As crianças precisam dos seus abraços para se sentirem parte do mundo

· 4 de fevereiro de 2019
Você sabia que o contato físico favorece a conexão neuronal e acelera o desenvolvimento de estruturas cerebrais? Os abraços também ajudam a fortalecer o sistema imunológico e transmitem calma.

As crianças chegam a este mundo nuas e necessitadas de calor, emoções, e antes de mais nada, raízes nas quais crescer. Os abraços, acreditemos ou não, fundamentam o bom crescimento emocional e físico destes pequenos seres.

É possível que mais de uma pessoa já tenha se surpreendido com a expressão “abraços para se sentir parte do mundo”. Essa ideia denota, na realidade, a necessidade básica de oferecer segurança e reconhecimento à criança.

Uma criança segura, que se sente reconhecida e valorizada através do afeto dos abraços, do carinho e das palavras positivas, obtém o ânimo necessário para se abrir ao mundo com uma melhor autoestima.

Te convidamos a refletir sobre isso.

Preciso dos seus abraços para encontrar a mim mesmo

Preciso dos seus abraços para encontrar a mim mesmo

Algo que devemos saber é a importância do contato físico na criação de uma criança. Nos orfanatos, os bebês que não recebem carinho, abraços e palavras constantes não se desenvolvem de forma saudável.

Uma criança que chora e não é atendida deixará de chamar a atenção do adulto porque entende que não vai ser respondido. Um pranto que não se atende gera estresse no cérebro do pequeno.

Uma criança que não recebe apoio constante, desenvolve um sistema imunológico mais fraco. Além disso, suas estruturas cerebrais estarão marcadas pela ansiedade e por um sentimento de vulnerabilidade.

O contato físico são estímulos sensoriais que favorecem a conexão neuronal. Quanto mais carinho, mais abraços, e mais palavras, favorecemos um maior tecido neuronal e o desenvolvimento mais rápido das estruturas cerebrais.

Não hesite, portanto, em oferecer todo o contato físico que for possível nestes primeiros anos de vida do seu filho. A união que você estabelece com ele vai muito além da pele, é a magia dos sentidos que constroem pontes para que a criança, no dia de amanhã, se sinta mais segura, mais feliz.

Leia também: Ser mãe é ter o coração fora do corpo

O efeito tranquilizador dos abraços

O efeito tranquilizador dos abraços

O carinho e os abraços são gestos terapêuticos carregados de significado. O que acontece em nosso cérebro com essa união da pele e da alma gera mudanças muito interessantes que devemos levar em conta.

Os abraços relaxam

Quando nos acariciam ou abraçam com intensidade, nosso cérebro secreta oxitocina. Este hormônio regula os estados de tristeza, tem um efeito calmante nas crianças e nos adultos, e aumenta as nossas defesas naturais.

Não é necessário que uma criança chore para que o abracemos. Qualquer momento é propício para abraçá-lo.

Os abraços têm mais poder se vêm de pessoas significativas

Todos nós sabemos que quando as crianças ficam maiores, esse tipo de gesto causa a elas um certo incômodo. Elas reclamam que querem ter independência e veem essas demonstrações de afeto como algo que deve ser restrito à infância.

Ainda que elas os evitem, em seu interior seguem nos agradecendo. Demonstramos que as amamos, que lhes damos valor como pessoas, e as reconhecemos como parte importante de nós mesmos. De nossa família.

Devemos ter em mente que um abraço tem mais poder se for oferecido por alguém que amamos. Uma criança agradecerá um abraço de sua professora, mas os de sua mãe e de seu pai sempre oferecem mais calma, mais emoção.

Uma forma através da qual nossos filhos poderão integrar este bom hábito de dar abraços é que os vejam diariamente dentro de casa. Devem ser algo normal e cotidiano.

Não deixe de ler: Fortaleça as relações familiares

Abraços para afastar medos

Ter um dia ruim, ter um pesadelo, demonstrar insegurança, medo, ter dúvidas, sentir frio, sentir inquietação… qualquer uma dessas dimensões pode ser aliviada e apagada com os abraços.

O desenvolvimento emocional de uma criança costuma atravessar muitas dessas situações. Em algumas ocasiões, não nos damos conta de que eles tiveram um dia ruim na escola, de que os ciúmes por seus irmãos fazem com que pensem coisas erradas…

Por isso, em algumas ocasiões, o poder de um abraço é superior ao de uma palavra. Não hesite em abraçá-los quando eles precisarem ou quando notar que seus sorrisos estão apagados. Rapidamente você vai perceber como a expressão deles muda, e como desaparecem essas sombras momentâneas que todos nós temos.

Os abraços nos unem às pessoas que amamos e destroem medos e inseguranças. Os abraços nos dão raízes e nos fazem parte do mundo.

  • Barry, R. A., & Kochanska, G. (2010). A Longitudinal Investigation of the Affective Environment in Families With Young Children: From Infancy to Early School Age. Emotion. https://doi.org/10.1037/a0018485
  • Aunola, K., & Nurmi, J. E. (2005). The role of parenting styles in children’s problem behavior. Child Development. https://doi.org/10.1111/j.1467-8624.2005.00840.x-i1
  • Alspach, G. (2004). Hugs and healthy hearts. Critical Care Nurse.