A síndrome da "Superwoman"

23 Janeiro, 2020
A síndrome da “Superwoman” afeta aquelas mulheres que acreditam que são capazes de fazer tudo sem pedir ajuda. Com o tempo, isso produz sentimentos de frustração, decepção e estresse. Como combater isso? Descubra!

Você já ouviu falar da Síndrome da Superwoman? Bem, essas são as mulheres que têm um papel digno da mulher maravilha e são capazes de realizar mil tarefas sem mostrar fadiga.

Antes de conhecer mais sobre essa síndrome é importante esclarecer que, até o momento, não aparece em nenhum manual de diagnóstico, nem é um distúrbio, nem tem reconhecimento oficial pela comunidade médica.

Então, por que se fala cada vez mais sobre esse tópico? A resposta é que o número de mulheres que se comporta dessa maneira todos os dias está aumentando e, portanto, a questão ganhou muita relevância.

O que é a síndrome da Superwoman?

Mais cedo, ou mais tarde, a síndrome da superwoman, pode trazer fadiga

Parecido com o complexo de Superman, as mulheres Superwoman agem como se todos em torno dela sejam incompetentes. Ou seja, elas são as únicas que podem executar bem as tarefas.

Estas mulheres também costumam ser autoexigentes com elas mesmas, de maneira que agem tal e como faria o melhor super-herói que podemos imaginar. Elas são fortes, parecem invencíveis, e têm o poder de lutar contra qualquer coisa.

No entanto, é necessário esclarecer que, longe de se supor como bons sintomas, essa síndrome pode causar exaustão emocional por estar associada a fatores estressantes, como mostram alguns estudos.

Portanto, conforme detalhado na pesquisa sobre o assunto, a próxima coisa que pode experimentar é culpa, fadiga crônica, pensamentos ruminantes, entre outros.

Por isso, antes de cair nesses sintomas desagradáveis, é preferível iniciar um autoexame para verificar se não estamos sofrendo com esse mal terrível que, embora funcione no início, tem consequências de desgaste ao longo do tempo.

Descubra também: 5 estratégias que toda mulher deve seguir para acabar com o estresse e a ansiedade

Como são as mulheres com síndrome da Superwoman?

  • Entre as características mais destacadas, estão as seguintes:
  • Elas cuidam de todas as tarefas, então trabalhar em grupo não lhes cai bem.
  • Nunca delegam responsabilidades. Pelo contrário, sentem-se orgulhosas quando conseguem suas realizações.
  • Nunca pedem ajuda, nem mesmo em seus piores momentos.
  •  Seu ego é elevado.
  • Normalmente são mulheres orgulhosas que nunca mostram sinais de fraqueza.
  • Aceitam todas as tarefas que lhe são atribuídas no trabalho, mesmo que estejam a ponto de um colapso ou de viver uma crise emocional.
  • Sentem que, se pedirem apoio os outros a verão como alguém fraco e incapaz.

Quais são as vantagens de ser uma Superwoman?

Até certo ponto, talvez seja vantajoso ser uma superwoman, principalmente por causa dos seguintes fatores:

  • A mulher se sente forte, com muita inteligência.
  • É gratificante que outros elogiem todas as coisas que a mulher maravilha pode fazer.
  • A agradável sensação de poder ajudar a muitos.

É claro que as pessoas ao redor da mulher maravilha também se sentem ótimas, é óbvio, porque a supermulher facilita a vida dos outros, cuidando de tudo! No entanto, isso também tem suas desvantagens.

Quais são as desvantagens da síndrome da Superwoman?

Mulher com depressão

Se você se identificou com a Síndrome da Superwoman, isso pode lhe causar alguns inconvenientes, tais como:

  • Estar disponível para outras pessoas faz com que você abandone as coisas sobre si mesma.
  • Você pode acabar sentindo que consumiram toda a sua energia, especialmente no final do dia.
  • Costuma resolver tudo para os outros e o tempo restante para você é muito pequeno.
  • Além disso, você pode sentir raiva de si mesma ou um sentimento de abandono.
  • Ademais, pode sentir frustração porque sua força e atenção estão focadas nos outros.
  • Você se sente decepcionada quando os outros não valorizam seus esforços.

Como saber se você está sofrendo da Síndrome da Superwoman?

Se você tiver algum dos sintomas abaixo, é porque pode estar sofrendo dessa síndrome assustadora:

  • Estresse
  • Dificuldade para dormir
  • Poucos momentos para se sentir relaxada.
  • Metas ou objetivos irrealizáveis ou de muita exigência.
  • Impossibilidade de dizer “não” quando lhe atribuem uma tarefa.
  • Ansiedade por querer realizar tudo

Se você detectar algumas dessas características, deverá trabalhar para alcançar seu próprio bem-estar, ou seja, tentar mudar esse padrão de comportamento prejudicial.

Descubra também: Criar filhos sozinhas, é tudo o que nos espera

Como combater essa síndrome?

  • Reconheça que você é humana. E a verdade é que você está muito longe de ser uma heroína. Deve aceitar que simplesmente não pode levar todas as cargas, porque ao fazê-lo corre o risco de adoecer.
  • Esqueça seus impulsos para controlar tudo. Por mais que tente, as coisas nem sempre funcionam como deseja. Você deve deixar um espaço para a incerteza e para que as coisas aconteçam por conta própria.
  • Lembre-se de que cada um é responsável ​​por sua vida. Querer ajudar os outros é bom, mas torna-se prejudicial quando fazemos tudo por eles, pois os fazemos agir como incapazes diante da vida.
  • Aprenda a delegar. Os outros também podem executar tarefas e podem se sair bem. Não aja como se os outros fossem incompetentes. Com isso, você só limita o seu potencial para crescer.

Siga estas diretrizes e você verá como pode começar a sentir tranquilidade. Concentre-se em si mesma e comece a priorizar-se. Você perceberá que terá uma vida com melhor qualidade.

  • Arlene Oramas Viera. (2013). “Estres Laboral Y SÍNDROME DE BURNOUT EN DOCENTES CUBANOS De Enseñanza Primaria. Ministerio De Salud Pública De Cuba Escuela Nacional De Salud Pública Instituto Nacional De Salud De Los Trabajadore. https://doi.org/Abraham, A. (2000). El enseñante es también una persona. Conflictos y tensiones en el trabajo docente. Barcelona: Gedisa. Aguayo, R., Vargas, C., de la Fuente E. & Lozano, L. (2011). A meta-analytic reliability generalization study of the Maslach Burnout Inventory. International Journal of Clinical and Health Psychology, 11(2), 343-361.
  • Elola, J. (2015). “La multitarea baja el rendimiento.”
  • M del Pilar, Q. (2011). El Impacto de las Nuevas Tecnologías y las Nuevas Formas de Relación en el Desarrollo. Revista de Psicología Educativa. https://doi.org/10.5093/ed2011v17n2a3
  • Salinas., D. (2012). Estrés. In Prevención y afrontamiento del estrés laboral.