Infarto agudo do miocárdio

5 de janeiro de 2018
Chamamos de infarto do miocárdio a morte das fibras musculares do coração. É uma emergência médica de extrema severidade devido à sua alta taxa de mortalidade.

O infarto agudo do miocárdio é uma emergência médica de extrema severidade, devido à sua alta taxa de mortalidade. Além disso, é uma das principais causas de morte em nosso ambiente, juntamente com o câncer.

Geralmente, denomina-se “infarto agudo do miocárdio” a morte das fibras musculares do coração.

Com base nos resultados que aparecem no eletrocardiograma, os ataques cardíacos podem ser classificados como:

  • Infarto agudo do miocárdio com elevação do segmento ST.
  • Infarto agudo do miocárdio sem elevação do segmento ST.

Esta classificação é muito útil, pois determina o tratamento inicial que o paciente deve receber da equipe médica.

Epidemiologia do infarto agudo do miocárdio

Infarto agudo do miocárdio

  • O infarto do miocárdio é a causa de cerca de 13 milhões de mortes por ano.
  • É um pouco mais comum nos homens do que nas mulheres. Estima-se que na Europa 1/6 dos homens, em comparação com 1/7 das mulheres, morrerão de infarto do miocárdio.

Fatores de risco

Há uma série de fatores que aumentam o risco de ataque cardíaco, alguns deles corrigíveis, como os hábitos tóxicos. Os mais relevantes são:

  • Idade maior de 65 anos.
  • Sexo masculino.
  • Diabetes mellitus.
  • Hipertensão arterial.
  • Colesterol elevado
  • Obesidade, tabagismo, uso de drogas, estilo de vida sedentário, entre outros.
  • Presença de outras patologias cardíacas.

Como é um ataque cardíaco?

A causa mais comum é a oclusão das artérias coronárias, as artérias que irrigam o coração, por um trombo. Procede, na maioria dos casos, de uma placa de gordura que se acumula nas artérias.

Quando a placa gordurosa (ateroma) se rompe, desprende-se um pedaço, e este irá percorrer a circulação sanguínea. Finalmente, alcançará as artérias coronárias e as irá obstruir. Dessa forma, o coração fica sem fluxo de sangue.

Embora seja mais raro, em alguns casos o trombo pode ser produzido por excesso de coagulação sanguínea. Outras causas raras são a dissecção aórtica, anomalias congênitas, traumatismos, entre outros.

O que nos indica que um ataque cardíaco está ocorrendo?

Infarto agudo do miocárdio

Os sintomas de um ataque cardíaco são bem conhecidos de todos. Mesmo assim, para determinar com certeza que existe um ataque cardíaco, uma série de requisitos clínicos devem ser atendidos. Esses requisitos são:

  • Sintomas de infarto.
  • Evidência no eletrocardiograma.
  • Encontrar um trombo nas artérias coronárias.
  • Evidência de danos cardíacos em testes bioquímicos.

Quais são os sintomas e sinais de infarto do miocárdio?

  • Dor torácica. É repentina e prolongada (mais de 30 minutos normalmente). É percebida no centro do tórax, como um peso ou pressão muito intensa. Geralmente se estende ao braço e ao ombro esquerdo, incluindo o pescoço e o maxilar.
  • Suor muito abundante.
  • Náuseas e vômitos.
  • Palidez.
  • Sensação de falta de ar, dificuldade em respirar.

Apresentações atípicas:

Homem com dor no peito

O ataque cardíaco nem sempre se apresenta como dor no peito. Embora a apresentação típica do infarto seja a mais comum, em algumas ocasiões, especialmente nos idosos e nos diabéticos, o quadro clínico que aparece é diferente.

  • Infarto do miocárdio sem dor (30%). Ele tem extrema e inexplicável fraqueza, transpiração, náuseas e vômitos, palidez, dificuldade respiratória, mas não há dor.
  • Infarto com dor, mas com características atípicas. Alguns pacientes sentem dor no abdômen, pescoço e mandíbula…. Na verdade, embora seja relativamente raro, diante de um paciente com dor abdominal aguda é necessário realizar um eletrocardiograma.

