O que é o aborto induzido?

O aborto induzido representa um tema que está sendo discutido legalmente em muitos países para promover a sua regulamentação. Em outras regiões, há quadros legislativos que determinam, inclusive, as formas de prescrição. Falamos sobre elas e seus procedimentos a seguir.
O que é o aborto induzido?

Última atualização: 21 Março, 2021

Falar sobre o aborto induzido pode ser chocante para muitas pessoas. Seja por ideologias ou crenças religiosas, este não é um tópico sobre o qual há um consenso. Às vezes, dentro de um mesmo país, geralmente existem regiões com leis diferentes sobre o mesmo assunto.

Os motivos para a prática desse tipo de aborto são diversos, desde decisões pessoais até situações clínicas de risco à saúde da mãe. Também existem disposições legais para realizá-lo em locais controlados com segurança adequada.

O que é um aborto induzido?

Falamos de aborto induzido ou aborto provocado quando uma gravidez é interrompida propositalmente. Ou seja, a decisão de interromper a gravidez é tomada antes da 20ª semana.

O limite da semana 20 é puramente técnico. Quase todas as definições aceitas de aborto estipulam a barreira entre um feto viável e outro que não o é. Isso significa que se ocorrer um parto prematuro, a possibilidade de sobrevivência é maior se já se passou metade da gravidez.

Isso vai além das leis a esse respeito. Existem estados que permitem o aborto induzido até a semana 20, outros até a semana 12 ou 8. Essa variabilidade não afeta o conceito sanitário do procedimento.

Se a interrupção da gravidez é praticada após a metade da gestação, não se fala em aborto. Normalmente, essas circunstâncias ocorrem com mães que sofrem de doenças que impossibilitam a continuidade do processo, como a hipertensão pulmonar materna.

Com base no tempo de evolução da gravidez, o aborto provocado pode ser realizado com uma ou outra técnica. A melhor opção é definida para garantir complicações mínimas para a mulher e reduzir os riscos de infecção ou hemorragia subsequente.

Feto em formação
O aborto induzido é a interrupção da gravidez por opção própria ou por uma emergência clínica.

Procedimentos para o aborto induzido

As técnicas legalizadas nos países onde o procedimento é permitido são divididas de acordo com as semanas em que são aplicáveis. Assim, temos opções para o primeiro trimestre e para o segundo trimestre.

Primeiro trimestre

Durante o primeiro trimestre de gestação, ou seja, até a 14ª semana de gestação, as opções são a combinação de misoprostol e aspiração. Como discutiremos a seguir, existem maneiras mais recomendadas pelos médicos do que outras.

O misoprostol é um medicamento com propriedades abortivas muito conhecidas. Sua venda é regulamentada em quase todos os países, de modo que seu uso é limitado a questões legais. O efeito que provoca é o aumento das contrações uterinas.

Uma forma de realizar o aborto induzido por medicamentos é combiná-lo com metotrexato, que tem a propriedade de inibir a replicação celular. Juntos, eles interrompem o crescimento fetal e expelem o conteúdo do útero.

Nas clínicas, em vez do metotrexato, o misoprostol é combinado com mifepristona para acelerar o processo. Em qualquer caso, o tempo máximo de prescrição é de até 10 semanas de gestação. No decorrer das 6 horas seguintes, o aborto ocorre. Há mulheres que demoram mais, até 48 horas.

A terceira opção é a aspiração, que não é recomendada após a 16ª semana de gravidez. Consiste em sugar o feto e a placenta com um dispositivo especial, pela vagina.

Devido à forma do procedimento, ocorrem algumas dores e sofrimentos subsequentes para a mulher. Também há registros de sangramentos originados pelo microtrauma da aspiração. Em todo caso, o procedimento termina no mesmo dia e, após um breve período de observação, a mulher pode voltar para a sua casa.

Segundo trimestre

Como o feto cresceu no segundo trimestre, a situação é mais complexa. As opções são duas: a dilatação e a indução.

Na dilatação, são combinadas técnicas para concretizar o aborto induzido. Instrumentos são usados ​​para dilatar o útero; em seguida, provoca-se um vácuo com sucção (como acontece na aspiração), para finalmente proceder à curetagem ou raspagem da área interna do órgão.

A recuperação costuma ser imediata, e é comum que a mulher receba alta no mesmo dia para voltar para casa. Porém, devido ao tipo de abordagem, alguns cuidados devem ser tomados no mês seguinte à dilatação.

No que diz respeito à indução, a técnica baseia-se em estimular uma espécie de trabalho de parto. Por isso, esta é reservada para casos muito avançados entre 15 e 20 semanas de gestação.

São administrados medicamentos para induzir as contrações e a dor é semelhante à da mulher em trabalho de parto. Se necessário, caso não haja expulsão, a equipe médica recorre à aspiração ou dilatação, para não deixar restos no útero que possam dificultar a evolução posterior.

Aborto induzido
O aborto induzido não é legal em todos os países. Atualmente, este continua sendo um assunto de controvérsia em todo o mundo.

Vale ressaltar que esses procedimentos para o aborto induzido são legalizados em alguns países, mas não em outros. Existem muitas diferenças entre as leis de uma região do mundo e de outra, portanto, nem tudo se aplica igualmente em termos de legalidade.

A realização de uma técnica deste tipo, seja qual for, deve respeitar os padrões de biossegurança para não comprometer a vida da mulher. É essencial que as clínicas habilitadas disponham do serviço adequado para esse fim.

Pode interessar a você...

Por que o aborto espontâneo pode ocorrer?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Por que o aborto espontâneo pode ocorrer?

Aproveite o tempo que você precisa para analisar seus sentimentos e decidir com seu parceiro qual é o melhor momento para tentar novamente.



  • Espinoza, Henry, and Lizbeth López Carrillo. “Aborto inseguro en América Latina y el Caribe: definición del problema y su prevención.” Gaceta Médica de México 139.s1 (2003): 9-16.
  • Pacora-Portella, Percy. “Aborto terapéutico:¿ realmente existe?.” Acta médica peruana 31.4 (2014): 234-239.
  • Raymond, Elizabeth G., Margo S. Harrison, and Mark A. Weaver. “Efficacy of misoprostol alone for first-trimester medical abortion: a systematic review.” Obstetrics and gynecology 133.1 (2019): 137.
  • Shi, Beibei, et al. “Comparison of Outcomes Between Repeated and a Single Dose of Mifepristone in Combination with Misoprostol for Abortion: a Retrospective Cohort Study.” LATIN AMERICAN JOURNAL OF PHARMACY 37.7 (2018): 1383-1387.
  • White, Katharine O., et al. “First-trimester aspiration abortion practices: a survey of United States abortion providers.” Contraception 99.1 (2019): 10-15..
  • Allen, Rebecca H., and Alisa B. Goldberg. “Cervical dilation before first-trimester surgical abortion (< 14 weeks’ gestation).” Contraception 93.4 (2016): 277-291.
  • Costescu, Dustin, et al. “Medical abortion.” Journal of Obstetrics and Gynaecology Canada 38.4 (2016): 366-389.
  • World Health Organization. Medical management of abortion. World Health Organization, 2019.
  • Kapp, Nathalie, et al. “Medical abortion in the late first trimester: a systematic review.” Contraception 99.2 (2019): 77-86.