Assaduras: sintomas, tipos e tratamento

A assadura é um dos problemas de pele mais comuns em bebês. Embora geralmente não cause complicações, é algo bastante incômodo. Como podemos evitá-la? Explicaremos todos os detalhes a seguir.
Assaduras: sintomas, tipos e tratamento

Última atualização: 18 Fevereiro, 2021

As assaduras constituem a doença de pele mais comum observada em bebês. Geralmente, trata-se de uma condição leve e autolimitada que requer intervenção mínima.

Costuma ser observada no bumbum e na região genital, mas também na parte inferior do abdômen e na parte superior das coxas devido ao contato com agentes irritantes.

Segundo informações publicadas na Pediatric Dermatology, essa condição está associada à fricção, hiperidratação da pele, alterações no pH da pele, entre outros. Além disso, é mais prevalente durante o primeiro ano de vida do bebê. Quais são os seus sintomas? Como intervir?

Sintomas das assaduras

A assadura é uma reação inflamatória da pele ao redor da área da fralda. Os bebês têm a pele mais fina, o que produz menos secreções e os torna mais suscetíveis a infecções ou irritações. Mesmo assim, o fator que mais afeta essa condição é a oclusão da pele pela fralda.

Os sintomas dependem da gravidade e do tempo de evolução da dermatite. De acordo com informações compiladas pela Sociedade Espanhola de Pediatria Externa e Atenção Básica, algumas das manifestações clínicas são as seguintes:

  • Coceira de intensidade variável.
  • Vermelhidão sutil em quadros leves.
  • Inflamação intensa (pode até haver sangramento em casos graves).
  • O bebê pode alterar seu comportamento pela irritação significativa na região da fralda.
Criança com alergia na pele
A assadura é uma reação inflamatória localizada na região da fralda. Seus sintomas incluem vermelhidão, coceira e irritação.

Quais são as causas?

As assaduras são o resultado de uma combinação de vários fatores, como aumento da umidade, contato prolongado com urina ou fezes e outros irritantes, como detergentes.

A segunda causa mais comum de assaduras é a infecção. Especificamente, a infecção fúngica, especialmente o fungo Candida albicans, é a causa infecciosa mais comum. Outras micoses também podem estar associadas às assaduras, como:

  • Infecção por dermatofitose.
  • Exacerbação da dermatite seborréica por Malassezia.
  • Condições pseudomicóticas, como eritrasma.

Tipos de assaduras

As assaduras são qualquer doença da pele que ocorra na área forrada da fralda. Por sua vez, essa inflamação pode ser gerada por diversas causas, o que as classifica em diferentes tipos de acordo com a sua origem.

Dermatite de contato irritante

A dermatite de contato irritante é o tipo mais comum de assadura. Seu aparecimento está relacionado ao contato da pele com as fezes e a urina que se acumulam na fralda. Porém, geralmente observam-se dobras inguinais saudáveis, sem alterações cutâneas, por terem menor contato com irritantes.

Para evitar que isso aconteça, estudos da AEPED recomendam a higiene adequada da área e que ela sempre seja mantida limpa e seca. O ideal é fazer diversas trocas de fraldas durante o dia.

Candidíase de fralda

A candidíase de fralda é uma infecção por fungos que é provocada pelo crescimento excessivo de um fungo que normalmente está na microbiota digestiva. Os sinais que a caracterizam são os seguintes:

  • Manchas muito vermelhas.
  • Pele ferida brilhante.
  • Lesões claramente delimitadas.
  • Feridas.
  • Pregas inguinais comprometidas.

Dermatite bacteriana

Em alguns casos, uma dermatite bacteriana, também chamada de impetigo, é observada. No entanto, o estafilococo e o estreptococo frequentemente causam assaduras ou pioram uma existente. Um sinal característico de infecção estreptocócica é a pele vermelha brilhante ao redor do ânus.

Dermatite alérgica

Bebês com pele sensível podem desenvolver algum tipo de reação alérgica a um determinado componente das fraldas ou cremes. Os alérgenos mais comuns incluem o seguinte:

  • Elásticos ou tinturas na fralda.
  • Perfumes.
  • Conservantes em produtos de higiene.