O que encontramos no eletrocardiograma de uma pessoa que sofre um ataque cardíaco?

As alterações do eletrocardiograma dependem do momento em que é realizado. Ou seja, à medida que o infarto evolui, o traçado muda.

Mesmo assim, os elementos mais característicos são:

  • Alteração das ondas T, que se tornam muito pontiagudas e altas. Indica isquemia subendocárdica.
  • No caso de infarto com elevação do segmento ST, este se eleva mais de 1 mm em mais de duas derivações. No infarto sem elevação do segmento ST, o resto dos achados patológicos aparecem.
  • É possível encontrar ondas Q, que indicam necrose.

É possível encontrar pacientes com sintomas de infarto e um ECG normal. Isso nunca deve ser uma razão para excluir um possível ataque cardíaco.

O que são os marcadores bioquímicos? Como eles podem ser usados ​​para diagnosticar um ataque cardíaco?

Os marcadores bioquímicos são uma série de moléculas que podem ser detectadas no sangue, mediante sua análise. Suas concentrações aumentam ou diminuem gradualmente em certas situações, as quais são usadas para fins de diagnóstico.

No caso do infarto do miocárdio, os marcadores usados ​​são proteínas que as fibras musculares liberam quando morrem. Essas proteínas são:

  • A mioglobina
  • O CPK-MB.
  • As troponinas.

As troponinas são as únicas que são liberadas exclusivamente nas células do coração. As outras duas proteínas são liberadas por ambas as células cardíacas, e o resto das fibras de outros músculos. Essa é a razão pela qual as troponinas são os marcadores mais específicos para o diagnóstico de infarto cardíaco.

Como é diagnosticado?

Infarto agudo do miocárdio

  • Histórico clínico muito detalhado e exame físico completo.
  • Na presença de um paciente que pode sofrer de um ataque cardíaco, a realização do ECG não deve ser adiada.
  • Análise bioquímica.
  • Técnicas de imagem, tanto invasivas como não invasivas.

A ecografia cardíaca é a técnica mais valiosa, pois não é invasiva e, além disso, é relativamente rápida. Em relação aos testes invasivos, a técnica que oferece os melhores resultados é a angiografia coronária (coronariografia).

Leia também: A obstrução das artérias coronárias e o perigo que representam para a saúde

Tratamento do infarto agudo do miocárdio

Os objetivos do tratamento são a redução do tamanho do infarto, e o diagnóstico precoce e tratamento de possíveis complicações.

O tratamento do infarto agudo do miocárdio deve ser imediato. 30% dos pacientes morrem na primeira hora, sendo a causa mais frequente a fibrilação ventricular.

Cuidados imediatos

  • Monitoramento de sinais vitais: frequência cardíaca e respiratória, saturação de oxigênio e pressão arterial.
  • Restauração e administração de fluidos.
  • Oxigênio através de cateter nasal se a saturação for inferior a 95%
  • Tratamento da dor e ansiedade com opiáceos (cloreto mórfico) e ansiolíticos. A ansiedade e a dor aumentam o trabalho do coração, o que pode acabar por aumentar o tamanho do infarto.
  • Antiagregantes: ácido acetilsalicílico (250 mg) com inibidor de P2Y12.
  • Betabloqueadores para controlar a pressão sanguínea.
  • Atropina para controlar a frequência cardíaca.

Tratamento de reperfusão

Baseia-se na recanalização da artéria obstruída e seu benefício é máximo nas primeiras 12 horas. Existem duas maneiras de fazê-lo:

  • Usando drogas fibrinolíticas. Eles são indicados quando a angioplastia não é possível nas primeiras 2 horas após o diagnóstico. Após a administração das drogas o paciente deve ser encaminhado para um centro especializado, para realizar a angioplastia.
  • Angioplastia urgente. É a técnica de escolha, e pode ser feita nas primeiras duas horas a partir do contato médico.

 

Recomendados para você