Ser mãe é ter o coração fora do corpo

Ainda que nos custe, é importante deixar que os nossos filhos tomem as suas próprias decisões e errem, pois eles devem viver suas próprias experiências para aprenderem e crescerem.
Ser mãe é ter o coração fora do corpo

Última atualização: 17 janeiro, 2019

Ser mãe é uma escolha pessoal que cada mulher pode tomar quando acredita que é o momento.

Não importa que você seja jovem, ou esteja naquele momento de equilíbrio pessoal e profissional onde, por fim, você diz para si mesma e ao seu parceiro que deseja dar o passo.

Ser mãe muda sua vida. Estabelece-se outra ordem de prioridades, o mundo é visto através de outra perspectiva e varia também o modo como você vê a si mesma.

Nada pode ser tão grande e, ainda que você seja muito consciente de sua responsabilidade, é algo vivido com emoção e plenitude.

É muito comum dizer que ser mãe é ter o coração fora do corpo. É verdade, no entanto, também é preciso observar o papel dos pais, esse companheiro que lhe ajuda e que enriquece a sua vida, e que também é fundamental na vida de uma criança.

Em troca, se você e seu filho formarem uma família monoparental, também gerará medo e dúvidas. Porque a maternidade dá às mulheres uma sabedoria inata, onde os cuidados e essa conexão mágica com o seu filho é algo que vai crescendo dia após dia.

Laços afetivos desde o nascimento

Muitos especialistas dizem que o momento do parto é uma explosão hormonal capaz de criar uma ligação muito forte com a criança que acaba de chegar.

A oxitocina, por exemplo, é tão poderosa que, por vezes, pode não só aumentar essa união, esse vínculo com o recém-chegado bebê, mas também pode provocar estresse, sofrimento e essa sensação tão comum de…

Será que estou fazendo direito? Você está chorando porque estou fazendo algo de errado?

Sofrer nas primeiras semanas é algo normal. Os bebês parecem muito frágeis, mas, na realidade, são seres destinados a viver e conseguem isso graças à sua força, e você cria esse vínculo com ele desde quando ele cresce dentro de você até o final da gravidez.

A importância de acariciar o seu bebe, de deixá-lo perto do seu coração

Mae-e-filho

Certamente mais de uma vez você ficou espantada com notícias de bebês que morrem ao nascer e, que ao serem levados para perto do calor de sua mãe, a criança, de forma quase espontânea, começa a chorar. Começa a viver.

A pele da mãe é uma extensão do filho e, portanto, é vital que não se perca essa união durante os primeiros meses.

É parte de seu coração e, nesses períodos, seu filho precisa encontrar segurança e amor. É esse apego que toda criatura precisa quando vem ao mundo.

Você sabe que terá que cuidar sempre dele, mais o ajudará a ser independente, maduro e feliz

Seus filhos sempre serão parte de você, mas você os treinará para que sejam bons habitantes deste mundo.

E, para isso, não hesitará em promover a sua união com cada aspecto de sua vida diária, mas sabendo que a superproteção não é adequada.

As crianças devem ser capazes de aprender a se sentirem úteis, e ver que são capazes de fazer as coisas por si mesmas, e que a vida, em algumas ocasiões, também exige esforço e dedicação.

Você estará sempre com eles, apoiando e dando confiança para que se sintam seguros e alcancem cada estrela que habita em seus sonhos.

Ser mãe é oferecer os valores da terra e os valores do coração

Mae-com-bebe

Você oferecerá ao seu filho aqueles valores que você possui e que sabe que ajudará a ser uma pessoa íntegra, feliz e, acima de tudo, capaz de fazer deste mundo um lugar muito melhor.

  • Como mãe, você ensinará o valor de ser livre, de ser capaz de tomar suas próprias decisões, de saber escutar sua voz e defender suas opiniões.
  • O ensinará cada dia a ter respeito pela natureza e por todo ser vivo. Porque todos merecemos viver em respeito e equilíbrio, porque a Terra é um lugar de harmonia e que merece ser defendido.
  • Ensinará a ele o valor do respeito, do simples ato de confiar em si mesmo e nos demais para unir vínculos, para saber estabelecer relações positivas e estáveis.
  • O fará compreender o valor do amor. O amor que deve começar primeiro por ele mesmo e que deve acompanhá-lo por toda a vida, e mostrará que para oferecer amor aos demais, devemos deixar de lado o ego, a manipulação e o engano.

Ser mãe não é fácil. Requer uma dedicação de 24 horas ao dia, 12 meses ao ano, e durante uma vida inteira. Porém, é uma obrigação que não pesa e que, por sua vez, enriquece.

Porque cada dia você aprende coisas novas com seus filhos; um olhar de uma criança é sempre como uma janela para a nossa alma, a essa essência pura onde conseguimos revitalizar muitas coisas.

Não hesite em seguir os seus instintos, suas intuições, porque seu coração sempre o guiará pelo melhor caminho para educar pessoas felizes.

This might interest you...
Como ter sucesso na educação emocional dos filhos
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Como ter sucesso na educação emocional dos filhos

Ensine seus filhos a lidar bem com as suas emoções e com as emoções dos outros; uma receita para uma educação emocional bem-sucedida.



  • Chavis, L. (2016). Mothering and anxiety: Social support and competence as mitigating factors for first-time mothers. Social Work in Health Care, 55(6), 461–480. https://doi.org/10.1080/00981389.2016.1170749
  • Cong, X., Ludington-Hoe, S. M., Hussain, N., Cusson, R. M., Walsh, S., Vazquez, V. et al. (2015). Parental oxytocin responses during skin-to-skin contact in pre-term infants. Early Human Development, 91(7), 401–406. https://doi.org/10.1016/j.earlhumdev.2015.04.012
  • Feldman, R., Gordon, I., Schneiderman, I., Weisman, O., & Zagoory-Sharon, O. (2010). Natural variations in maternal and paternal care are associated with systematic changes in oxytocin following parent–infant contact. Psychoneuroendocrinology, 35(8), 1133–1141. https://doi.org/10.1016/j.psyneuen.2010.01.013
  • Galbally, M., Lewis, A. J., van IJzendoorn, M., & Permezel, M. (2011). The Role of Oxytocin in Mother-Infant Relations: A Systematic Review of Human Studies. Harvard Review of Psychiatry, 19(1), 1–14. https://doi.org/10.3109/10673229.2011.549771
  • Howarth, A. M., & Swain, N. R. (2019). Skills-based childbirth preparation increases childbirth self-efficacy for first time mothers. Midwifery, 70, 100–105. https://doi.org/10.1016/j.midw.2018.12.017
  • Szymanska, M., Schneider, M., Chateau-Smith, C., Nezelof, S., & Vulliez-Coady, L. (2017). Psychophysiological effects of oxytocin on parent-child interactions: A literature review on oxytocin and parent-child interactions. Psychiatry and Clinical Neurosciences, 71(10), 690–705. https://doi.org/10.1111/pcn.12544