Açúcar ou sal: o que é pior em excesso?

O consumo de sal e açúcar tem sido associado a um risco aumentado de várias doenças crônicas. No entanto, alguns se perguntam qual deles é pior em excesso. A seguir, falaremos mais sobre o assunto.
Açúcar ou sal: o que é pior em excesso?

Última atualização: 20 abril, 2020

O consumo excessivo de açúcar e sal tem sido associado há muitos anos a uma ampla variedade de doenças. Atualmente, é aconselhável limitar o seu consumo como parte de uma série de medidas para promover o bem-estar. No entanto, alguns ainda se perguntam qual deles é pior em excesso.

Por muito tempo, alimentos salgados e gorduras foram apontados como responsáveis ​​por um grande número de doenças. No entanto, à medida que os estudos científicos e alimentares avançaram, muitas dessas ideias foram derrubadas.

Ainda hoje, as doenças mais complexas estão relacionadas ao alto consumo de açúcar. Então, o que é pior, açúcar ou sal? A seguir, abordaremos essa questão em detalhes.

O que é pior, açúcar ou sal?

Sal em excesso

O sal em excesso está relacionado à arteriosclerose e ao aumento da pressão arterial. No entanto, a verdade é que os artigos mais recentes, como um publicado no The American Journal of Medicine, duvidam cada vez mais dessa relação.

O sal é um elemento necessário para a vida e para a transmissão do impulso nervoso. Ao contrário do açúcar, há uma quantidade mínima que deve ser consumida para que as funções vitais se desenvolvam adequadamente.

Por outro lado, o corpo não está preparado para sintetizá-lo endogenamente. É necessário consumi-lo através da dieta e seu déficit pode estar relacionado a diferentes complicações, algumas delas relacionadas à tireoide e suas patologias.

Os problemas anteriormente relacionados ao consumo de sal hoje estão associados a um estilo de vida inadequadoObesidade, sedentarismo e dietas hipercalóricas promovem a arteriosclerose. Além disso, a pressão arterial também pode ser alterada por essas situações prejudiciais.

Consumo excessivo de sal
Embora seja importante evitar a ingestão excessiva de sal, é fundamental ingerir uma quantidade mínima para que algumas funções vitais se desenvolvam adequadamente.

Você também pode se interessar: Controle da hipertensão arterial: além do sal

Açúcar

É um dos ingredientes favoritos da indústria. Pela sua contribuição de sabor e textura, aparece em grande parte dos alimentos industrializados. A OMS não define uma quantidade mínima necessária, mas a quantidade máxima recomendada.

É formado principalmente pela glicose, substância necessária para a vida e para o metabolismo energético. No entanto, é um nutriente que o próprio corpo é capaz de sintetizar a partir de proteínas e ácidos graxos, portanto, não é essencial.

Mesmo considerando que em situações esportivas os requisitos variam, o consumo atual de açúcar está bem acima do recomendado.

Esse alto consumo está relacionado a uma maior probabilidade de sobrepeso e obesidade. Ele também tem um claro impacto no desenvolvimento de doenças complexas, como a diabetes e alguns tipos de câncer, conforme indicado por um estudo publicado na revista PLoS One

O que é pior em excesso?

O açúcar, devido à sua condição de nutriente não essencial e à sua clara relação com diversas doenças. Somente em situações esportivas ele se torna um nutriente necessário.

Reduzir o consumo de açúcar, e até mesmo eliminá-lo da dieta, traria muitas consequências benéficas para o corpo. Primeiro, a diabetes deixaria de ser uma doença endêmica.

A taxa de obesidade seria reduzida e, com ela, muitos problemas em órgãos associados, como o coração. Além disso, a incidência de certos tipos de câncer relacionados ao sistema digestivo se tornaria menos frequente.

Cubos de açúcar
O alto consumo de açúcar está associado a um risco aumentado de doenças crônicas. É pior que o sal, uma vez que não é essencial e a sua eliminação da dieta produz muitos benefícios.

Como reduzir o consumo de açúcar?

Um dos principais problemas ao enfrentar a redução da ingestão de açúcar é o costume do paladar ao sabor doce. A melhor coisa para começar é tentar substituir os alimentos industrializados altamente adoçados por suas versões livres de açúcares adicionados.

Mais tarde, começar a fazer versões caseiras, sem usar açúcar como adoçante, pode ser uma ótima opção. Para proporcionar um sabor doce aos preparativos, uma ótima ideia é usar frutas. Embora contenham açúcar em sua composição, a sua quantidade é significativamente menor do que a presente no açúcar de mesa.

A mudança será difícil no começo, mas essa “necessidade” de produtos industrializados vai desaparecer ao longo do tempo e a saúde será significativamente melhorada.

De qualquer forma, independentemente do debate sobre o açúcar e o sal, não devemos esquecer que nenhum alimento é positivo em excesso, e que o ideal é comer tudo com moderação.

A dieta flexível, portanto, permite um certo consumo de açúcar de forma responsável, além de sal. Talvez esse tipo de dieta seja a melhor opção quando se trata de combinar saúde e prazer na hora das refeições.

This might interest you...
Sobremesas sem açúcar para você experimentar
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Sobremesas sem açúcar para você experimentar

Há uma grande variedade de sobremesas sem açúcar que vale a pena experimentar, portanto, aqui apresentaremos uma seleção variada.



  • Frisoli TM., Schmieder RE., Grodzicki T., Messerli FH., Salt and hypertension: is salt dietary reduction worth the effort? Am J Med, 2012. 125 (5): 433-9.
  • Fuchs MA., Sato K., Niedzwiecki D., Ye X., Saltz LB., Mayer RJ., Mowat RB., Whittom R., Hantel A., Benson A., Atienza D., et al., Sugar-sweetened beverage intake and cáncer recurrence and survival in CALGB 89803 (Alliance). PLos One, 2014. 9 (6).
  • Erickson J., Sadeghirad B., Lytvyn L., Slavin J., Johnston BC., The scientific basis of guideline recommendations on sugar intake: a systematic review. Ann Inter Med, 2017. 166 (4): 257-267.