Amamentação e spirulina são compatíveis?

Muitas pessoas recomendam a ingestão de spirulina durante a gravidez e a amamentação. No entanto, não há evidências suficientes para apoiar a sua compatibilidade. Descubra mais detalhes a seguir.
Amamentação e spirulina são compatíveis?

Última atualização: 23 Abril, 2021

Na realidade, não existe um acordo total sobre a compatibilidade entre amamentação e spirulina. Existe um grande número de profissionais que veem esta combinação como positiva ou não consideram que possa ter efeitos negativos. Para outros, no entanto, pode haver alguma incompatibilidade.

É bom saber que a spirulina é uma alga que pertence ao gênero Arthrospira e que, há algum tempo, é promovida como um suplemento nutricional com propriedades excepcionais. Deve-se destacar que ela tem grandes contribuições nutricionais e serve como suplemento contra algumas doenças.

A spirulina está disponível no mercado na forma de cápsulas ou comprimidos. Também na forma líquida e em pó. Geralmente, as lojas de produtos naturais a comercializam ​​e não há estudos publicados que alertem sobre os efeitos colaterais ou interações de risco com esta substância.

A spirulina e suas propriedades

Embora um bom grupo de médicos não veja propriedades excepcionais na spirulina, a verdade é que o consumo dessa substância se popularizou de forma significativa. De acordo com seus defensores, acredita-se que possua propriedades para condições como as seguintes:

Suco com spirulina
A spirulina é pesquisada pela quantidade de nutrientes que apresenta e por seus efeitos positivos para a saúde.

Você pode estar interessado: Situações em que não se deve amamentar

Argumentos a favor do consumo de spirulina na amamentação

Os defensores dessa substância acreditam que o aleitamento materno e a spirulina são perfeitamente compatíveis. Inclusive, também a recomendam durante a gravidez. Destacam que ela restaura as deficiências nutricionais da mãe e contribui para o desenvolvimento normal do bebê.

Seus defensores garantem que a spirulina protege a mãe durante a gravidez, pois contém 10 vezes mais ferro do que os alimentos comuns. Isso evitaria a ocorrência de anemia. Da mesma forma, destacam o seu teor de cálcio, mineral essencial na fase de gestação.

Em relação à amamentação e à spirulina, sugerem que também são compatíveis. Na verdade, segundo a crença popular, a spirulina ajuda a fornecer mais nutrientes ao bebê por meio do leite materno. Entre outras coisas, a spirulina contém ácido gama-linolênico, que é essencial para o desenvolvimento adequado do cérebro do bebê.

Argumentos contra o consumo de spirulina na amamentação

Há um setor que vê uma incompatibilidade entre amamentação e spirulina. Algumas marcas desse produto declararam especificamente que as mulheres grávidas ou que estiverem amamentando não devem consumi-la. Também desaconselham o uso em crianças muito pequenas e alertam sobre possíveis efeitos adversos.

Consideram que o aleitamento materno e a spirulina são incompatíveis. Isso, principalmente, devido à elevada quantidade de iodo que essa substância contém e que pode alterar, em maior ou menor grau, a função tireoidiana. No entanto, não existem estudos relevantes que comprovem essa relação.

O que um caso recente, publicado na Breastfeeding Medicine, relatou é que a suplementação com spirulina na lactação mudou a cor do leite para um tom verde-azulado. No entanto, não se encontrou nenhuma anormalidade na composição do leite, e com a suspensão do suplemento, o leite voltou à sua cor normal nos três dias seguintes.

Mãe amamentando bebê
As possíveis interações negativas entre a amamentação e a spirulina não foram excluídas. Portanto, este é um suplemento que deve ser usado sob supervisão médica.

Descubra: Medicamentos compatíveis com a amamentação

Conclusão

Os estudos científicos disponíveis não comprovam as propriedades da spirulina. Também não há estudos formais que as excluam. Neste, como em outros casos, é melhor consultar o seu médico antes de consumir regularmente esta substância, principalmente durante a gravidez e a lactação.

Além disso, o mercado comercializa muitas substâncias como spirulina, mas nem todas têm a mesma fórmula. Alguns suplementos dietéticos de spirulina demonstraram ter níveis mais elevados de arsênico. Da mesma forma, nem todas as apresentações são igualmente seguras e confiáveis. Portanto, também é necessário verificar a qualidade do suplemento e comprá-lo em locais de confiança.

Pode interessar a você...
Tomar chá na gravidez: tudo que você precisa saber
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Tomar chá na gravidez: tudo que você precisa saber

Tomar chá na gravidez é algo comum. As infusões podem aliviar sintomas próprios desse período, mas algumas delas devem ser evitadas.



  • Shamosh Halabe, S. (2009). Historia, nutrición, salud y ecología para generar estrategias de comunicación sobre la espirulina (A. maxima) (Master’s thesis, Consejo Nacional de Ciencia y Tecnología).
  • Yousefi, R., Mottaghi, A., & Saidpour, A. (2018). Spirulina platensis effectively ameliorates anthropometric measurements and obesity-related metabolic disorders in obese or overweight healthy individuals: A randomized controlled trial. Complementary Therapies in Medicine, 40, 106–112. https://doi.org/10.1016/j.ctim.2018.08.003
  • Bashandy SA, El Awdan SA, Ebaid H, Alhazza IM. Antioxidant Potential of Spirulina platensis Mitigates Oxidative Stress and Reprotoxicity Induced by Sodium Arsenite in Male Rats. Oxid Med Cell Longev. 2016;2016:7174351. doi:10.1155/2016/7174351
  • Wu, Q., Liu, L., Miron, A., Klímová, B., Wan, D., & Kuca, K. (2016, August 1). The antioxidant, immunomodulatory, and anti-inflammatory activities of Spirulina: an overview. Archives of Toxicology. Springer Verlag. https://doi.org/10.1007/s00204-016-1744-5
  • Kapoor, R., & Mehta, U. (1993). Effect of supplementation of blue green alga (Spirulina) on outcome of pregnancy in rats. Plant Foods for Human Nutrition43(1), 29–35. https://doi.org/10.1007/BF01088093
  • Naor, N., Fridman, E., Kouadio, F., Merlob, P., & Linder, N. (2019). Green Breast Milk Following Ingestion of Blue-Green Algae: A Case Report. Breastfeeding Medicine, 14(3), 203–204. https://doi.org/10.1089/bfm.2018.0184