A velocidade com que comemos influencia no peso?

· 9 de junho de 2019
A velocidade com que comemos é um fator importante para ter uma boa digestão e para favorecer a perda de peso para aqueles que estejam buscando esse objetivo.

Alguns estudos mostram que a velocidade com a qual comemos os alimentos está relacionada com o aumento de peso. Uma razão possível pode ser o fato de que comer devagar permite ter uma maior noção da sensação de fome ou satisfação.

Além disso, comer mais devagar também parece aumentar a quantidade de água que é tomada e a expansão do estômago. Isso afeta o processo biológico que determina quanta comida uma pessoa consome.

Hormônios da saciedade

Hormônio da saciedade no estômago

Comer a uma velocidade excessiva impede o correto funcionamento do mecanismo biológico que determina a saciedade do organismo. Esta informação é regulada por uma série de hormônios, sendo o principal a colecistoquinina. Quando comemos, um mecanismo que informa o cérebro que estamos “cheios” entra em ação.

Ao estar consciente dessa sensação, é possível deixar de comer alimentos que não se necessita, já que as necessidades alimentares estariam sendo supridas. No entanto, este mecanismo precisa de um tempo para poder ser ativado. Dessa maneira, se comer muito rápido, é possível que ingira mais alimento do que o necessário.

Foi demonstrado que comer muito rápido reduz a secreção dos hormônios da saciedade. A colecistoquinina é secretada no intestino delgado quando os alimentos chegam pelo estômago e dão o sinal necessário para deixar de comer.

Talvez te interesse ler ademais:  10 melhores gorduras benéficas

Estudos sobre a relação entre a velocidade com a qual se come e o ganho de peso

Foram realizados vários estudos que mostram como ao comer mais devagar, pode-se reduzir de maneira significativa a quantidade de comida que é ingerida.

Um desses estudos foi realizado entre um pequeno grupo de participantes que incluía pessoas com peso normal e com obesidade ou sobrepeso. A todos foi dada a opção de comer de maneira relaxada e em condições que permitiam fazê-lo lentamente. Em outra ocasião, foi dado um tempo para comer contado.

O resultado mostrou que todos os participantes consumiram menos alimento quando comeram devagar e se sentiram com menos fome depois, quando comparado com uma ingestão rápida. Somente as pessoas que tinham um peso normal reduziram de maneira significativa a ingestão de calorias.

Leia também: Estratégias psicológicas para perder peso

O que podemos fazer para reduzir a velocidade com a qual comemos?

Mulher se distrindo enquanto come

Evite comer com distrações, pois tiram a atenção da comida e favorece a ingestão rápida dos alimentos.

Toda refeição, independentemente dos alimentos que são ingeridos, que seja terminada com menos de 20 minutos é considerada feita com uma velocidade excessiva. A seguir, mostraremos uma série de conselhos para comer mais devagar:

  • O espaço é importante. Deve ser tranquilo e que convide a comer de forma relaxada. Os profissionais aconselham comer com a televisão desligada porque pode desviar a atenção e nos fazer comer mais rápido inconscientemente.
  • É bom fazer entre 20 a 25 mastigações por pedaço. Ainda mais, tente identificar os ingredientes.
  • Utilize talheres inclusive para comer pizza ou sanduíches.
  • Comer com gente ajuda a socializar e assim comer mais devagar.

Por fim, lembre que bons hábitos alimentares são necessários para manter um adequado nível de saúde. Entre eles, não só o tipo de alimentos tem um papel decisivo, como também nossas rotinas e costumes como a velocidade com a qual comemos.

  • Andrade, A. M., Greene, G. W., & Melanson, K. J. (2008). Eating Slowly Led to Decreases in Energy Intake within Meals in Healthy Women. Journal of the American Dietetic Association. https://doi.org/10.1016/j.jada.2008.04.026
  • Macht, M., Meininger, J., & Roth, J. (2005). The pleasures of eating: A qualitative analysis. Journal of Happiness Studies. https://doi.org/10.1007/s10902-005-0287-x
  • Clevenger, A. P. (1991). Hábitos alimenticios. Ecología Del Oso Pardo En España. Monografías Del Museo Nacional de Ciencias Naturales, 4.