Você pode se interessar: Diproderm: usos e efeitos colaterais

É possível prevenir as assaduras?

O tratamento para as assaduras tem dois objetivos principais: curar a pele machucada e prevenir a recorrência da erupção. Aqui estão algumas estratégias úteis para atingir esse objetivo.

  • Uma boa higiene é essencial para manter a integridade da pele e evitar mais lesões.  A exposição a irritantes, como urina e fezes, pode ser reduzida com trocas frequentes de fraldas e com fraldas superabsorventes que ajudam a reduzir a hiperidratação da pele.
  • Lave e limpe a área da fralda com água e um limpador sem sabão.
  • Estudos da Pediatric Dermatology demonstraram que os lenços umedecidos não causam nenhum dano à pele. Além disso, as novas formulações deste produto, que incluem buffers de pH, ajudam a equilibrar o pH alcalino da urina e a prevenir danos à pele. 
Bebê usando fralda
A melhor forma de prevenir as assaduras é garantindo uma boa higiene e fazendo trocas constantes de fraldas.

Tratamento das assaduras

Qualquer que seja o tipo de infecção na região das fraldas, ela deve ser diagnosticada e tratada pelo pediatra ou dermatologista. De acordo com o tipo de lesão cutânea e a sua distribuição, será estabelecido um diagnóstico correto e opções de tratamento.

  • Em caso de dermatite de contato irritante, recomenda-se higiene adequada e permanência ao ar livre por alguns minutos. Depois, o ideal é aplicar uma mistura à base de pasta de Lassar.
  • Se uma superinfecção por fungos for adicionada a este quadro, é indicado aplicar uma pomada tópica com imidazois.

Observação: o uso de cremes corticosteroides na área das fraldas é totalmente contraindicado.

Quando procurar um médico?

Se a dermatite do bebê não for resolvida com as medidas citadas, deve-se fazer uma consulta médica para que seja indicada a medicação correspondente. Além disso, deve haver uma consulta imediata em caso de supuração, feridas, febre ou qualquer outra manifestação clínica de uma complicação.

Na maioria dos casos, esses tipos de problemas dermatológicos melhoram com cuidados básicos, como evitar o uso de irritantes e garantir uma boa higiene. Ainda assim, é aconselhável informar o pediatra sobre os sintomas.

It might interest you...
Quando a criança deve deixar as fraldas
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Quando a criança deve deixar as fraldas

Devemos nos perguntar qual é o melhor momento para o nosso filho deixar as fraldas ou questionar se ele está realmente preparado para isso?



  • Carr AN, DeWitt T, Cork MJ, et al. Diaper dermatitis prevalence and severity: Global perspective on the impact of caregiver behavior. Pediatr Dermatol. 2020;37(1):130-136. doi:10.1111/pde.14047
  • Ravanfar P, Wallace JS, Pace NC. Diaper dermatitis: a review and update. Curr Opin Pediatr. 2012 Aug;24(4):472-9. doi: 10.1097/MOP.0b013e32835585f2. PMID: 22790100.
  • Blume-Peytavi U, Kanti V. Prevention and treatment of diaper dermatitis. Pediatr Dermatol. 2018 Mar;35 Suppl 1:s19-s23. doi: 10.1111/pde.13495. PMID: 29596731.
  • Kellen PE. Diaper dermatitis: differential diagnosis and management. Can Fam Physician. 1990;36:1569-1572.
  • (2016). Dermatitis del pañal y trastornos relacionados. PediatríaIntegral, 151. https://www.pediatriaintegral.es/wp-content/uploads/2016/05/Pediatria-Integral-XX-03_WEB.pdf#page=7
  • (2012). Trastornos cutáneos más frecuentes del recién nacido y del lactante. Dermatitis del pañal. PediatríaIntegral, 195. https://www.pediatriaintegral.es/wp-content/uploads/2012/06/Pediatria-Integral-XVI-3.pdf#page=7
  • Bonifaz A, Rojas R, Tirado-Sánchez A, et al. Superficial Mycoses Associated with Diaper Dermatitis. Mycopathologia. 2016;181(9-10):671-679. doi:10.1007/s11046-016-0020-9