A menorragia: sintomas, causas e tratamento

A menorragia não costuma ter uma origem grave, mas sempre que aparece, temos que visitar o ginecologista e que seja ele quem determine a gravidade

O sangramento durante o período menstrual varia muito. Nem todas as mulheres o tem com a mesma intensidade nem com duração igual. Por isso é complicado saber quando indica um problema.

Trata-se de um excesso de fluído, mas, insistimos, como medimos? Para começar, o primeiro a se fazer é observar.

É importante perceber as mudanças neste sentido, já que pode ter algum problema por trás das mesmas.

Mas, o que podemos considerar menorragia? Quando começamos a considerá-la uma doença? Siga lendo para tirar suas dúvidas.

Sintomas da menorragia

Mulher com dor por menorragia

Como dizíamos, falamos do excesso de sangramento. Você pode perceber essa afecção com a frequencia na mudança de absorvente. Se você precisa mudar a cada hora, é provável que sofra com este problema.

Logicamente, se isso se repete durante a noite, também tem que ser levado em consideração.

Além disso, quando sofremos menorragia, a menstruação costuma durar mais do que sete dias.

  • Um ciclo normal pode se estender até uma semana, mas quando cruzamos estas fronteira, devemos começar a nos preocupar. Principalmente se durante vários dias já tivemos um volume de fluído grande.
  • Consequentemente, um ciclo como este, provoca cansaço e sensação de afogo. Na verdade, não é estranho se detectar anemia ou alterações similares nas mulheres que convivem com esta situação.

Causas da menorragia

Mulher segurando ovários com menorragia

A origem de tal problema é muito diverso. Por isso, em certos casos, o diagnóstico se complica, assim como a estrutura do tratamento.

No entanto, são apontados os seguintes fatores:

  • Desajuste hormonal: o estrogênio e a progesterona interagem para cobrir o útero. No entanto, se aparecer algum desequilíbrio entre eles, o endométrio cresce muito, e gera um sangramento excessivo.
  • Disfunção dos ovários: é curioso, mas é possível não ovular e ter a menstruação. Nestas circunstâncias o sangramento se dispara e aparece a menorragia.
  • Pólipos: são pequenos cistos benignos que absorvem sangue e o eliminam.

Muitas das mulheres que apresentam este problema têm etapas de menorragia e outras nas quais acontece todo o contrário.

Por outro lado, os ciclos são mais dolorosos e ficamos mais inchadas.

  • Fibromas uterinos: o próprio nome nos indica sua benignidade, apesar de nos referirmos a tumores alojados no útero. Do mesmo modo que os pólipos, desencadeiam uma grande quantidade de fluído.
  • Adenomiose: aqui falamos de que as glândulas do endométrio se fixam no útero. Logo, também intensificam as dores menstruais de forma considerável.
  • Complicação com o DIU: é verdade que é um método contraceptivo muito utilizado. No entanto, algumas mulheres não o toleram, por isso que se encontram com esta dificuldade.
  • Câncer: é a causa mais temida, mas a menos frequente. Surge com o câncer de ovário, útero ou de cérvix. Somente a possibilidade de que nos aconteça isso é causa suficiente para informar ao médico o que nos acontece.

Tratamento da menorragia

Paciente consultando por menorragia

O tratamento depende da causa da menorragia, mas estes são os mais comuns:

  • Anti-inflamatórios: Muitas mulheres encontram alívio com esta simples solução. Os mais eficazes são os compostos por ácido mefenâmico, naproxeno ou ibuprofeno.
  • Colocação do DIU: Este artefato serve para liberar hormônios, por isso que é benéfico para aquelas que apresentam o desajuste que indicamos anteriormente.
  • Pílula contraceptiva: como já indicamos, existem mulheres que recusam o DIU, por isso podem recorrer a pílula contraceptiva para regular a atividade do sistema reprodutivo.
  • Ácido tranexâmico: Serve para coagular o sangue, de modo que sua expulsão fique reduzida. Ao não estar tão diluída, não percebemos incômodos.
  • Cirurgia: Esta é recomendada para os pólipos, aderências e tumores malignos. Sempre que seja possível, é a maneira mais rápida de extirpá-los pela raiz.

Como você pode ver, apesar dos temores que costumam aparecer com a menorragia, suas causas não tem por que serem graves.

O melhor é procurar sempre o médico, identificar a fonte concreta do problema e tratar como indicado. Logo, lembre-se de procurar realizar as revisões ginecológicas, inclusive se sente bem.

 

Recomendados para você