As atividades mais prazerosas não relacionadas ao sexo

2 de julho de 2019
Algumas das atividades mais prazerosas que existem não precisam de nenhum tipo de equipamento e podem ser praticadas diariamente para que você se sinta muito melhor, consigo mesma e com os outros a sua volta.

As 5 atividades mais prazerosas

1. Dançar

Em primeiro lugar, quando dançamos liberamos endorfina, melhoramos a elasticidade dos músculos e articulações. Também reduzimos o nível de estresse e ansiedade, queimamos gordura e melhoramos a circulação sanguínea. São suficientes motivos para você iniciar no mundo na dança. Além disso, é uma das atividades mais prazerosas e divertidas que potência também nossas relações sociais.

Por tudo isso, ter um encontro marcado com a pista de baile uma vez por semana só traz coisas boas para a sua vida. E se você não sabe ou acredita que não é para você, pode começar as aulas de dança.
Finalmente, seja dança de salão, regional, jazz, hip hop ou dança clássica, dançar ajuda a nos desinibirmos e a socializar. Este é um dos motivos que a dança seja uma das atividades mais prazerosas que você pode escolher.

 

2. Cozinhar

Cozinhar é a arte que certamente mais prazer oferece. Uma das necessidades básicas, como a alimentação, pode converter-se em uma maneira de desfrutar sem limites, tanto para nós como para os que nos rodeiam. Por esses motivos, aconselhamos que você faça algum curso de cozinha, caso queira aprimorar e/ou ampliar seus dotes culinários.

A ideia é que você aprenda a se alimentar e, ao mesmo tempo, desfrute com o preparo. Seja qual for sua opção de cozinha (vegetariana, vegana, etc.), existe uma infinidade de ideias para surpreender e fazer com que seus amigos e familiares desfrutem de suas criações.Cozinhar, uma das atividades mais prazerosas

Veja também: Prepare esses deliciosos biscoitos caseiros e surpreenda as suas visitas

3. Aprender a fazer massagem

O que pode existir de mais reconfortantes do que receber uma boa massagem? Talvez aprender a dar uma boa massagem. O fato de estudar anatomia e aprender o funcionamento do corpo para poder ajudar os outros pode ser uma das atividades mais prazerosas. Em especial se depois de aprender você conseguir pôr em prática, por exemplo, com seu companheiro.

Massagens em algumas partes do corpo, em especial, pode nos fazer estremecer de prazer como, por exemplo, nos pés ou na cabeça. O ponto chave está em combinar uma massagem intensa intercalada com toques quase imperceptíveis. O resultado nos deixará quase sem respiração.

4. Acampar ao ar livre

Sem dúvida alguma, uma das atividades que tem fascinado milhões de pessoas é acampar ao ar livre. A sensação de liberdade que se experimenta e a emoção de passar a noite em plena natureza nos devolve a raiz do ser humano. Além disso, acampar ao ar livre traz certa adrenalina, uma vez que se sai da zona de conforto e faz com que fiquemos expostos aos elementos da mãe natureza.

Do mesmo modo, quando você se desconecta da rotina e esquece de tantas obrigações, consegue se encontrar com seu eu interior, ajuda nas relações com a família e com os amigos. Acampar cria momentos de brincadeiras, de encontros, de compartilhamento e de sinceridade. O simples fato de olhar para o céu em uma noite estrelada no meio de um bosque é, em si, uma das atividades mais prazerosas.Acampar, uma das atividades mais prazerosas

 

Leia também: 15 atividades para fazer com a família

5. Escrever é uma das atividades mais prazerosas não relacionadas ao sexo

Ainda que possa parecer algo insignificante ou irrelevante, ter o hábito de escrever pode proporcionar muita satisfação. Além disso, o prazer de criar uma história e transformá-la em um livro é uma atividade que todo mundo deveria tentar. Sem dúvida, esta ação potencia a imaginação, nos converte em observadores da nossa própria realidade, nos obriga a aprender e faz com que se haja mais disciplina.

Por outro lado, escrever não apenas serve como meio para desabafarmos, mas também que você pode ter um documento com as coisas que te preocupa em todas as épocas. E, desta forma, você poderá constatar sua evolução pessoal. A criatividade é infinita e é muito construtivo deixar escrito nossos anseios, nossos poemas de amor e desenganos.

Finalmente, quais dessas atividades você acredita que aporta mais prazer a sua vida?

  • Kim, M. J., & Lee, C. W. (2016). Health benefits of dancing activity among Korean middle-aged women. International journal of qualitative studies on health and well-being, 11, 31215. doi:10.3402/qhw.v11.31215
  • Keogh, J. W. L., Kilding, A., Pidgeon, P., Ashley, L., & Gillis, D. (2009). Physical benefits of dancing for healthy older adults: A review. Journal of Aging and Physical Activity. Human Kinetics Publishers Inc.
    https://doi.org/10.1123/japa.17.4.479"; target=”_blank” rel=”noopener”>https://doi.org/10.1123/japa.17.4.479<;/a>

  • Quiroga Murcia, C., Kreutz, G., Clift, S., & Bongard, S. (2010). Shall we dance? An exploration of the perceived benefits of dancing on well-being. Arts & Health, 2(2), 149–163.
    https://doi.org/10.1080/17533010903488582"; target=”_blank” rel=”noopener”>https://doi.org/10.1080/17533010903488582<;/a>

  • “Write to Heal” in SA Mind 24, 5, 17 (November 2013) doi:10.1038/scientificamericanmind1113-17b
  • Pearson, D. G., & Craig, T. (2014). The great outdoors? Exploring the mental health benefits of natural environments. Frontiers in psychology, 5, 1178. doi:10.3389/fpsyg.2014.01178
  • Mills, S., Brown, H., Wrieden, W., White, M., & Adams, J. (2017). Frequency of eating home cooked meals and potential benefits for diet and health: cross-sectional analysis of a population-based cohort study. The international journal of behavioral nutrition and physical activity, 14(1), 109. doi:10.1186/s12966-017-0567-y
  • Maday, L., Pérez, G., Amarilis, L., & Pérez, L. (2016). La Fisioterapia : sus orígenes y su actualidad. Acta Médica Del Centro, 10(3), 88–90.
    https://www.mendeley.com/catalogue/la-fisioterapia-sus-or%C3%ADgenes-y-su-actualidad/” target=”_blank” rel=”noopener”>https://www.mendeley.com/catalogue/la-fisioterapia-sus-or%C3%ADgenes-y-su-actualidad/

  • Gajardo C. Carolina, C. M. P. (2007). MASOTERAPIA. ESCUELA DE KINESIOLOGIA, UNIVERSIDAD DE TALCA., 1–20.