Ação de urinar involuntariamente na infância

· 11 de maio de 2019
Normalmente, a ação de urinar involuntariamente se resolve à medida em que a criança amadurece. Caso contrário, mudanças devem ser feitas no estilo de vida que devemos saber.

A ação de urinar involuntariamente na infância não precisa acontecer especificamente à noite. Além disso, para ser considerada uma doença, deve acontecer pelo menos duas vezes por dia durante um mínimo de 3 meses consecutivos em crianças com mais de 4 anos de idade.

O ato de urinar involuntariamente costuma ser mais frequente nos meninos. Apesar de ser um distúrbio relativamente comum, a Associação de Pediatras indica que não foram realizados muitos estudos epidemiológicos dessa condição. No entanto, todos os dados concordam que a incidência diminui à medida que a criança cresce.

Enurese: urinar involuntariamente

Causas

Mulher ao lado do banheiro com as pernas cruzadas

O ato de urinar involuntariamente ainda não tem uma causa principal bem definida. No entanto, existem vários fatores que podem ser fundamentais em sua aparência:

  • Bexiga pequena: a bexiga não está suficientemente desenvolvida para conter a urina produzida.
  • Incapacidade de reconhecer o enchimento da bexiga: a criança está profundamente adormecida e não acorda quando a bexiga está cheia. Isso pode acontecer porque os nervos que controlam a bexiga não amadureceram o suficiente.
  • Falta de equilíbrio hormonal: quando o indivíduo não tem produção suficiente do hormônio antidiurético ou vasopressina.
  • Infecção do trato urinário: além da ação de urinar involuntariamente, também aparecem, neste tipo de infecção, necessidade de urinar com frequência, urina avermelhada ou rosada e dor na ação.
  • Apneia do sono: às vezes, o ato de urinar involuntariamente é um sinal de apneia obstrutiva do sono. É um distúrbio no qual a respiração da criança é interrompida durante o sono.
  • Prisão de ventre crônica: os mesmos músculos são usados ​​para defecar e urinar. Portanto, quando a prisão de ventre aumenta ao longo do tempo, esses músculos podem apresentar alguma disfunção e contribuir para causar enurese.

Além das causas mencionadas, esta patologia é frequentemente de natureza hereditária, por isso, se um dos pais teve este problema durante a sua infância, as chances de seus filhos terem também são altas.

Por último, mencionar que situações de estresse também favorecem o surgimento da ação de urinar involuntariamente na criança.

Você também pode estar interessado em ler: 5 alimentos para evitar em caso de bexiga hiperativa

Sintomas e complicações

Esse problema não implica em qualquer ameaça à saúde do paciente, desde que sua causa não seja física. O principal sintoma é, como o nome sugere, micção involuntária. Geralmente ocorre durante a noite e com uma frequência de pelo menos 2 vezes por mês.

Em relação às complicações, a criança ou a pessoa afetada pode sentir vergonha ou perda de autoestima devido ao problema, por isso é importante dar a ela segurança. Além disso, se a enurese é causada por um problema físico e o caso não é feito, complicações importantes podem ser desencadeadas.

A criança também pode ter erupções nas nádegas e na área genital se dorme com a roupa íntima molhada.

Leia também: Enurese infantil: como tratá-la?

Tratamento e precauções

Para que seu filho deixe de urinar involuntariamente ensine-lhe a usar o penico

Para começar, é importante ir ao banheiro em horários regulares durante o dia e a noite para tentar evitar alguns aspectos da enurese.

Normalmente, este problema é resolvido apenas quando a criança amadurece. Caso contrário, mudanças no estilo de vida devem ser feitas, como limitar o consumo de líquidos durante a noite.

Se isso não for alcançado, o médico pode optar por um tratamento farmacológico e pelo uso de alguns alarmes de umidade. Alarmes são dispositivos que se conectam a uma compressa sensível à umidade. Quando a criança começa a urinar, este soa para acordá-lo.

Medicamentos são o último recurso. Eles são usados ​​para retardar a produção de urina e acalmar a bexiga.

Além dessas medidas, há uma série de precauções que favorecem a solução desse problema:

  • Incentivar a criança a urinar 2 vezes antes de ir para a cama.
  • Sugerir que urine a cada 2 horas aproximadamente.
  • Evitar erupções cutâneas, ajudando a enxaguar as nádegas e área genital todas as manhãs.

Portanto, embora a enurese seja comum em crianças e desapareça com o amadurecimento, em alguns casos ela pode persistir. Então, será necessário consultar nosso médico antes de qualquer dúvida.