêm quase todas as suas propriedades intactas.

O que você acha de incorporá-las em sua dieta regular? Como você pode ver, elas são muito saudáveis. No entanto, se você tiver alguma condição especial, consulte o seu nutricionista antes de consumi-la constantemente.

  • Clifford T, Howatson G, West DJ, Stevenson EJ. The potential benefits of red beetroot supplementation in health and disease. Nutrients. 2015;7(4):2801–2822. Published 2015 Apr 14. doi:10.3390/nu7042801
  • Priya, N. G. (2013). Beet root juice on haemoglobin among adolescent girls. IOSR Journal of Nursing and Health Science2(1), 09–13. https://doi.org/10.9790/1959-0210913
  • Reyes-Izquierdo, T., Pietrzkowski, Z., Argumedo, R., Shu, C., Nemzer, B., & Wybraniec, S. (2014). Betalain-rich red beet concentrate improves reduced knee discomfort and joint function: a double blind, placebo-controlled pilot clinical study. Nutrition and Dietary Supplements, 9. https://doi.org/10.2147/nds.s59042
  • Slavin J. Fiber and prebiotics: mechanisms and health benefits. Nutrients. 2013;5(4):1417–1435. Published 2013 Apr 22. doi:10.3390/nu5041417