Apendicite na gravidez: quais são os riscos

· 30 de agosto de 2018
A apendicite durante a gravidez é a complicação cirúrgica mais frequente durante esta fase. Se não for identificada precocemente, pode piorar e aumentar o risco para a mãe e o feto

A apendicite é uma condição que pode acontecer a qualquer momento na vida de uma mulher, inclusive durante a gravidez.

De fato, entre a comunidade médica, é dito que a apendicite é a complicação mais frequente durante a gravidez. A identificação da condição dependerá da experiência do especialista, da suspeita do diagnóstico e também do tempo de evolução do quadro clínico.

No entanto, se a apendicite não for identificada precocemente, ela pode ser agravada durante a gravidez, e o risco pode aumentar dependendo das semanas de gestação. Além disso, não afeta apenas a mãe, mas ameaça o bem-estar do feto.

O que é a apendicite?

A apendicite é a inflamação do apêndice, que está localizado na área onde o intestino grosso começa. A principal causa dessa condição é a obstrução de um pequeno duto conhecido como apêndice lúmen.

Isso, por sua vez, causa um rápido alongamento dos tecidos devido à tensão; como resultado, as fibras nervosas são estimuladas e causam dor.

Além disso, à medida que a distensão progride, uma perfuração pode ocorrer na área. A perfuração no apêndice é o fator mais importante em relação à morte fetal e materna, o que aumenta o risco da apendicite durante a gravidez.

Sintomas clássicos da apendicite

A apendicite na gravidez gera incômodos no abdômen

Os sintomas da apendicite na gravidez são semelhantes aos de uma mulher não grávida. No entanto, devido às mudanças normais na gravidez, esses sintomas podem variar um pouco e podem até confundir os médicos:

  • Dor na fossa ilíaca direita (quadrante inferior direito)
  • Náusea e vômito
  • Leucocitose
  • Espasmos
  • Rigidez, dor e hipersensibilidade abdominal
  • Febre
  • Taquicardia
  • Constipação. Ocasionalmente, diarreias podem ocorrer

Complicações

O tratamento da apendicite na gestação deve ser cirúrgico e urgente, independentemente da idade gestacional. No entanto, existem desafios muito particulares para o cirurgião devido às mudanças normais que a gravidez traz.

Durante a gravidez, a mulher passa por certas mudanças anatômicas com relação à posição de alguns órgãos, incluindo o apêndice. Nestes casos, é dito que há deslocamento dos órgãos internos. Além disso, há outras modificações importantes (por exemplo, o útero aumenta de tamanho e a palpação abdominal é difícil).

As alterações acima mencionadas afetam o diagnóstico. Há certos pontos de hipersensibilidade, como o ponto de McBurney, que mudam durante a gravidez, dificultando a identificação correta da apendicite aguda.

Além disso, existem outras alterações fisiológicas que afetam a interpretação dos exames laboratoriais e o exame físico. Destaca-se a anemia, a diminuição da frequência cardíaca ou leucocitose, entre outras condições

Se o diagnóstico não for feito a tempo, pode levar a complicações de saúde como as seguintes:

  • Abscesso localizado
  • Peritonite difusa
  • Pileflebite
  • Aborto
  • Parto prematuro
  • Morte fetal
  • Morte materna
  • Sepse generalizada
  • Infecção urinária
  • Diagnóstico diferencial

Apendicite: um diagnóstico difícil

A apendicite na gravidez causa dor de ventre e de cabeça

Além dos riscos da apendicite na gravidez e suas complicações, o diagnóstico difícil é adicionado. Os especialistas geralmente realizam exames alternativos que lhes permitam descartar doenças com sintomas semelhantes. Este procedimento é chamado de diagnóstico diferencial.

Entre o dito grupo de doenças estão as infecções urinárias, estase, cistos ovarianos retorcidos, dor postural, sintomas precoces de aborto ou trabalho de parto, entre outros problemas de saúde.

Os riscos da apendicite na gravidez

O risco da apendicite na gravidez depende diretamente do diagnóstico precoce e da remoção do apêndice doente. Se for tratado a tempo, as complicações e os riscos diminuem consideravelmente.

A apendicite na gravidez é grave para a mãe. No entanto, o prognóstico é muito mais arriscado para o feto. Devido à perfuração do apêndice, o bebê pode morrer horas depois ou morrer antes do nascimento.

As estatísticas sobre o risco da apendicite na gravidez variam de acordo com várias pesquisas. A porcentagem de nascimentos prematuros e abortos atinge 8,3% e 2,6% da população estudada. Por outro lado, alguns outros autores definiram a mortalidade materna quase em zero em comparação a uma porcentagem variável entre 0 e 11% para o feto.

Conclusões

Em resumo, o risco da apendicite na gravidez piora dependendo do estado da gravidez da gestante, que pode resultar em complicações fetais e infecção na sala cirúrgica.

Por esse motivo, o diagnóstico precoce permite que a mulher e seu bebê sejam tratados de maneira oportuna, com um mínimo de complicações e riscos.