A colina: nutriente essencial com muitos benefícios

· 2 de maio de 2019
A colina é um nutriente essencial e fundamental para o desenvolvimento do sistema nervoso. Seu consumo permite melhorar as funções cognitivas, entre outros benefícios.

Entre as variedades de vitaminas e minerais que precisamos ingerir diariamente encontra-se a colina. É considerada uma vitamina do grupo B, que não costuma ser tão conhecida como as demais, mas é importante obtê-la através da alimentação, já que é um nutriente essencial.

Portanto, conheça a seguir seus benefícios e como obtê-la. Siga lendo!

O que é a colina?

Colina auxilia no sistema nervoso

O sistema nervoso é o principal objetivo deste nutriente essencial: a colina.

É um nutriente associado com as vitaminas do grupo B (B1, B2, B3, B5, B6, B7, B9 e B12). O cérebro e o sistema nervoso precisam dela para regular a memória e o humor, para o controle muscular e outras funções.

Além disso, também precisa da colina para formar as membranas que rodeiam as células do organismo. O fígado pode produzir uma pequena quantidade, no entanto, a maior parte da colina provém dos alimentos que consumimos.

Benefícios da colina

A colina ajuda a ter mais energia

Entre seus benefícios, permite o funcionamento correto do sistema nervoso e dos músculos.

Assim como a vitamina D, a colina desempenha um papel de apoio fundamental na absorção de cálcio, já que ajuda os ácidos graxos ômega 3 e as vitaminas B a funcionarem como devem.

Esses são os benefícios associados ao consumo de colina:

  • Rendimento esportivo

É necessária para que o cérebro se comunique adequadamente com os músculos. Não ter suficiente colina durante o exercício pode atrasar a mensagem do cérebro para a contração dos músculos, resultando em um cansaço mais rápido durante o exercício de resistência.

  • Saúde hepática

Ajuda a mover a gordura do fígado, prevenindo doenças hepáticas. Além disso, a colina libera o fígado para realizar suas funções chave de filtração, desintoxicação e conversão de alimentos em energia.

  • Envelhecimento do cérebro

Uma nova área de interesse para os cientistas, que estudam o impacto deste nutriente na alimentação, é se a ingestão deste nutriente poderia prevenir o deterioramento cognitivo à medida que se envelhece.

Alimentos ricos em colina

A seguir, mostraremos os alimentos mais ricos neste nutriente para que possa seguir uma dieta equilibrada.

  • Gema de ovo
  • Fígado
  • Carne de boi
  • Levedura de cerveja
  • Flocos de aveia
  • Nozes
  • Legumes

Leia também: 7 alimentos que melhoram a saúde cerebral e o bem-estar mental

Relação com o Alzheimer

Colina contribui para o combate ao Alzheimer

Estão pesquisando o efeito da colina no tratamento e prevenção de doenças como o Alzheimer.

Em um novo estudo, pesquisadores da Universidade Estatal do Arizona, nos Estados Unidos, exploram um tratamento seguro e simples para um dos transtornos mais devastadores e desconcertantes: a doença de Alzheimer.

Os autores principais, juntamente como o apoio de Centro de Pesquisa de Doenças Neurodegenerativas, pesquisam os efeitos da colina, um nutriente importante que pode ser promissor na guerra contra o transtorno de perda de memória.

O estudo centra-se em ratos criados para mostrar sintomas similares ao Alzheimer. Os resultados mostraram que quando estes roedores recebem uma alta quantidade de colina em sua dieta, seus descendentes mostram melhoras na memória espacial, em comparação com os que recebem um regime de colina normal no útero.

Além disso, os efeitos benéficos do suplemento com colina parecem ser transgeracionais, não só protegendo os animais que recebem a suplementação durante a gestação e a lactação, como também na descendência posterior destes ratos.

Importância no período de gravidez e lactação

A colina é muito importante na gravidez

O fornecimento deste nutriente durante a gravidez assegura um bom desenvolvimento cognitivo no futuro do bebê.

A Comissão de Alimentos e Nutrição do Instituto de Medicina da Academia Nacional de Ciências afiram que a colina é vital na complementação pré-natal. Nesse sentido, durante a gravidez, a ingestão de colina por parte da mãe pode influenciar o desenvolvimento da memória e do cérebro do bebê em formação.

As mulheres grávidas e lactantes, assim como as crianças, podem consumir colina dentro dos parâmetros da ingestão adequada recomendada. No entanto, a suplementação fora do regime alimentar usualmente não é necessária, caso se siga uma dieta saudável.

Confira ademais: Qual alimentação devo seguir durante a gravidez

Efeitos secundários

Contudo, obter muita colina pode causar um cheiro corporal de peixe, transpiração ou salivação pesada, baixa pressão arterial e predispõe à lesão hepática. Ademais, algumas pesquisas sugerem que altas quantidades de colina poderiam aumentar o risco de uma doença cardíaca.

No entanto, essas pesquisas focam no emprego de quantidades massivas de colina. Além disso, é um nutriente essencial para o organismo; cujo fornecimento deve estar assegurado no plano de um estilo de vida saudável.

  • Blusztajn, J. K., Slack, B. E., & Mellott, T. J. (2017). Neuroprotective Actions of Dietary Choline. Nutrients9(8), 815. doi:10.3390/nu9080815
  • Velazquez, Ramon & Ferreira, Eric & Winslow, Wendy & Dave, Nikhil & S. Piras, Ignazio & Naymik, Marcus & Huentelman, Matthew & Tran, An & Caccamo, Antonella & Oddo, Salvatore. (2019). Maternal choline supplementation ameliorates Alzheimer’s disease pathology by reducing brain homocysteine levels across multiple generations. Molecular Psychiatry. 10.1038/s41380-018-0322-z.
  • Xu X., Gammon M.D., Zeisel S.H., Lee Y.L., Wetmur J.G., Teitelbaum S.L., Bradshaw P.T., Neugut A.I., Santella R.M., Chen J. Choline metabolism and risk of breast cancer in a population-based study. FASEB J. 2008;22:2045–2052. doi: 10.1096/fj.07-101279.