Açúcar ou sal: o que é pior em excesso?

20 de abril de 2020
O consumo de sal e açúcar tem sido associado a um risco aumentado de várias doenças crônicas. No entanto, alguns se perguntam qual deles é pior em excesso. A seguir, falaremos mais sobre o assunto.

O consumo excessivo de açúcar e sal tem sido associado há muitos anos a uma ampla variedade de doenças. Atualmente, é aconselhável limitar o seu consumo como parte de uma série de medidas para promover o bem-estar. No entanto, alguns ainda se perguntam qual deles é pior em excesso.

Por muito tempo, alimentos salgados e gorduras foram apontados como responsáveis ​​por um grande número de doenças. No entanto, à medida que os estudos científicos e alimentares avançaram, muitas dessas ideias foram derrubadas.

Ainda hoje, as doenças mais complexas estão relacionadas ao alto consumo de açúcar. Então, o que é pior, açúcar ou sal? A seguir, abordaremos essa questão em detalhes.

O que é pior, açúcar ou sal?

Sal em excesso

O sal em excesso está relacionado à arteriosclerose e ao aumento da pressão arterial. No entanto, a verdade é que os artigos mais recentes, como um publicado no The American Journal of Medicine, duvidam cada vez mais dessa relação.

O sal é um elemento necessário para a vida e para a transmissão do impulso nervoso. Ao contrário do açúcar, há uma quantidade mínima que deve ser consumida para que as funções vitais se desenvolvam adequadamente.

Por outro lado, o corpo não está preparado para sintetizá-lo endogenamente. É necessário consumi-lo através da dieta e seu déficit pode estar relacionado a diferentes complicações, algumas delas relacionadas à tireoide e suas patologias.

Os problemas anteriormente relacionados ao consumo de sal hoje estão associados a um estilo de vida inadequadoObesidade, sedentarismo e dietas hipercalóricas promovem a arteriosclerose. Além disso, a pressão arterial também pode ser alterada por essas situações prejudiciais.

Consumo excessivo de sal
Embora seja importante evitar a ingestão excessiva de sal, é fundamental ingerir uma quantidade mínima para que algumas funções vitais se desenvolvam adequadamente.

Você também pode se interessar: Controle da hipertensão arterial: além do sal

Açúcar

É um dos ingredientes favoritos da indústria. Pela sua contribuição de sabor e textura, aparece em grande parte dos alimentos industrializados. A OMS não define uma quantidade mínima necessária, mas a quantidade máxima recomendada.

É formado principalmente pela glicose, substância necessária para a vida e para o metabolismo energético. No entanto, é um nutriente que o próprio corpo é capaz de sintetizar a partir de proteínas e ácidos graxos, portanto, não é essencial.

Mesmo considerando que em situações esportivas os requisitos variam, o consumo atual de açúcar está bem acima do recomendado.

Esse alto consumo está relacionado a uma maior probabilidade de sobrepeso e obesidade. Ele também tem um claro impacto no desenvolvimento de doenças complexas, como a diabetes e alguns tipos de câncer, conforme indicado por um estudo publicado na revista PLoS One

O que é pior em excesso?

O açúcar, devido à sua condição de nutriente não essencial e à sua clara relação com diversas doenças. Somente em situações esportivas ele se torna um nutriente necessário.

Reduzir o consumo de açúcar, e até mesmo eliminá-lo da dieta, traria muitas consequências benéficas para o corpo. Primeiro, a diabetes deixaria de ser uma doença endêmica.

A taxa de obesidade seria reduzida e, com ela, muitos problemas em órgãos associados, como o coração. Além disso, a incidência de certos tipos de câncer relacionados ao sistema digestivo se tornaria menos frequente.

Cubos de açúcar
O alto consumo de açúcar está associado a um risco aumentado de doenças crônicas. É pior que o sal, uma vez que não é essencial e a sua eliminação da dieta produz muitos benefícios.

Leia também: Como o cérebro reage quando paramos de comer açúcar

Como reduzir o consumo de açúcar?

Um dos principais problemas ao enfrentar a redução da ingestão de açúcar é o costume do paladar ao sabor doce. A melhor coisa para começar é tentar substituir os alimentos industrializados altamente adoçados por suas versões livres de açúcares adicionados.

Mais tarde, começar a fazer versões caseiras, sem usar açúcar como adoçante, pode ser uma ótima opção. Para proporcionar um sabor doce aos preparativos, uma ótima ideia é usar frutas. Embora contenham açúcar em sua composição, a sua quantidade é significativamente menor do que a presente no açúcar de mesa.

A mudança será difícil no começo, mas essa “necessidade” de produtos industrializados vai desaparecer ao longo do tempo e a saúde será significativamente melhorada.

De qualquer forma, independentemente do debate sobre o açúcar e o sal, não devemos esquecer que nenhum alimento é positivo em excesso, e que o ideal é comer tudo com moderação.

A dieta flexível, portanto, permite um certo consumo de açúcar de forma responsável, além de sal. Talvez esse tipo de dieta seja a melhor opção quando se trata de combinar saúde e prazer na hora das refeições.

  • Frisoli TM., Schmieder RE., Grodzicki T., Messerli FH., Salt and hypertension: is salt dietary reduction worth the effort? Am J Med, 2012. 125 (5): 433-9.
  • Fuchs MA., Sato K., Niedzwiecki D., Ye X., Saltz LB., Mayer RJ., Mowat RB., Whittom R., Hantel A., Benson A., Atienza D., et al., Sugar-sweetened beverage intake and cáncer recurrence and survival in CALGB 89803 (Alliance). PLos One, 2014. 9 (6).
  • Gupta L, Khandelwal D, Dutta D, Kalra S, Lal PR, Gupta Y. The Twin White Herrings: Salt and Sugar. Indian J Endocrinol Metab. 2018;22(4):542–551. doi:10.4103/ijem.IJEM_117_18
  • Wada J. Salt and sugar: Bad company. J Diabetes Investig. 2017;8(1):32–33. doi:10.1111/jdi.12553