Antiarrítmicos e suas combinações apropriadas

12 Outubro, 2020
Independentemente da arritmia a ser tratada, os objetivos da terapia antiarrítmica são controlar os sintomas e melhorar a sobrevida.

Os antiarrítmicos são medicamentos utilizados no tratamento sintomático e preventivo da deterioração da função cardíaca devido à taquicardia e ritmo irregular.

Sua função é modificar o automatismo, os períodos refratários e a velocidade de condução das células cardíacas. O principal objetivo da terapia antiarrítmica é controlar os sintomas e melhorar a sobrevida.

No entanto, a eficácia dos antiarrítmicos é moderada e eles têm uma margem terapêutica reduzida. Em alguns casos, eles podem até ser fatais se não forem usados ​​adequadamente.

Tipos de antiarrítmicos

Controle do ritmo cardíaco com antiarrítmicos

Dependendo do principal mecanismo de ação, os antiarrítmicos são classificados da seguinte forma:

Antiarrítmicos classe I

Os antiarrítmicos deste grupo trabalham bloqueando os canais de sódio. Entre eles, os mais utilizados são flecainida e propafenona.

Entretanto, podem se tornar perigosos em pacientes com certos tipos de problemas cardíacos, especialmente se tiverem um ataque cardíaco prévio ou depressão da função de contração cardíaca.

Dependendo das suas características, esse grupo é dividido em:

  • Classe IA: inclui disopiramida e procainamida; são de cinética intermediária. Agem prolongando a duração do potencial de ação, a repolarização e os intervalos PR, QRS e QT.
  • Classe IB: lidocaína e fenitoína. Esses medicamentos têm uma cinética rápida e reduzem ou encurtam o potencial de ação. Eles também podem diminuir a repolarização e o intervalo QT.
  • Classe IC: são os mais utilizados. Eles têm cinética lenta. Produzem pouco efeito sobre o potencial de ação e repolarização. No entanto, prolongam o PR e o QRS e não têm efeito no QT.

Medicamentos antiarrítmicos classe II

Os betabloqueadores estão neste grupo. Os mais utilizados são atenolol, propanolol, metoprolol e bisoprolol.

Destaca-se seu efeito bradicardizante, ou seja, reduz a frequência cardíaca no nó sinusal e atrioventricular. Esses medicamentos podem ser usados ​​em pacientes com e sem doença cardíaca estrutural.

Descubra: 5 chaves para reconhecer um infarto ou ataque cardíaco

Antiarrítmicos classe III

Medicamentos para problemas cardíacos

Este grupo trabalha bloqueando os canais de potássio. Os mais utilizados são a amiodarona e o sotalol. A amiodarona é relativamente segura em pacientes com doença cardíaca estrutural.

As doenças cardíacas estruturais se referem a várias condições cardiovasculares diferentes, mas relacionadas, pois são todas resultado de um problema semelhante, como uma interrupção do fluxo natural de sangue através das câmaras e válvulas internas do coração.

Por outro lado, em relação à amiodarona, apresenta efeitos colaterais frequentes e/ou graves no nível extracardíaco. Um exemplo é que pode produzir toxicidade nas glândulas da tireoide e nos pulmões.

Medicamentos antiarrítmicos classe IV

Os antiarrítmicos da classe IV funcionam bloqueando os canais de cálcio. Entre eles, os mais utilizados são o verapamil e o diltiazem.

Embora fracos como antiarrítmicos, possuem propriedades bradicardizantes, atuando no nó sinusal e atrioventricular. Além disso, eles podem ser perigosos em pacientes com depressão da função contrátil cardíaca.

Você também pode se interessar: Micra: o menor marca-passo do mundo, implantado sem cirurgia

Outras drogas

Existem dois outros medicamentos que não pertencem a nenhum dos grupos acima e que também são usados ​​no tratamento de arritmias.

  • Digoxina: funciona diminuindo os períodos refratários atriais e ventriculares. Além disso, possui propriedades vagotônicas, prolongando a condução e os períodos refratários no nó atrioventricular.
  • Adenosina: diminui a velocidade ou bloqueia a condução no nó atrioventricular. Também pode reverter taquicardias dependentes de condução através do nó atrioventricular.

Indicações antiarrítmicas

Controles com cardiologista

Os antiarrítmicos são recomendados para tratar os seguintes casos:

  • Deter ou controlar um episódio de arritmia.
  • Evitar a repetição de uma arritmia.
  • Prevenir o aparecimento de arritmias graves em situações específicas.

Além disso, são indicados em certas taquicardias documentadas, de acordo com a sua eficácia, segurança e benefício comprovado. Nessas situações, são usados ​​para aliviar os sintomas, melhorar o desempenho cardíaco e evitar a degeneração a uma arritmia maligna.

Quando o paciente apresenta taquicardia supraventricular sustentada, são utilizadas amiodarona, verapamil, digoxina e adenosina. Por outro lado, se houver taquicardia ventricular, é utilizada lidocaína intravenosa. Esta será administrada durante a isquemia do miocárdio, e também pode ser usada a amiodarona intravenosa.

Por outro lado, administra-se digoxina, betabloqueadores, verapamil e amiodarona para diminuir a condução atrioventricular. Quando é necessário suprimir extrassístoles, administra-se a lidocaína. No entanto, no caso de prevenção de taquicardias supraventriculares e ventriculares, são usados flecainida, amiodarona e betabloqueadores.

Conclusão

Embora as técnicas de ablação cardíaca tenham passado por um grande desenvolvimento, a seleção do tratamento é condicionada pelo tipo de arritmia e pelo perfil do paciente, especialmente se houver uma doença cardíaca subjacente.

  • Gaztañaga, L., Marchlinski, F. E., & Betensky, B. P. (2012). Mecanismos de las arritmias cardiacas. Revista Espanola de Cardiologia. https://doi.org/10.1016/j.recesp.2011.09.018

  • Matiz Camacho, H. (1991). Arritmias ventriculares. Guías de Práctica Clínica Basadas En La Evidencia. https://doi.org/10.1157/13101650

  • Lorentz, M. N., & Brandão, B. (2011). Arritmias Cardíacas y Anestesia. Revista Brasileña Anestesiologia.