Atorvastatina: para que serve?

19 de novembro de 2019
A atorvastatina, assim como as demais estatinas, deve sua eficácia na prevenção de doenças cardiovasculares à capacidade que tem de inibir de forma seletiva e competitiva a enzima responsável pela síntese de colesterol.

A atorvastatina é um medicamento que pertence à família farmacológica das estatinas. Estes medicamentos são amplamente utilizados na redução dos níveis de colesterol, com a finalidade de prevenir as doenças cardiovasculares, assim como para tratar a dislipidemia.

O excesso de colesterol é um fator de risco para o aparecimento de doenças, que são a principal causa de morte nos países desenvolvidos. No entanto, não esqueça que o colesterol é uma substância imprescindível para o correto funcionamento do organismo, já que é o precursor de vários hormônios.

Portanto, é fundamental manter os níveis de colesterol dentro da normalidade. Um déficit dessa substância também pode desencadear graves consequências para a saúde. Por isso, é muito importante seguir estritamente o tratamento estabelecido pelo médico.

Aprendendo mais sobre as doenças cardiovasculares

Controle o colesterol para prevenir donças cardiovasulares

Como comentamos anteriormente, a atorvastatina tem como objetivo prevenir as doenças cardiovasculares naqueles pacientes que apresentam uma elevação nos níveis de colesterol.

As doenças cardiovasculares são um conjunto de doenças que representam a primeira causa de morte nos países desenvolvidos. Entre elas, pode-se falar de:

  • Hipertensão cardiovascular.
  • Insuficiência cardíaca.
  • Infarto do miocárdio.
  • Derrame ou doença cerebrovascular.
  • Doença vascular periférica.

Sem dúvida, o desenvolvimento destas doenças está associado a uma série de fatores de risco que aumentam as chances de sofrê-las. Entre estes fatores de risco, que sempre devemos evitar, encontram-se:

  • Tabagismo: o hábito de fumar somente causa um acúmulo de toxinas e doenças para a saúde. Os fumantes têm o dobre de chances de sofrer um tipo de doença cardiovascular que uma pessoa não fumante.
  • Sedentarismoa população dos países desenvolvidos tende cada vez mais a realizar menos atividade física. Assim como acontece com o tabaco, uma falta de exercício dobra as chances de sofrer este tipo de doenças.
  • Maus hábitos alimentares.

Como a atorvastatina exerce seu efeito no organismo?

A atorvastatina, assim como as demais estatinas, deve sua eficácia na prevenção das doenças cardíacas à capacidade que tem de inibir de forma seletiva e competitiva a enzima responsável pela síntese de colesterol.

De fato, estamos nos referindo à enzima hidroximetilglutaril-coenzima A (HMG-CoA) redutase. Trata-se da enzima responsável por converter o HMG-CoA em mevalonato, que é o precursor dos compostos esteroides, como o colesterol.

Dessa forma, ao inibir a HMG-CoA redutase, a atorvastatina também reduz as quantidades de mevalonato e, por conseguinte, a quantidade de colesterol que é armazenada no fígado.

Além disso, cabe destacar que este mecanismo também afeta a regulação dos receptores das LDLs, que são conhecidas como “colesterol ruim”, e a captação destas lipoproteínas da circulação.

A consequência final de todos estes processos é a redução do “colesterol ruim” ou LDL. A eficácia do tratamento ainda continua sendo estudada em diferentes pesquisas e ensaios clínicos.

Leia também: Infarto agudo do miocárdio

Reações adversas do tratamento com atorvastatina

Colesterol no sangue

Apesar de um fármaco bem tolerado, não está isento de produzir uma série de efeitos adversos. Entende-se como efeitos adversos todos aqueles eventos que são produzidos de forma indesejada e não intencional no tratamento com um fármaco.

As reações adversas que são descritas com a administração de atorvastatina são leves e se normalizam sozinhas. Nesse sentido, entre as mais frequentes, é possível mencionar:

  • Problemas gastrintestinais, como prisão de ventre, diarreia, gases, dispepsia ou dor abdominal.
  • Dor de cabeça.
  • Náuseas.
  • Insônia.

Por outro lado, também existe uma série de reações adversas que foram observadas e que representam as reações pouco frequentes do tratamento. No entanto, nem todas se devem necessariamente ao tratamento com esse medicamento. Estas são, entre outras, as mencionadas a seguir:

Saiba tudo sobre: Trombose venosa profunda: detecção e prevenção

Conclusão

A atorvastatina é um medicamento que pertence à família das estatinas. Principalmente, é utilizada para a prevenção das doenças cardiovasculares.

No entanto, não esqueça que a melhor prevenção é seguir hábitos de vida saudáveis, como praticar esportes diariamente, seguir uma alimentação equilibrada e evitar os hábitos tóxicos, como fumar.

  • Goes, P., Lima, A. P. S., Melo, I. M., Rêgo, R. O. C. C., & Lima, V. (2010). Effect of Atorvastatin in radiographic density on alveolar bone loss in wistar rats. Brazilian Dental Journal. https://doi.org/10.1590/S0103-64402010000300003
  • Fernández de Bobadilla, J., Moreno, R., Fernández, C., Martínez García, A., Sánchez Maestre, C., & Ezpeleta Echevarri, D. (2009). Efecto del tratamiento intensivo con atorvastatina frente a dosis estándar de estatinas en el riesgo de ictus de pacientes con enfermedad coronaria previa. Metaanálisis de cinco ensayos aleatorizados con 25.709 pacientes. Revista de Neurología. https://doi.org/10.33588/rn.4811.2009069
  • Soler, A., Deig, E., Guil, J., Rodríguez-Martín, M., Guelar, A., & Pedrol, E. (2006). Eficacia y tolerancia de la atorvastatina en el tratamiento de la dislipemia secundaria a tratamiento antirretroviral. Medicina Clinica. https://doi.org/10.1157/13091265