A vitamina K: quando é indicado e os motivos

· 13 de maio de 2019
A vitamina K é um nutriente essencial para o correto funcionamento do organismo. Seu déficit pode levar ao aparecimento de problemas ósseos, hematomas e hemorragias.

A vitamina K é um nutriente essencial que tem um papel muito importante na estabilidade sanguínea, sendo um precursor dos fatores de coagulação. Contamos mais neste artigo.

Para que serve a vitamina K?

A vitamina K é uma substância que, como qualquer vitamina, é requerida em pequenas quantidades para o correto desenvolvimento e funcionamento do organismo.

Trata-se de uma vitamina solúvel em gordurasEsta é armazenada pelo organismo em pequenas quantidades que se esgotam rapidamente, por isso que deve ser ingerida de forma regular. No entanto, o organismo pode também reciclar um pouco para voltar a utilizá-la.

De fato, este composto participa na produção de proteínas denominadas fatores de coagulação. Devido à importante função que desempenha, sua carência pode trazer graves consequências, como por exemplo, o desenvolvimento de hemorragias.

Ainda assim, a vitamina K também parece estar implicada no correto desenvolvimento de tecidos e ossos, por isso que seu déficit também pode trazer problemas no desenvolvimento ósseo.

Talvez te interesse ler ademais: 6 vitaminas que não podem faltar na sua dieta

Formas de vitamina K

Existem três formas possíveis para esta vitamina:

  • Filoquinona ou vitamina K1: é a forma existente nas plantas de folha verde. É obtida com a dieta e é absorvida melhor em gorduras.
  • Menaquinona ou vitamina K2: é a vitamina produzida por determinadas bactérias da flora intestinal. É produzida e absorvida em pequenas quantidades.
  • Menadiona ou vitamina K3: é a vitamina produzida de forma sintética. É utilizada às vezes como suplemento.

Alimentos ricos em vitamina K

Fontes de vitamina k

Os vegetais de folha verde são uma das fontes mais abundantes de vitamina K.

Seguir uma dieta variada e equilibrada é suficiente para consumir a quantidade de vitamina recomendada, já que esta é necessária em pequenas quantidades. É possível encontrá-la:

  • Verduras de folha verde, como espinafre, brócolis ou alface.
  • Algumas frutas, como figos.
  • Carne.
  • Queijo.
  • Soja.
  • Ovos.

Déficits de vitamina K

Devido ao fato de ser necessária pouca quantidade para o corpo, sua deficiência é pouco comum. No entanto, existem casos e situações nas quais esta carência pode aparecer.

Este é o caso dos recém-nascidos, que podem ter problemas hemorrágicos e tendência ao sangramento. Por isso, costuma-se administrá-la de maneira exógena aos recém-nascidos mediante uma injeção.

Esta carência nos neonatos se deve ao fato da vitamina k não atravessar com facilidade a placenta, por isso que eles nascem com baixos níveis. A isso se soma o fato do leite materno tampouco contê-la em grandes quantidades. Além disso, sua flora intestinal ainda não está desenvolvida e, portanto, não têm bactérias que a sintetizem.

Ainda mais, doenças como a fibrose císticaa celíaca ou a síndrome do intestino curto, podem provocar uma carência. Isso acontece pois tais transtornos geram alterações na absorção intestinal que reduzem a quantidade de vitamina K absorvida.

Além disso, o tratamento com determinados fármacos, como os anticonvulsivantes ou certos antibióticos podem levar a uma deficiência do composto.

Uma deficiência severa pode levar ao aparecimento de hematomas e sangramentos. Isso acontece devido à má coagulação sanguínea. Esta condição pode levar, no pior dos casos, a geração de perigosas hemorragias internas.

Imprescindível ler também: Riscos da deficiência de vitaminas

Casos nos quais se indica vitamina K

Suplementos de vitamina K

Situações de ampla carência, como o consumo de medicamentos anticoagulantes, podem requerer complementos da vitamina.

Existe uma grande quantidade de complexos vitamínicos através dos quais se pode aumentar a ingestão de vitamina K; além disso, existem suplementos específicos. Em outros casos encontra-se combinada com outros nutrientes como o cálcio ou a vitamina D.

Esta é a forma mais comum de administração do nutriente naqueles pacientes que precisam de suplementação. No entanto, a vitamina também pode ser administrada de forma injetável.

A forma injetável, na forma de injeção intramuscular, é a escolhida para os recém-nascidos. Isso ajuda a evitar possíveis hemorragias cerebrais.

Por fim, naqueles casos nos quais se administram anticoagulantes como a warfarina, uma carência de vitamina K pode especialmente problemática. Neste tipo de situação, é necessária uma análise de sangue periódica para determinar o tempo de formação dos coágulos.

  • Fu, X., & Booth, S. L. (2012). Vitamin K. In Encyclopedia of Human Nutrition. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-375083-9.00281-6
  • Puckett, R. M., & Offringa, M. (2000). Prophylactic vitamin K for vitamin K deficiency bleeding in neonates. In Cochrane Database of Systematic Reviews. https://doi.org/10.1002/14651858.CD002776
  • Shearer, M. J., & Newman, P. (2008). Metabolism and cell biology of vitamin K. Thrombosis and Haemostasis. https://doi.org/10.1160/TH08-03-0147